Réu cho­ra no in­ter­ro­ga­tó­rio

Jornal de Angola - - POLÍTICA - KÍLSSIA FER­REI­RA |

O Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, no Dis­tri­to Ur­ba­no do Ki­lam­ba Ki­a­xi, mar­cou pa­ra o dia 11 de Ou­tu­bro a apre­sen­ta­ção das ale­ga­ções fi­nais no pro­ces­so em que é réu Émer­son Bruno To­más, de 27 anos, acu­sa­do do cri­me de ho­mi­cí­dio vo­lun­tá­rio.

No iní­cio da au­di­ên­cia o ad­vo­ga­do de de­fe­sa do réu con­tes­tou o au­to da acu­sa­ção, ale­gan­do que Émer­son Bruno An­dré To­más não agiu com in­ten­ção de ma­tar. O cau­sí­di­co re­la­tou que por vol­tas das 19h00 do dia 29 de No­vem­bro de 2015, o réu en­con­tra­va-se nu­ma bar­ra­ca, no cam­po do Ki­lam­ba Ki­a­xi, quan­do foi sur­pre­en­di­do por um de­sen­ten­di­men­to en­tre a do­na do es­ta­be­le­ci­men­to e um cli­en­te. O ad­vo­ga­do do réu fri­sou que o mo­ti­vo da bri­ga era um va­si­lha­me de cer­ve­ja.

O ad­vo­ga­do acres­cen­tou que com o in­tui­to de acal­mar a con­ten­da, o seu cli­en­te efec­tu­ou um dis­pa­ro pa­ra o ar, ten­do o car­re­ga­dor caí­do e o se­gun­do ti­ro foi aci­den­tal.“O meu cli­en­te não agiu com a in­ten­ção de ma­tar”, su­bli­nhou.

O re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co re­fe­riu que o au­to de pro­nún­cia re­fe­re que o réu Émer­son Bruno An­dré To­más, per­ten­cen­te ao Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça Mi­li­tar (SISM), no dia 29 de No­vem­bro do ano pas­sa­do, en­con­tra­va-se a pres­tar au­xi­lio a uma vi­zi­nha quan­do a mes­ma mon­ta­va a sua bar­ra­ca. Mi­nu­tos de­pois sur­ge o de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré, de 26 anos, que en­tra em con­ten­da com a do­na da bar­ra­ca. No sen­ti­do de acal­mar a con­ten­da o réu sa­cou da sua pis­to­la e efec­tu­ou três dis­pa­ros, sen­do que um dos ti­ros atin­giu a ca­be­ça de Jor­ge Fran­cis­co Bran­dão. A ví­ti­ma, ain­da com vi­da, foi le­va­da pa­ra o hos­pi­tal e veio a fa­le­cer no dia 3 de De­zem­bro do mes­mo ano por trau­ma­tis­mo cra­ne­o­en­ce­fá­li­co.

Du­ran­te a au­di­ên­cia de jul­ga­men­to, que de­cor­re na 11.ª Sec­ção da Sa­la dos Cri­mes Co­muns, o réu Émer­son To­más, de­pois de to­mar con­tac­to com as su­as de­cla­ra­ções pres­ta­das na fa­se de ins­tru­ção do pro­ces­so, no­tou de­tur­pa­ções e a fal­ta de al­gu­mas in­for­ma­ções que não cons­ta­vam nos au­tos.

O réu con­fir­mou que se­pa­rou a bri­ga en­tre a do­na da bar­ra­ca e o de­cla­ran­te Ma­teus La­ça An­dré. O mes­mo con­tou que em se­gui­da le­vou o de­cla­ran­te pa­ra o ou­tro la­do da es­tra­da e pro­cu­rou sa­ber o que estava na ori­gem do pro­ble­ma. Ten­do o de­cla­ran­te ex­pli­ca­do que a se­nho­ra lhe de­via 500 kwan­zas. O réu dis­se que ques­ti­o­nou Ma­teus An­dré: “Por cau­sa de 500 kwan­zas vais agre­dir uma se­nho­ra?”, ten­do o mes­mo res­pon­di­do: “É mes­mo as­sim, ela tem de dar o meu di­nhei­ro”.Ven­do a si­tu­a­ção, o réu de­ci­diu en­tre­gar os 500 kwan­zas a Ma­teus An­dré a fim de ter­mi­nar a bri­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.