Fi­li­pe Nyu­si re­jei­ta im­po­si­ção da Re­na­mo que vi­o­la as leis

Fi­li­pe Nyu­si re­jei­ta im­po­si­ção de des­res­pei­to à Cons­ti­tui­ção no diá­lo­go com a Re­na­mo

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Mo­çam­bi­que co­me­mo­rou na ter­ça-fei­ra o 24.º ani­ver­sá­rio do Acor­do Ge­ral de Paz, as­si­na­do em 1992, em Ro­ma, pe­lo en­tão Che­fe de Es­ta­do, Jo­a­quim Chis­sa­no, e pe­lo até ho­je lí­der da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma, ago­ra o mai­or en­tra­ve à re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, es­ta­bi­li­da­de e de­sen­vol­vi­men­to da “Pé­ro­la do Ín­di­co” por que tan­to lu­tou no pas­sa­do.

A efe­mé­ri­de foi ce­le­bra­da nu­ma al­tu­ra em que Mo­çam­bi­que vol­ta a vi­ver con­fron­tos ar­ma­dos re­sul­tan­tes da ten­são ac­tu­al de­vi­do ao que al­guns ana­lis­tas qua­li­fi­cam de “fa­lhas na im­ple­men­ta­ção do Acor­do Ge­ral de Paz”.

En­tre as “fa­lhas”, des­ta­cam a não des­mi­li­ta­ri­za­ção da Re­na­mo e o do­mí­nio dos mi­li­tan­tes da Fre­li­mo, par­ti­do que go­ver­na, no aces­so às opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas.

Pa­ra aca­bar com a ten­são ac­tu­al, uma co­mis­são mis­ta pre­pa­ra, com au­xí­lio de me­di­a­do­res es­tran­gei­ros, uma agen­da de diá­lo­go e uma reu­nião en­tre o Che­fe de Es­ta­do, Fi­li­pe Nyu­si, e o lí­der da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma, des­ti­na­da a en­con­trar “um en­ten­di­men­to de­fi­ni­ti­vo pa­ra o fim da cri­se po­lí­ti­ca e mi­li­tar” em Mo­çam­bi­que.

Sem re­sul­ta­dos con­cre­tos, as ne­go­ci­a­ções en­tre as par­tes fo­ram sus­pen­sas até se­gun­da-fei­ra, pa­ra per­mi­tir às par­tes re­flec­tir so­bre a des­cen­tra­li­za­ção do poder, exi­gên­cia da Re­na­mo, que pre­ten­de go­ver­nar em seis pro­vín­ci­as do cen­tro e nor­te do país on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas mais re­cen­tes elei­ções ge­rais, e so­bre o de­sar­ma­men­to des­ta for­ça po­lí­ti­ca e a ces­sa­ção das su­as hos­ti­li­da­des mi­li­ta­res, exi­gi­da pe­lo Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no. A fal­ta de con­fi­an­ça en­tre as par­tes es­tá a mi­nar o diá­lo­go po­lí­ti­co eé a mai­or di­fi­cul­da­de pa­ra se che­gar a con­sen­so so­bre os as­sun­tos em ci­ma da me­sa, de­fen­dem os me­di­a­do­res es­tran­gei­ros.

“Não pos­so di­zer quan­to tem­po va­mos pre­ci­sar pa­ra re­sol­ver to­das as ques­tões por­que não se tra­ta ape­nas de re­sol­ver pro­ble­mas, mas tam­bém de cri­ar a con­fi­an­ça en­tre as par­tes”, afir­mou Má­rio Ra­fa­e­li, o co­or­de­na­dor do gru­po de me­di­a­do­res es­tran­gei­ros.

Mo­men­to de re­fle­xão

Du­ran­te a ce­ri­mó­nia cen­tral dos 24 anos da as­si­na­tu­ra do Acor­do Ge­ral de Paz, re­a­li­za­da em Ma­pu­to e boi­co­ta­da pe­lo par­ti­do de Afon­so Dh­la­ka­ma, que pre­fe­riu or­ga­ni­zar a sua pró­pria comemoração, o Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que ga­ran­tiu que os es­for­ços em bus­ca da paz efec­ti­va não in­clu­em im­po­si­ções pa­ra a vi­o­la­ção da Cons­ti­tui­ção.

Fi­li­pe Nyu­si acu­sou a Re­na­mo de não que­rer a paz e des­va­lo­ri­zar o Acor­do Ge­ral de Paz as­si­na­do em 4 de Ou­tu­bro de 1992 com Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no, ao mes­mo tem­po que ape­lou à co­e­são e união na­ci­o­nal pa­ra se ul­tra­pas­sar a vi­o­lên­cia ar­ma­da.

“Ao in­vés de es­tar­mos em ce­le­bra­ção, es­ta­mos mer­gu­lha­dos num mo­men­to de re­fle­xão”, su­bli­nhou.

Fi­li­pe Nyu­si re­cor­dou que a guer­ra ci­vil du­rou 16 anos e “pro­vo­cou mais de um mi­lhões de pes­so­as”, e su­bli­nhou que a ins­ta­bi­li­da­de mi­li­tar ac­tu­al “tor­na re­féns os es­for­ços de de­sen­vol­vi­men­to do país”.

O Che­fe de Es­ta­do mo­çam­bi­ca­no vol­tou a rei­te­rar a sua dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra se en­con­trar com Afon­so Dh­la­ka­ma e as­si­nar “um en­ten­di­men­to de­fi­ni­ti­vo pa­ra o fim da cri­se po­lí­ti­ca e mi­li­tar”.

O Acor­do Ge­ral de Paz as­si­na­do em Ro­ma, con­cluiu, “mos­trou a von­ta­de do Go­ver­no e do po­vo de Mo­çam­bi­que em abrir uma nova agen­da de de­sen­vol­vi­men­to, por­que a paz é o mais im­por­tan­te pa­ra a pros­se­cu­ção do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al”.

Acor­do Ge­ral de Paz

O Acor­do Ge­ral de Paz, ce­le­bra­do após con­ver­sa­ções ini­ci­a­das em 1990, me­di­a­das pe­la Co­mu­ni­da­de de San­to Egí­dio e li­de­ra­das por Armando Gu­e­bu­za, pe­lo Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no, e por Raul Do­min­gos, pe­la Re­na­mo, pôs fim a 16 anos de uma guer­ra ci­vil que de­vas­tou a eco­no­mia mo­çam­bi­ca­na e com con­sequên­ci­as trá­gi­cas pa­ra as po­pu­la­ções.

En­tre 1992 e 1994, Mo­çam­bi­que pas­sou por pro­fun­das mu­dan­ças, com des­ta­que pa­ra a adop­ção do mul­ti­par­ti­da­ris­mo, após a en­tra­da em vi­gor da nova Cons­ti­tui­ção, re­a­li­za­ção das pri­mei­ras elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as da his­tó­ria do país, de­sen­vol­vi­men­to de mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al in­de­pen­den­tes e for­ma­ção de or­ga­ni­za­ções e as­so­ci­a­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, e à pas­sa­gem de uma eco­no­mia so­ci­a­lis­ta cen­tra­li­za­da pa­ra uma eco­no­mia de mer­ca­do.

Com a as­si­na­tu­ra do Acor­do Ge­ral de Paz, co­me­çou em Mo­çam­bi­que um ci­clo po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co ago­ra ame­a­ça­do pe­la ins­ta­bi­li­da­de mi­li­tar pro­vo­ca­da pe­la Re­na­mo, que exi­ge a go­ver­na­ção de seis pro­vín­ci­as on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria nas elei­ções ge­rais (pre­si­den­ci­ais e le­gis­la­ti­vas) de 2014.

DOMBELE BER­NAR­DO

Mo­çam­bi­ca­nos vi­vem pe­río­do de in­cer­te­za de­vi­do à mais re­cen­te ten­são po­lí­ti­ca e mi­li­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.