Se­cre­tá­rio-ge­ral é ho­je co­nhe­ci­do

VO­TA­ÇÃO NO CON­SE­LHO DE SE­GU­RAN­ÇA No­va can­di­da­ta da Eu­ro­pa de Les­te atra­sa a elei­ção pa­ra subs­ti­tui­ção de Ban Ki-mo­on

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das vo­tam ho­je o no­me do fu­tu­ro se­cre­tá­rio-ge­ral, uma elei­ção que tem co­mo fa­vo­ri­to o por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res, num pro­ces­so que po­de fi­car qu­a­se en­cer­ra­do de­pois de vá­ri­as ron­das de aus­cul­ta­ção e vo­ta­ção dos can­di­da­tos.

Os mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU vo­tam ho­je o no­me do fu­tu­ro se­cre­tá­rio-ge­ral, uma elei­ção que tem co­mo fa­vo­ri­to o por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res num pro­ces­so que po­de fi­car qu­a­se en­cer­ra­do de­pois de vá­ri­as ron­das de aus­cul­ta­ção e vo­ta­ção dos can­di­da­tos.

A Rús­sia, país com di­rei­to de ve­to no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, anun­ci­ou que vai apoi­ar uma mu­lher da Eu­ro­pa de Les­te, sen­do que exis­tem ape­nas du­as can­di­da­tas búl­ga­ras que pre­en­chem es­se re­qui­si­to: Iri­na Bo­ko­va e Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va, es­ta úl­ti­ma que en­trou na cor­ri­da há du­as se­ma­nas.

“Acre­di­ta­mos que é a vez da Eu­ro­pa do Les­te de for­ne­cer o pró­xi­mo se­cre­tá­rio-ge­ral. Gos­ta­ría­mos mui­to de ver uma mu­lher”, dis­se on­tem o em­bai­xa­dor rus­so nas Na­ções Uni­das, Vi­taly Chur­kin.

De­pois de cin­co vo­ta­ções em que os vo­tos dos 15 mem­bros eram in­dis­cri­mi­na­dos, os vo­tos dos mem­bros per­ma­nen­tes (Chi­na, Rús­sia, Fran­ça, Reino Uni­do e Es­ta­dos Uni­dos) vão ser des­ta­ca­dos pe­la pri­mei­ra vez, fi­can­do vi­sí­vel al­gum ca­so de ve­to.

Há 10 anos, qu­an­do foi es­co­lhi­do Ban Ki-mo­on, a pri­mei­ra vo­ta­ção des­te gé­ne­ro tor­nou-se, tam­bém, a úl­ti­ma. Na­que­le dia, 2 de Ou­tu­bro de 2006, o di­plo­ma­ta sul-co­re­a­no Ban Ki-mo­on re­ce­beu 14 vo­tos “en­co­ra­ja” e ape­nas um “sem opi­nião”, o que pre­ci­pi­tou a de­sis­tên­cia de to­dos os ou­tros can­di­da­tos no dia se­guin­te.

Uma se­ma­na mais tar­de, a 9 de Ou­tu­bro, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça apro­vou por acla­ma­ção a re­so­lu­ção que re­co­men­da­va o no­me do sul-co­re­a­no. No en­tan­to, con­for­me ex­pli­cou uma fon­te di­plo­má­ti­ca à im­pren­sa, o pro­ces­so tem pou­cas re­gras, o que dá mui­ta fle­xi­bi­li­da­de aos mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, so­bre­tu­do aos per­ma­nen­tes, pa­ra de­ci­di­rem os pró­xi­mos pas­sos. Mes­mo que An­tó­nio Gu­ter­res ob­te­nha o apoio de no­ve paí­ses e ne­nhum ve­to dos mem­bros per­ma­nen­tes, os mem­bros po­dem de­ci­dir re­a­li­zar mais vo­ta­ções. O an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro de Por­tu­gal ven­ceu as cin­co pri­mei­ras vo­ta­ções des­ta­ca­do, sen­do o úni­co can­di­da­to que ul­tra­pas­sou o mí­ni­mo de no­ve apoi­os, mas te­ve sem­pre en­tre dois e três vo­tos “de­sen­co­ra­ja”.

Se man­ti­ver o mes­mo re­sul­ta­do e um dos vo­tos ne­ga­ti­vos per­ten­cer a um dos cin­co mem­bro per­ma­nen­tes, o seu no­me não po­de ser se­quer re­co­men­da­do.

A en­tra­da da búl­ga­ra Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va na cor­ri­da, na se­ma­na pas­sa­da, tam­bém po­de pro­vo­car mais ron­das de vo­ta­ções, ne­ces­sá­ri­as pa­ra cla­ri­fi­car o po­si­ci­o­na­men­to de to­dos os paí­ses.

Num ano em que as Na­ções Uni­das ten­ta­ram tra­zer trans­pa­rên­cia ao pro­ces­so, re­a­li­zan­do au­di­ên­ci­as pú­bli­cas, en­tre­vis­tas e de­ba­tes com os 12 can­di­da­tos ini­ci­ais, a en­tra­da tar­dia da vi­ce-presidente da Co­mis­são Eu­ro­peia foi re­ce­bi­da com des­con­fi­an­ça por al­guns paí­ses e en­tu­si­as­mo por ou­tros.

A búl­ga­ra apre­sen­tou-se co­mo can­di­da­ta so­men­te na se­ma­na pas­sa­da, de­pois de o seu país ter dei­xa­do cair Iri­na Bo­ko­va, até en­tão a es­co­lhi­da pa­ra se­cre­tá­ria-ge­ral.

A até ago­ra vi­ce-presidente da União Eu­ro­peia de­ve ser apoi­a­da pe­la Ale­ma­nha e pe­lo pró­prio presidente da Co­mis­são Eu­ro­peia, mas fal­ta sa­ber que apoi­os tem den­tro do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, em par­ti­cu­lar dos que têm as­sen­to per­ma­nen­te e di­rei­to de ve­to.

No en­tan­to, há qu­em acre­di­te que a búl­ga­ra cum­pre os dois re­qui­si­tos mais re­pe­ti­dos.

A eco­no­mis­ta búl­ga­ra res­pon­deu na se­gun­da-fei­ra a du­as ho­ras de per­gun­tas de to­do o ti­po, in­cluin­do a guer­ra na Sí­ria, a cri­se dos re­fu­gi­a­dos e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas pe­ran­te a As­sem­bleia-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das.

A Rús­sia ocu­pa es­te mês a pre­si­dên­cia do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU e é um dos seus mem­bros per­ma­nen­tes com po­der de ve­to.

AFP

Búl­ga­ra Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va vai ser ou­vi­da ho­je no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das ór­gão que tem paí­ses com po­der de ve­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.