Se­gu­ran­ça na gran­de me­tró­po­le lu­an­den­se

Jornal de Angola - - PARTADA -

A re­cen­te ac­tu­a­ção da Po­lí­cia Na­ci­o­nal ao de­ter, em Lu­an­da, três es­tran­gei­ros, em si­tu­a­ção de ile­ga­li­da­de, sus­pei­tos do rap­to de um por­tu­guês e um ca­bo-ver­di­a­no, por cu­ja li­ber­ta­ção pe­di­am avul­ta­da quan­tia, com­pro­vou a efi­cá­cia da se­gu­ran­ça em Angola.

Me­nos de uma se­ma­na após os de­sa­pa­re­ci­men­tos – o ca­bo-ver­di­a­no, tam­bém com na­ci­o­na­li­da­de in­di­a­na, foi se­ques­tra­do em 19 de Se­tem­bro e o por­tu­guês, no dia se­guin­te - a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, sem ala­ri­dos, de­tec­tou o lo­cal on­de se en­con­tra­vam as ví­ti­mas, li­ber­tou-as, de­te­ve os even­tu­ais rap­to­res so­bre quem re­ca­em sus­pei­tas de ou­tros cri­mes idên­ti­cos e en­cer­rou um ca­so, que po­dia ter con­sequên­ci­as bem mais gra­ves.

A Po­lí­cia Na­ci­o­nal, ao res­ga­tar rap­ta­dos e de­ter sus­pei­tos dos cri­mes,não ape­nas ra­ti­fi­cou a com­pe­tên­cia que tem - tan­tas ve­zes pos­ta em cau­sa -, co­mo pôs fim a mais uma on­da de bo­a­tos nas re­des so­ci­ais e “con­ver­sas de ca­fé” tão ao gos­to dos eter­na­men­te se­den­tos de de­tur­pa­rem a re­a­li­da­de do dia-a-dia an­go­la­no, prin­ci­pal­men­te de Lu­an­da, ci­da­de com os prós e con­tras de qual­quer ou­tra gran­de me­tró­po­le, em­bo­ra na­tu­ral­men­te com ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as, mas com mui­to me­nos vi­o­lên­cia e mai­or se­gu­ran­ça que gran­de par­te das ur­bes de Áfri­ca, Amé­ri­cas, Ásia, Eu­ro­pa. Cer­tos or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais, tão ávi­dos e cé­le­res na di­vul­ga­ção de “da­dos es­pe­cí­fi­cos so­bre tu­do e so­bre na­da”, têm cer­ta­men­te ele­men­tos que ates­tam is­to.

À fal­ta de­les, há os es­tran­gei­ros que tra­ba­lham em Lu­an­da, que aju­dam a en­cher, às mais va­ri­a­das ho­ras, prin­ci­pal­men­te do pôr ao nas­cer do sol, res­tau­ran­tes, ba­res, dis­co­te­cas, far­ras de quin­tal de uma a ou­tra ponta de Lu­an­da. Aliás, o em­bai­xa­dor de Por­tu­gal no nos­so país afir­mou há pou­cos dias, na sequên­cia do res­ga­te pe­la Po­lí­cia Na­ci­o­nal de um com­pa­tri­o­ta seu, que a si­tu­a­ção em Angola “é per­fei­ta­men­te nor­mal, é per­fei­ta­men­te es­tá­vel”.

Lu­an­da, con­vém re­pe­tir pa­ra avi­var me­mó­ri­as dos mais dis­traí­dos e des­mas­ca­rar pom­bos-cor­reio de bo­a­tos, ofe­re­ce, na ge­ne­ra­li­da­de, mai­or se­gu­ran­ça do que ci­da­des de paí­ses mais an­ti­gos e, por is­so mes­mo, me­lhor es­tru­tu­ra­das. A nos­sa ca­pi­tal es­tá imu­ne ao cri­me vi­o­len­to? Na­tu­ral­men­te que não, nun­ca es­te­ve, em­bo­ra sau­do­sis­tas res­sa­bi­a­dos gos­tem de apre­go­ar is­so. Nem se­quer me re­fi­ro à vi­o­lên­cia do re­gi­me co­lo­ni­al em si, mes­mo que ha­ja -até en­tre nós –quem des­pu­do­ra­da­men­te o quei­ra su­a­vi­zar e lhe ve­ja vir­tu­des!Cin­jo-me aos ou­tros cri­mes vi­o­len­tos, in­cluin­do os de san­gue. E nes­sa al­tu­ra, an­tes da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a po­pu­la­ção da ca­pi­tal an­go­la­na era cerca de dez ve­zes me­nos nu­me­ro­sa do que a ac­tu­al, e, con­quan­to­não tan­to co­mo ago­ra, já fos­se he­te­ro­gé­nea, não ape­nas com pes­so­as oriun­das de ou­tras zo­nas do ter­ri­tó­rio, co­mo de fo­ra, so­bre­tu­do de Por­tu­gal, mas igual­men­te de Ca­bo Ver­de, São To­mé e de Goa.

Cri­mes da­que­la al­tu­ra, pe­la vi­o­lên­cia ou es­pec­ta­cu­la­ri­da­de de que se re­ves­ti­ram, per­du­ram na me­mó­ria de al­guns de nós.

O “gran­de cri­me” não é, pois, ex­clu­si­vo des­tes tem­pos. Nem em Lu­an­da, nem em qual­quer ou­tra par­te do mun­do por mai­or que se­ja a com­pe­tên­cia, o em­pe­nho das Po­lí­ci­as e as téc­ni­cas mais so­fis­ti­ca­das que uti­li­zem. Se as­sim fos­se, os paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos já ti­nham aca­ba­do com ele, mas o que se ve­ri­fi­ca é exac­ta­men­te o con­trá­rio. Os cri­mi­no­sos tam­bém se “mo­der­ni­zam” e sa­bem, in­clu­si­va­men­te, ser­vir-se das no­vas tec­no­lo­gi­as.

A Po­lí­cia an­go­la­na, ape­sar de ser uma cor­po­ra­ção nova de um país no­vo, tem acom­pa­nha­do a evo­lu­ção das téc­ni­cas de in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal e con­tri­buí­do pa­ra a se­gu­ran­ça de to­dos os re­si­den­tes no país, an­go­la­nos ou não, co­mo de­mons­tra a ra­pi­dez com que des­ven­dou o ca­so do res­ga­te dos dois es­tran­gei­ros re­cen­te­men­te rap­ta­dos em Lu­an­da. O cri­me, pe­los con­tor­nos que o ro­de­a­vam, sa­tis­fez o ego dos “pro­fe­tas da des­gra­ça”, ado­çou a bo­ca dos “pom­bos-cor­reio de mau bi­co”, dos que usam lu­pa des­fo­ca­da pa­ra trans­mi­ti­rem ima­gens dis­tor­ci­das da re­a­li­da­de an­go­la­na. Des­ta vez, “en­fi­a­ram a vi­o­la no sa­co”, mas não de­sis­tem, tal co­mo os ou­tros ban­di­dos.

A lu­ta con­tra a cri­mi­na­li­da­de ga­nhou, mas os seus res­pon­sá­veis têm cons­ci­ên­cia de que foi ape­nas a vi­tó­ria nu­ma ba­ta­lha de uma guer­ra que pros­se­gue, com sol­da­dos cada vez mais com­pe­ten­tes e em­pe­nha­dos, em tan­tas oca­siões in­com­pre­en­di­dos e ca­lu­ni­a­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.