Ma­nu­el Sil­va “Gi” de­fen­de cam­peões

Jo­ga­do­res aguar­dam por um aper­to de mão pe­la con­quis­ta do tí­tu­lo con­ti­nen­tal

Jornal de Angola - - PARTADA - VIVALDO EDU­AR­DO |

O Jor­nal de An­go­la foi, lo­go pe­la ma­nhã, à his­tó­ri­ca qua­dra de jo­gos do Fer­ro­viá­rio de An­go­la, tes­te­mu­nhar o quo­ti­di­a­no do trei­na­dor que tem so­bre os om­bros a ár­dua mis­são de for­mar cam­peões do pre­sen­te e do fu­tu­ro.

De­pois de ter con­du­zi­do a Se­lec­ção Na­ci­o­nal Sub-16 mas­cu­li­na de bas­que­te­bol ao pri­mei­ro tí­tu­lo afri­ca­no, em 2013, Ma­nu­el da Res­sur­rei­ção Figueiredo da Sil­va “Gi” ori­en­tou igual­men­te o cin­co an­go­la­no de Sub-18 que no dia 31 de Ju­lho, em Ki­ga­li (Ru­an­da), re­cu­pe­rou o tro­féu con­ti­nen­tal per­di­do há 28 anos. Des­de os pri­mei­ros pas­sos co­mo atle­ta do Gru­po Des­por­ti­vo da Ban­ca à tran­si­ção pa­ra o Fer­ro­viá­rio, com pas­sa­gem pe­lo Petro de Lu­an­da, Fí­si­ca de Tor­res Ve­dras e Queluz, fi­ca­mos a co­nhe­cer os de­ta­lhes da sua car­rei­ra des­por­ti­va co­mo jo­ga­dor pro­fis­si­o­nal, que ter­mi­nou qu­an­do com­ple­tou 36 anos.

Jor­nal de An­go­la – De­pois des­tes dois im­por­tan­tes tí­tu­los con­ti­nen­tais, que vi­são tem do fu­tu­ro. Há con­di­ções pa­ra con­ti­nu­ar na sen­da das vi­tó­ri­as?

Ma­nu­el Sil­va –

Pro­cu­ra­mos, aci­ma de tu­do, pro­mo­ver a me­lho­ria téc­ni­ca, tác­ti­ca e men­tal des­ses jo­vens. A par­ti­ci­pa­ção re­gu­lar em com­pe­ti­ções de ní­vel con­ti­nen­tal e mun­di­al vai, cer­ta­men­te, aju­dar mui­to. Co­me­çá­mos com o gru­po de Sub-16 em 2013, on­de con­quis­tá­mos um tí­tu­lo afri­ca­no até en­tão iné­di­to. No Mun­di­al, em 2014, já nos Sub-17, no­tá­mos uma acen­tu­a­da pro­gres­são e con­se­gui­mos a me­lhor clas­si­fi­ca­ção do país ob­ten­do o 11º lu­gar.

Em 2016 res­ga­tá­mos o tí­tu­lo de Sub-18, que nos es­ca­pa­va há qu­a­se 30 anos. Es­ta sequên­cia de tra­ba­lho não es­tá alheia à evo­lu­ção e às pos­si­bi­li­da­des de con­ti­nu­ar a tra­zer bons re­sul­ta­dos pa­ra o país.

Jor­nal de An­go­la – Qual a pre­vi­são em ter­mos de afir­ma­ção des­ses jo­ga­do­res no es­ca­lão de se­ni­o­res?

Ma­nu­el Sil­va –

A res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la afir­ma­ção des­ses jo­ga­do­res, no es­ca­lão prin­ci­pal, es­tá re­par­ti­da en­tre nós e os clu­bes on­de jo­gam. Co­mo sa­be, a pro­gres­são des­por­ti­va de­les tem es­trei­ta re­la­ção com a pos­si­bi­li­da­de de jo­gar nos seus clu­bes. Eles tra­ba­lham cer­ca de três me­ses sob nos­sa ori­en­ta­ção, qu­an­do há com­pro­mis­sos in­ter­na­ci­o­nais, e na mai­or par­te do tem­po fi­cam nos clu­bes. Al­guns até evo­lu­em fo­ra do país. Por­tan­to, is­so vai de­pen­der mui­to da for­ma co­mo tra­ba­lha­rem nos seus clu­bes e co­mo vão en­ca­rar es­ta no­va eta­pa da sua vi­da. Al­guns vão en­con­trar mui­tas di­fi­cul­da­des, por­que vão dei­xar de jo­gar no es­ca­lão Sub-18 e in­gres­sam nas equi­pas prin­ci­pais. Vai de­pen­der tam­bém da co­ra­gem que os trei­na­do­res ti­ve­rem de os lan­çar ou não, mas sei que o ta­len­to exis­te. No ime­di­a­to, pe­lo me­nos três jo­ga­do­res da­que­le gru­po de­vem des­pon­tar ra­pi­da­men­te e con­se­guir im­por-se, se­gun­do as mi­nhas pre­vi­sões.

Jor­nal de An­go­la - Que in­cen­ti­vo re­ce­be­ram de­pois da con­quis­ta do úl­ti­mo Afro­bas­ket?

Ma­nu­el Sil­va -

Te­mos de ser ho­nes­tos e não ten­tar es­ca­mo­te­ar a ver­da­de. Fi­ze­mos o nos­so tra­ba­lho que, por ser com jo­vens, é mais di­fí­cil do que tra­ba­lhar com se­ni­o­res. Há mui­ta gen­te à vol­ta de­les. Pais, ir­mãos, ami­gos, que in­flu­en­ci­am mui­to a sua men­ta­li­da­de. Qu­an­do es­tão con­nos­co, du­ran­te a pre­pa­ra­ção, te­mos um re­la­ti­vo con­tro­lo so­bre eles. Con­se­gui­mos sen­si­bi­li­zá­los pa­ra as di­fi­cul­da­des que o país atra­ves­sa, in­cen­ti­van­do-os pa­ra os sa­cri­fí­ci­os ne­ces­sá­ri­os. Tam­bém nos sa­cri­fi­ca­mos pa­ra que eles não se des­vi­em do fo­co. No fim, eles co­bram. Tra­ba­lhá­mos três, qua­tro me­ses com di­fi­cul­da­des e con­se­gui­mos ul­tra­pas­sá-las. Vi­a­já­mos com di­fi­cul­da­des, en­con­trá­mos ou­tras di­fi­cul­da­des na com­pe­ti­ção e su­pe­rá­mos to­das. De­pois dis­so, so­bre­tu­do pe­lo fac­to de se­rem jo­vens, de­ve­ri­am ser agra­ci­a­dos, pe­lo me­nos com uma re­cep­ção, co­mo for­ma de agra­de­ci­men­to. Exis­tem pes­so­as e ins­ti­tui­ções com es­ta res­pon­sa­bi­li­da­de, mas na­da dis­so acon­te­ceu.

Jor­nal de An­go­la – E qual foi a re­ac­ção dos jo­ga­do­res pe­ran­te es­sa si­tu­a­ção?

Ma­nu­el Sil­va –

Ain­da há pou­co per­gun­tou qual a nos­sa pre­vi­são em re­la­ção ao fu­tu­ro de­les. Pois, em fun­ção dis­so, al­guns não ga­ran­tem que em pró­xi­mas oca­siões es­te­jam dis­po­ní­veis pa­ra dei­xar os es­tu­dos e vir re­pre­sen­tar o país. Es­ti­ve no ae­ro­por­to a des­pe­dir-me dos jo­ga­do­res que iam pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, que me dis­se­ram: “co­a­ch, até da­qui a qua­tro anos!”. Mas eles sa­bem que te­mos um com­pro­mis­so no pró­xi­mo ano, que é o Cam­pe­o­na­to do Mun­do. Se ca­lhar foi ape­nas iro­nia, mas po­de não ter si­do. São miú­dos e, qu­an­do tra­ba­lha­mos com eles, te­mos a obri­ga­ção de ter sem­pre pre­sen­te es­ta res­pon­sa­bi­li­da­de. Me­re­cem um pou­co mais de ca­ri­nho, tal co­mo de­di­ca­mos aos nos­sos fi­lhos. Já não es­ta­mos a fa­lar dos Sub-16, mas sim dos Sub-18, cu­jo pró­xi­mo es­ca­lão é o de se­ni­o­res. Creio que as en­ti­da­des res­pon­sá­veis de­ve­ri­am re­ce­bê-los, dar­lhes um aper­to de mão e, no mais bre­ve es­pa­ço de tem­po pos­sí­vel, pre­miá-los, de acor­do com aqui­lo que es­ti­pu­la a lei. Por­que eles tam­bém fa­zem pla­nos. E, na ge­ne­ra­li­da­de, não têm uma vi­da es­tá­vel, a pon­to de po­de­rem es­pe­rar um ano ou mais, pa­ra que caia o pré­mio. Lem­bro-me que em 2013, qu­an­do ga­nhá­mos o tí­tu­lo de Sub-16, um dos jo­ga­do­res que vi­via em pés­si­mas con­di­ções, com o va­lor do pré­mio cons­truiu um quar­to no quin­tal do ir­mão, on­de vi­ve até ho­je. Fui pa­ra lá cons­ta­tar is­so e fi­quei mui­to sa­tis­fei­to, por­que afi­nal o jo­vem deu um pas­so im­por­tan­te. Nes­te mo­men­to, por mais que eu quei­ra co­me­çar a tra­ba­lhar da­qui a um mês, por exem­plo, pa­ra o Cam­pe­o­na­to do Mun­do, não te­nho co­mo con­for­tá-los, por­que as di­fi­cul­da­des du­ran­te a pre­pa­ra­ção são mui­tas. Mas, ca­so re­ce­bam o pré­mio da com­pe­ti­ção an­te­ri­or, eles têm mo­ti­va­ção pa­ra vol­tar ao tra­ba­lho já ama­nhã, se for o ca­so, e tra­çar­mos ob­jec­ti­vos mais am­bi­ci­o­sos. No en­tan­to, é ne­ces­sá­rio que a ou­tra par­te fa­ça aqui­lo que é de­vi­do.

Es­ti­ve no ae­ro­por­to a des­pe­dir-me dos jo­ga­do­res que iam pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, que me dis­se­ram: “co­a­ch, até da­qui a qua­tro anos!”. Mas eles sa­bem que te­mos um com­pro­mis­so no pró­xi­mo ano, que é o Cam­pe­o­na­to do Mun­do.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo es­tá o pro­jec­to que di­ri­ge no Fer­ro­viá­rio? Qu­an­do pen­sam che­gar ao Al­to Ren­di­men­to?

Ma­nu­el Sil­va – Fo­mos con­tac­ta­dos em Mar­ço. Em Abril ar­ru­má­mos a ca­sa, cri­an­do con­di­ções efec­ti­vas pa­ra co­me­çar­mos a tra­ba­lhar, e no mês de Maio ar­ran­cá­mos. Is­to é fru­to do tra­ba­lho de vá­ri­as pes­so­as, des­de o presidente Bráulio de Brito, pas­san­do pe­lo gran­de pro­mo­tor e pa­tro­ci­na­dor do pro­jec­to de bas­que­te­bol no Fer­ro­viá­rio, que é o se­nhor Jor­ge Abreu, a vi­ce­pre­si­den­te Pal­mi­ra Bar­bo­sa e pra­ti­ca­men­te to­da a fa­mí­lia do Fer­ro­viá­rio, in­cluin­do os trei­na­do­res de andebol. No pri­mei­ro dia de tra­ba­lho tí­nha­mos três jo­ga­do­res, mas uma se­ma­na de­pois já eram 30. Nes­ta al­tu­ra te­mos 130 pra­ti­can­tes e es­ta­mos a com­pe­tir nas pro­vas da As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, pa­ra os Sub-14, em mas­cu­li­nos. Já trei­nam tam­bém 30 me­ni­nas, às ter­ças, quin­tas e sex­tas-fei­ras. Na ge­ne­ra­li­da­de, so­mos mui­to exi­gen­tes con­nos­co e, por ar­ras­to, com os ou­tros agen­tes li­ga­dos à mo­da­li­da­de. Ape­sar do pou­co tem­po de tra­ba­lho, con­se­gui­mos apre­sen­tar to­da a do­cu­men­ta­ção dos nos­sos jo­ga­do­res, den­tro dos pra­zos que nos fo­ram in­di­ca­dos e fa­ze­mos ques­tão de as­se­gu­rar que ou­tros clu­bes cum­pram es­tes pres­su­pos­tos, vi­san­do re­al­çar sem­pre a ne­ces­si­da­de de pri­mar­mos pe­la or­ga­ni­za­ção e tam­bém pa­ra com­ba­ter­mos a adul­te­ra­ção das ida­des. As ou­tras equi­pas par­ti­ci­pa­ram no

Tor­neio de Aber­tu­ra, em Mar­ço e Abril, qu­an­do nós ain­da não exis­tía­mos. En­trá­mos di­rec­ta­men­te pa­ra o Cam­pe­o­na­to Pro­vin­ci­al, on­de en­con­trá­mos os ou­tros já ro­da­dos, mas ain­da as­sim não es­ta­mos mui­to aquém de­les. Es­ta­mos a pre­pa­rar as me­ni­nas e os Sub-12. Pa­ra os fe­mi­ni­nos te­mos fei­to con­ví­vi­os com ou­tros clu­bes, no âm­bi­to da sua for­ma­ção.

Qu­an­do ter­mi­nar a épo­ca, que­re­mos or­ga­ni­zar um tor­neio em me­mó­ria de uma fi­gu­ra ím­par des­ta ca­sa, que foi Wla­de­mi­ro Ro­me­ro, pa­ra agra­de­cer por tu­do o que fez pe­lo clu­be e pe­lo país. Va­mos en­ce­tar con­tac­tos com a As­so­ci­a­ção, Fe­de­ra­ção e a fa­mí­lia do fa­le­ci­do pro­fes­sor Ro­me­ro, pa­ra que nos au­to­ri­zem a im­ple­men­tar es­ta ideia. Na pró­xi­ma épo­ca, pa­ra além dos Sub-14, te­re­mos tam­bém as me­ni­nas e os Sub16. Não que­re­mos pen­sar já no Al­to Ren­di­men­to. O nos­so pro­jec­to é lon­go, com pe­lo me­nos qua­tro anos, on­de a ideia ini­ci­al era co­me­çar com os Sub-12 e le­var es­te gru­po até aos Sub-18. De­pois va­mos fa­zer um ba­lan­ço e de­ci­dir se op­ta­mos pe­la Al­ta Com­pe­ti­ção ou nos man­te­mos co­mo es­co­la de bas­que­te­bol.

Jor­nal de An­go­la – Na ge­ne­ra­li­da­de, os trei­na­do­res de bas­que­te­bol de An­go­la têm im­pul­si­o­na­do tam­bém a pro­gres­são dou­tras dis­ci­pli­nas des­por­ti­vas. Que su­ges­tões tem so­bre os ca­mi­nhos a se­guir pe­lo nos­so des­por­to rei?

Ma­nu­el Sil­va –

An­tes de mais, im­por­ta sa­li­en­tar que nin­guém fi­ca fe­liz qu­an­do o nos­so fu­te­bol tem um mau de­sem­pe­nho. Is­so afec­ta to­das as ou­tras mo­da­li­da­des. E por is­so te­mos de es­tar so­li­dá­ri­os com o fu­te­bol. Te­nho acom­pa­nha­do e fi­co fe­liz pe­lo re­sul­ta­do al­can­ça­do pe­los Sub-17. Es­tou cer­to de que va­mos pas­sar a eli­mi­na­tó­ria e che­gar ao CAN. Há pou­co tem­po es­ti­ve­mos per­to dis­so em Sub-20. Ago­ra, o que pre­ci­sa­mos evi­tar é que es­tas opor­tu­ni­da­des apa­re­çam es­po­ra­di­ca­men­te, co­mo que por aca­so. Qu­a­se nin­guém pres­tou aten­ção à equi­pa de Sub-17. Pro­va­vel­men­te as pes­so­as des­per­ta­ram qu­an­do eles apa­re­ce­ram nas du­as úl­ti­mas eli­mi­na­tó­ri­as. É fun­da­men­tal acau­te­lar as su­as con­di­ções de tra­ba­lho, pro­por­ci­o­nar a pos­si­bi­li­da­de de se gi­zar um pla­no bem di­rec­ci­o­na­do a mé­dio e lon­go pra­zos. E os in­ter­ve­ni­en­tes de­vem es­tar bem sin­cro­ni­za­dos. Por exem­plo, a As­so­ci­a­ção de Lu­an­da mar­cou re­cen­te­men­te al­guns jo­gos dos clu­bes, que im­pe­di­ram os jo­ga­do­res de es­tar na Se­lec­ção Na­ci­o­nal a pou­cos di­as do com­pro­mis­so in­ter­na­ci­o­nal.

MA­RIA AUGUSTA

Trei­na­dor da Se­lec­ção de Bas­que­te­bol diz que os jo­vens cam­peões me­re­cem mais ca­ri­nho

MA­RIA AUGUSTA

Se­lec­ci­o­na­dor de bas­que­te­bol pe­de mais aten­ção pa­ra os Sub-17 de fu­te­bol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.