Si­tu­a­ção em Ca­bin­da é de só­li­da es­ta­bi­li­da­de

Ân­ge­la Bra­gan­ça te­ve en­con­tro com ho­mó­lo­ga lu­sa com quem ana­li­sou es­ta­do da co­o­pe­ra­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DIAS |

O co­man­dan­te da Re­gião Mi­li­tar Ca­bin­da, te­nen­te-ge­ne­ral Luís Ma­nu­el Do­min­gos “Pi­téu”, re­a­fir­mou ter­ça-fei­ra, no Bu­co Zau, que a pro­vín­cia sem­pre go­zou de to­tal es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­co-mi­li­tar em to­da a sua ex­ten­são. O ge­ne­ral dis­se ser no­tá­vel a li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, tan­to no pe­río­do noc­tur­no co­mo no diur­no, con­tra­ri­a­men­te ao que se apre­goa.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros e da Co­o­pe­ra­ção de Por­tu­gal, Te­re­sa Ri­bei­ro, agra­de­ceu o “apoio ac­ti­vo” de Angola ao por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res, elei­to on­tem Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das. “Por­tu­gal es­tá gra­to a tu­do quan­to Angola tem fei­to nes­se do­mí­nio”, dis­se Te­re­sa Ri­bei­ro, no fi­nal de um en­con­tro com a ho­mó­lo­ga an­go­la­na, Ân­ge­la Bra­gan­ça, no pri­mei­ro dia da sua vi­si­ta de qua­tro dias a Angola.

An­tó­nio Gu­ter­res é elei­to ho­je por acla­ma­ção Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, de­pois de on­tem ter ven­ci­do por 13 vo­tos a fa­vor e sem ne­nhum ve­to, com uma van­ta­gem de oi­to vo­tos so­bre a can­di­da­ta búl­ga­ra Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va, que en­trou na cor­ri­da há uma se­ma­na.

Te­re­sa Ri­bei­ro su­bli­nhou que An­tó­nio Gu­ter­res tem uma di­men­são hu­ma­na mui­to par­ti­cu­lar que é re­co­nhe­ci­da por to­dos, além do mé­ri­to que o qua­li­fi­ca pa­ra a fun­ção. Lem­brou que mui­tos lí­de­res afri­ca­nos apoi­am a can­di­da­tu­ra de An­tó­nio Gu­ter­res, que tem um in­te­res­se enor­me por Áfri­ca, sen­do o pri­mei­ro a lan­çar a ideia de uma li­ga­ção en­tre a Eu­ro­pa e Áfri­ca. “Es­sa pre­o­cu­pa­ção não se es­go­tou quan­do era pri­mei­ro-mi­nis­tro. Es­ten­deu-se quan­do foi al­to-co­mis­sá­rio pa­ra os re­fu­gi­a­dos.”

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Co­o­pe­ra­ção de Angola, Ân­ge­la Bra­gan­ça, dis­se que o país, en­quan­to mem­bro da CPLP, te­ve sem­pre uma po­si­ção cla­ra em re­la­ção à eleição do no­vo Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU. “Te­mos uma pa­la­vra que se tem ma­ni­fes­ta­do ao ní­vel do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça e du­ran­te as vo­ta­ções. Va­mos tra­ba­lhar nes­sa li­nha. Angola é um país que sa­be o que quer”, dis­se.

Co­o­pe­ra­ção lu­so-an­go­la­na

Ân­ge­la Bra­gan­ça de­fen­deu que ha­ja re­a­lis­mo e ob­jec­ti­vi­da­de na co­o­pe­ra­ção en­tre Angola e Por­tu­gal. A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Co­o­pe­ra­ção, que fez es­ta de­cla­ra­ção no fi­nal de um en­con­tro com a sua ho­mó­lo­ga por­tu­gue­sa, Te­re­sa Ri­bei­ro, dis­se que os dois paí­ses de­vem tri­lhar um ca­mi­nho di­fe­ren­te ao ní­vel da co­o­pe­ra­ção, que se­ja ba­se­a­da em mais-va­lia, so­bre­tu­do no apoio de Por­tu­gal à di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca an­go­la­na.

“É fun­da­men­tal, nes­ta fa­se, o es­ta­be­le­ci­men­to de re­la­ções bi­la­te­rais que fun­ci­o­nem nu­ma ba­se re­a­lis­ta e ob­jec­ti­va. Pa­ra is­so, é pre­ci­so 'dri­blar' as di­fi­cul­da­des que vão apa­re­cen­do pe­lo ca­mi­nho. Qu­e­re­mos é que ha­ja re­a­lis­mo e ob­jec­ti­vi­da­de e que, so­bre­tu­do, es­te re­a­lis­mo e ob­jec­ti­vi­da­de afas­te ten­dên­ci­as que não fa­zem par­te da agen­da de co­o­pe­ra­ção e ami­za­de en­tre os nos­sos po­vos e paí­ses”, re­fe­riu.

Ân­ge­la Bra­gan­ça in­sis­tiu ser ne­ces­sá­rio que os dois Es­ta­dos ex­pe­ri­men­tem ou­tras vi­as de co­o­pe­ra­ção ca­pa­zes de ani­mar e le­var avan­te to­das as pro­pos­tas con­jun­tas, nu­ma al­tu­ra em que exis­tem ain­da te­mas pen­den­tes a se­rem re­ac­ti­va­dos, com re­al­ce pa­ra o Pro­gra­ma Exe­cu­ti­vo de Co­o­pe­ra­ção. Equi­pas téc­ni­cas es­tão cri­a­das pa­ra tra­ba­lhar na for­mu­la­ção de ac­ções e pro­jec­tos em áre­as pri­o­ri­tá­ri­as pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca do país. Du­ran­te o en­con­tro, as du­as se­cre­tá­ri­as de Es­ta­do pro­pu­se­ram-se tra­ba­lhar em di­ver­sos te­mas, com re­al­ce pa­ra as di­fi­cul­da­des re­la­ci­o­na­das com as trans­fe­rên­ci­as de di­nhei­ro que os por­tu­gue­ses a tra­ba­lhar no país têm pas­sa­do com o emer­gir da si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra pou­co fa­vo­rá­vel.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Co­o­pe­ra­ção por­tu­gue­sa de­fen­deu igual­men­te que se ul­tra­pas­sem as di­fi­cul­da­des que vão sur­gin­do nas re­la­ções en­tre os dois paí­ses. Fa­lou tam­bém na ne­ces­si­da­de de “re­vi­si­tar” o Pro­gra­ma Exe­cu­ti­vo de Co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral e adap­tá-lo à agen­da in­ter­na­ci­o­nal e mul­ti­la­te­ral, prin­ci­pal­men­te a 20/30 (adop­ta­da em 2015 no qua­dro das Na­ções Uni­das e que es­ta­be­le­ce um con­jun­to de ob­jec­ti­vos de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel), que a to­dos vin­cu­la.

Te­re­sa Ri­bei­ro con­si­de­rou ex­ce­len­tes as re­la­ções en­tre Angola e Por­tu­gal e pro­me­teu tra­ba­lhar num ní­vel de co­o­pe­ra­ção que pro­du­za re­sul­ta­dos be­né­fi­cos pa­ra am­bos os paí­ses e que pa­ra tal se­ja “subs­tan­ti­va” e se ba­seie nas pri­o­ri­da­des da agen­da in­ter­na­ci­o­nal de cada país. Sem pre­ci­sar da­tas, Te­re­sa Ri­bei­ro fa­lou da vi­si­ta ofi­ci­al do Pre­si­den­te de Por­tu­gal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa, ou do pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, a Angola, den­tro do ca­len­dá­rio ra­zoá­vel e pos­sí­vel des­sas en­ti­da­des.

Du­ran­te a sua es­ta­da em Angola, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros e da Co­o­pe­ra­ção de Por­tu­gal tem pre­vis­tos en­con­tros com ou­tros mem­bros do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, com quem de­ve­rá pas­sar em revista o es­ta­do da co­o­pe­ra­ção.

ROGÉRIO TUTI

Ân­ge­la Bra­gan­ça dis­se que Angola en­quan­to mem­bro da CPLP te­ve sem­pre uma po­si­ção cla­ra quan­to à eleição do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.