CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LINO OLI­VEI­RA | ARMÉNIO SIL­VA ÂN­GE­LA PANZO | GERVÁSIO AN­TÓ­NIO |

O es­ta­do do Ho­tel Pa­no­ra­ma

Co­nhe­ci o Ho­tel Pa­no­ra­ma (HP) há 41 anos e, a par de ou­tros ho­téis, co­mo o Cos­ta do Sol, Pre­si­den­te, Tró­pi­co, es­se em­pre­en­di­men­to cons­ti­tuía a no­ta­bi­li­da­de dos lu­an­den­ses. Era um ho­tel de re­fe­rên­cia, e ne­le hos­pe­da­ram-se dis­tin­tas personalidades não só na­ci­o­nais, co­mo es­tran­gei­ras, den­tre as quais, se­lec­ci­o­na­do­res da nos­sa Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Fu­te­bol, os “Pa­lan­cas Ne­gras”.

Com o fa­mo­so re­di­men­si­o­na­men­to de em­pre­sas e de ou­tros ser­vi­ços sob tu­te­la do Es­ta­do, o HP, as­sim de­sig­na­do e bem, por ser um es­pa­ço fí­si­co vis­to de um pon­to ele­va­do ou re­la­ti­va­men­te dis­tan­te da nos­sa “Ngim­be”, que o di­gam os que na­ve­gam na Cos­ta Atlân­ti­ca de­fron­te a ela, es­se be­lo em­pre­en­di­men­to, aos pou­cos, tor­nou-se um lo­cal imun­do, com mar­gi­nais à mis­tu­ra que fa­zem de­le um lu­gar fu­nes­to. Mas que tris­te des­ti­no, Pa­no­ra­ma!

Se­rá que não exis­tem em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ros in­te­res­sa­dos na re­a­bi­li­ta­ção da­que­la obra-pri­ma, que se vai de­gra­dan­do sob o olhar in­di­fe­ren­te de quem po­de de­li­be­rar? Cu­ri­o­so é que, ad­ja­cen­tes ao HP, fo­ram er­gui­dos edi­fí­ci­os, an­te­ce­di­dos de enor­mes quan­ti­da­des de areia, su­ga­dos da Cos­ta Atlân­ti­ca. E o Pa­no­ra­ma?

O país tem um de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al que cui­da da po­lí­ti­ca do Exe­cu­ti­vo no do­mí­nio da ho­te­la­ria e, por ar­ras­to, do tu­ris­mo. Es­se de­par­ta­men­to, do meu pon­to de vis­ta, es­tá a fa­zer um tra­ba­lho no­tá­vel quan­to ao in­cen­ti­vo da in­dús­tria ho­te­lei­ra e si­mi­la­res, con­di­ção in­dis­pen­sá­vel pa­ra que o tu­ris­mo pros­pe­re. Lo­go se­ria ca­pi­tal que se des­se tra­ta­men­to às cau­sas re­ais que con­du­zi­ram o Pa­no­ra­ma ao es­ta­do em que se en­con­tra, por for­ma a de­vol­ver-lhe a dig­ni­da­de ar­qui­tec­tó­ni­ca e de gran­de Ho­tel, re­co­lo­can­do-o co­mo mais um ins­tru­men­to viá­vel pa­ra a ex­pan­são da eco­no­mia an­go­la­na.

Re­co­lha de li­xo

Gos­tei de sa­ber que exis­te uma ins­ti­tui­ção que po­de re­ce­ber te­le­fo­ne­mas de ci­da­dãos pa­ra co­mu­ni­car a exis­tên­cia de gran­des con­cen­tra­ções de re­sí­du­os só­li­dos em Lu­an­da. Lu­an­da ho­je é uma gran­de ci­da­de e faz sen­ti­do que as ins­ti­tui­ções res­pon­sá­veis pe­la lim­pe­za da ca­pi­tal se pre­o­cu­pem em sa­ber, com a aju­da dos ci­da­dãos, on­de se en­con­tram os re­sí­du­os só­li­dos pa­ra se­rem ime­di­a­ta­men­te re­co­lhi­dos.

O li­xo não de­ve per­ma­ne­cer mui­tos dias nos di­fe­ren­tes mu­ni­cí­pi­os de Lu­an­da e acre­di­to que a lim­pe­za de Lu­an­da vai me­lho­rar ain­da mais, uma vez que as ins­ti­tui­ções en­car­re­ga­das do sa­ne­a­men­to da ca­pi­tal vão poder ter mui­tas in­for­ma­ções so­bre os fo­cos de re­sí­du­os em qual­quer lo­ca­li­da­de.

Abas­te­ci­men­to de água

Mo­ro no Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, e to­mei co­nhe­ci­men­to de que no meu bair­ro vai au­men­tar o nú­me­ro de pes­so­as com aces­so à água po­tá­vel. De­cor­rem nes­te mo­men­to obras no meu bair­ro e dis­se­ram-me que es­tas es­tão a ser fei­tas pa­ra que mais fa­mí­li­as pos­sam ter água po­tá­vel em su­as ca­sas. Que es­te pro­jec­to vá avan­te, pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da dos ci­da­dãos do meu bair­ro. Há mais de cin­co anos que te­nho água po­tá­vel, mas gos­ta­va que os meus vi­zi­nhos e ou­tros mo­ra­do­res do meu bair­ro tam­bém pu­des­sem ter aces­so re­gu­lar a um pre­ci­o­so e in­dis­pen­sá­vel pro­du­to. Há pes­so­as no meu bair­ro que gas­tam mui­to di­nhei­ro men­sal­men­te a com­prar água. E es­sas pes­so­as têm bai­xos ren­di­men­tos. É pois bem-vin­da a de­ci­são do Es­ta­do de co­lo­car mais tor­nei­ras no meu bair­ro, no qua­dro do seu gran­de pro­jec­to de for­ne­ci­men­to de água po­tá­vel a to­dos os ci­da­dãos do país.

Gui­chés de re­cla­ma­ções

Era bom que to­dos os Mi­nis­té­ri­os ti­ves­sem gui­chés de re­cla­ma­ções , pa­ra po­de­rem ser ava­li­a­dos pe­los ci­da­dãos. Pen­so que os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais não de­vem ter re­ceio das crí­ti­cas dos ci­da­dãos. Pe­lo con­trá­rio. De­vem in­cen­ti­var os ci­da­dãos a emi­tir opi­niões so­bre o seu tra­ba­lho, a fim de me­lho­ra­rem o seu de­sem­pe­nho. Os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais de­vem pres­tar per­ma­nen­te­men­te um bom ser­vi­ço aos ci­da­dãos. Os ci­da­dãos têm o di­rei­to de ser bem ser­vi­dos pe­los de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais. Os ser­vi­do­res do Es­ta­do de­vem pre­o­cu­par-se em re­sol­ver os pro­ble­mas que lhes são sub­me­ti­dos pe­los ci­da­dãos .

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.