Ener­gia lim­pa par­te do Soyo

Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ener­gia ex­pri­miu sa­tis­fa­ção pe­lo bom an­da­men­to das obras

Jornal de Angola - - PARTADA - JAQUELINO FIGUEIREDO | Soyo

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia con­si­de­rou se­gun­da-fei­ra que o Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo é um dos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes mais em­ble­má­ti­cos em exe­cu­ção no país, ten­do em con­ta as su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des e a sua ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir, nu­ma pri­mei­ra fa­se, 750 me­gawatts de ener­gia lim­pa. “Com es­ta cen­tral, vai-se po­luir pou­co, tor­nan­do-se mais ami­ga do am­bi­en­te”, dis­se.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia con­si­de­rou se­gun­da-fei­ra, no Soyo, o Ci­clo Com­bi­na­do da­que­le mu­ni­cí­pio co­mo sen­do um dos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes mais em­ble­má­ti­cos em exe­cu­ção no país, ten­do em con­ta as su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des e a sua ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir, nu­ma pri­mei­ra fa­se, 750 me­gawatts de ener­gia lim­pa. Jo­a­quim Ven­tu­ra te­ceu tais con­si­de­ra­ções no fi­nal de uma in­ten­sa jor­na­da de cam­po que vi­sou su­per­vi­si­o­nar o an­da­men­to de di­ver­sas obras em exe­cu­ção na re­gião, com des­ta­que pa­ra o pro­jec­to ener­gé­ti­co do Ci­clo Com­bi­na­do.

“É o pro­jec­to ener­gé­ti­co es­tru­tu­ran­te mais em­ble­má­ti­co em exe­cu­ção no país, por­que, pri­mei­ro, vai­se usar o gás na­tu­ral dis­po­ní­vel aqui no Soyo, con­tra­ri­a­men­te ao di­e­sel usa­do em mai­or es­ca­la ho­je. Com es­ta cen­tral, vai-se po­luir pou­co, tor­nan­do-se mais ami­go do am­bi­en­te. De­pois, a potência em si a ser pro­du­zi­da é de 750 me­gawatts, nu­ma pri­mei­ra fa­se, dos quais 250 pro­vi­rão da re­cu­pe­ra­ção do va­por das pró­pri­as tur­bi­nas em fun­ci­o­na­men­to, tor­nan­do-o mais efi­ci­en­te”, exem­pli­fi­cou, re­fe­rin­do-se ao Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo.

Jo­a­quim Ven­tu­ra, acom­pa­nha­do do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Zai­re, Jo­a­nes An­dré, mos­trou-se mui­to sa­tis­fei­to pe­lo an­da­men­to das obras de exe­cu­ção do pro­jec­to Ci­clo Com­bi­na­do, que con­si­de­rou es­ta­rem nu­ma fa­se mui­to avan­ça­da, cu­ja pri­mei­ra tur­bi­na já es­tá as­sen­te so­bre a sua fun­da­ção. Nes­te mo­men­to, exe­cu­tam-se os tra­ba­lhos com­ple­men­ta­res.

“A par­te eléc­tri­ca tam­bém es­tá mui­to avan­ça­da, de ma­nei­ra que es­ta­mos den­tro do cro­no­gra­ma es­ta­be­le­ci­do pa­ra es­ta obra e, de acor­do com o pre­vis­to, em Abril de 2017, po­de­re­mos ter em fun­ci­o­na­men­to a pri­mei­ra tur­bi­na sim­ples aqui na cen­tral do Soyo. Há um em­pe­nho mui­to gran­de do pes­so­al en­vol­vi­do nas obras, tan­to o em­prei­tei­ro, o fis­cal, co­mo o do­no da obra. Por­tan­to, saí­mos da­qui mui­to sa­tis­fei­tos com a evo­lu­ção de exe­cu­ção fí­si­ca que já apre­sen­ta a Cen­tral do Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo”, dis­se.

De acor­do com o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, a ener­gia que vai ser pro­du­zi­da no Soyo vai, em pri­mei­ra ins­tân­cia, cri­ar ca­pa­ci­da­des pa­ra a pro­vín­cia do Zai­re e o ex­ce­den­te po­de­rá ser en­vi­a­do pa­ra Lu­an­da e ou­tras pro­vín­ci­as do nor­te do país. Mas, en­quan­to a cen­tral não es­ti­ver con­cluí­da, den­tro de três me­ses, vai ser tra­zi­da pa­ra o Soyo elec­tri­ci­da­de a par­tir da cen­tral II de Cam­bam­be e de Laú­ca.

Jo­a­quim Ven­tu­ra dis­se que, após a con­clu­são da cen­tral do Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo, a mes­ma vai ter um im­pac­to mui­to gran­de no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co, ten­do em vis­ta as in­dús­tri­as pre­vis­tas pa­ra a re­gião, com des­ta­que pa­ra a pe­troquí­mi­ca e si­de­rúr­gi­ca, bem co­mo pa­ra cin­co ou­tras pro­vín­ci­as da par­te nor­te do país que es­tão in­ter­li­ga­das.

“O nú­me­ro de fa­mí­lia, di­ría­mos a re­gião nor­te to­da, é es­ti­ma­do em cer­ca de 50 por cen­to da po­pu­la­ção do país, por­que são cin­co pro­vín­ci­as que es­tão in­ter­li­ga­das, mais a pro­vín­cia do Zai­re, per­faz seis no to­tal que es­ta­rão in­ter­li­ga­das. Ora, se Lu­an­da tem se­te mi­lhões de ha­bi­tan­tes, se acres­cer­mos as ou­tras cin­co pro­vín­ci­as es­ta­mos a fa­lar mais de 50 por cen­to da po­pu­la­ção do país po­de­rá re­ce­ber ener­gia eléc­tri­ca do Ci­clo Com­bi­na­do, uma vez que não es­tá só di­men­si­o­na­do pa­ra o Zai­re, mas tam­bém pa­ra o país”, acres­cen­tou.

De­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al

A ener­gia a ser ge­ra­da a par­tir da cen­tral do Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo vai per­mi­tir que ha­ja de­sen­vol­vi­men­to agro-in­dus­tri­al a ní­vel da pro­vín­cia do Zai­re, uma vez que exis­tem tam­bém ter­ras ará­veis que vão fa­ci­li­tar a prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra me­ca­ni­za­da e a cri­a­ção de mi­lha­res de pos­tos de tra­ba­lho, con­si­de­rou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ener­gia.

“Com dis­po­ni­bi­li­da­de de ener­gia eléc­tri­ca, po­de­rá ser fei­ta uma agri­cul­tu­ra me­ca­ni­za­da, o que vai per­mi­tir mais pos­tos de tra­ba­lho com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to des­sas in­dús­tri­as na pro­vín­cia do Zai­re. Tam­bém vai au­men­tar re­cei­tas pa­ra o pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to da pro­vín­cia, atra­vés de co­bran­ça de ta­xas, acres­cen­tou Jo­a­quim Ven­tu­ra.

JAQUELINO FIGUEIREDO | SOYO

Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo cu­jas obras es­tão avan­ça­das vai per­mi­tir a dis­tri­bui­ção de ener­gia e o de­sen­vol­vi­men­to agro-in­dus­tri­al do Zai­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.