Um de­sa­fio pa­ra to­dos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O lan­ça­men­to, nes­ta se­ma­na, de uma cam­pa­nha de re­fle­xão em tor­no da vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça de­ve ser am­pla­men­te da­da a co­nhe­cer em to­do o país, nu­ma al­tu­ra em que os nú­me­ros da vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça con­ti­nu­am a pre­o­cu­par. Co­mo dis­se o mi­nis­tro da Rein­ser­ção So­ci­al Gon­çal­ves Mu­an­dum­ba, “não se de­ve fa­lar da cri­an­ça só nas da­tas que lhes são re­ser­va­das, mas que se fa­le to­dos os dias, se com­ba­ta e se pro­te­ja ri­go­ro­sa e exem­plar­men­te se pu­nam os agres­so­res”.

Na ver­da­de, à luz das leis an­go­la­nas, “a cri­an­ça tem di­rei­to à aten­ção especial da fa­mí­lia, da so­ci­e­da­de e do Es­ta­do, os quais, em es­trei­ta co­la­bo­ra­ção, de­vem as­se­gu­rar a sua am­pla pro­tec­ção con­tra to­das as for­mas de aban­do­no, dis­cri­mi­na­ção, opres­são, ex­plo­ra­ção e exer­cí­cio abu­si­vo de au­to­ri­da­de, na fa­mí­lia e nas de­mais ins­ti­tui­ções”, co­mo es­ta­be­le­ce o ar­ti­go 80.º da Cons­ti­tui­ção. Acre­di­ta­mos que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, acom­pa­nha­das de to­dos os seus par­cei­ros, de­vem ser mais ac­tu­an­tes no sen­ti­do de pre­ve­nir, com­ba­ter e de­nun­ci­ar ener­gi­ca­men­te to­dos os ca­sos que en­vol­vam ex­ces­sos con­tra as cri­an­ças. Aten­den­do às di­fi­cul­da­des por que pas­sa a so­ci­e­da­de, não faltam ca­sos de ex­ces­sos em que são ví­ti­mas as cri­an­ças, dis­se re­cen­te­men­te a di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC). Des­de a fu­ga à pa­ter­ni­da­de aos maus-tra­tos, pas­san­do pe­los ca­sos cres­cen­tes de abu­sos se­xu­ais, pre­ci­sa­mos to­dos de as­su­mir as nos­sas res­pon­sa­bi­li­da­des en­quan­to mem­bros da so­ci­e­da­de.

As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do con­ti­nu­am a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel no sen­ti­do de as­se­gu­rar as con­di­ções nor­mais por via das quais os di­rei­tos das cri­an­ças es­te­jam ple­na­men­te sal­va­guar­da­dos. Nes­ta se­ma­na da cam­pa­nha de re­fle­xão em tor­no da vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça, ur­ge sen­si­bi­li­zar as fa­mí­li­as, es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as pa­ra que to­dos es­te­jam en­vol­vi­dos nos es­for­ços pa­ra ga­ran­tir à cri­an­ça um meio sa­dio. É pre­o­cu­pan­te ou­vir, de acor­do com pro­nun­ci­a­men­tos da di­rec­to­ra do INAC, que aque­la ins­ti­tui­ção re­ce­beu es­te ano mil cri­an­ças de to­do o país que fo­ram abu­sa­das se­xu­al­men­te e que os nú­me­ros po­dem cres­cer a jul­gar pe­la es­pi­ral de vi­o­lên­cia con­tra as cri­an­ças.

A pre­o­cu­pa­ção com a cri­an­ça de­ve co­me­çar na fa­mí­lia, o lu­gar por ex­ce­lên­cia on­de as cri­an­ças de­vi­am en­con­trar ine­ga­vel­men­te to­do o apoio e pro­tec­ção. Mas no­ta-se com mui­ta tris­te­za que gran­de par­te dos aten­ta­dos con­tra os di­rei­tos das cri­an­ças ocor­re no seio fa­mi­li­ar, uma si­tu­a­ção que de­ve ser cor­ri­gi­da ra­pi­da­men­te. Não é acei­tá­vel que as pes­so­as, pais, en­car­re­ga­dos ou tu­to­res, pa­ren­tes e vi­zi­nhos, que são su­pos­tas pro­te­ger as cri­an­ças se­jam igual­men­te as im­pli­ca­das, di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te e na ge­ne­ra­li­da­de dos acon­te­ci­men­tos, em ca­sos de abu­sos con­tra as cri­an­ças.

Os go­ver­nos pro­vin­ci­ais, mu­ni­ci­pais, as igre­jas e as ONG de­vem re­do­brar os es­for­ços que fa­zem na lu­ta a fa­vor dos di­rei­tos das cri­an­ças, nu­ma al­tu­ra em que os abu­sos se­xu­ais cons­ti­tu­em a mai­or ame­a­ça. Ao la­do da cam­pa­nha de re­fle­xão em tor­no da vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça, vai ser lan­ça­da uma ou­tra re­la­ci­o­na­da com a da Pre­ven­ção do Abu­so Se­xu­al Con­tra a Cri­an­ça, uma re­a­li­da­de que de­ve ser com­ba­ti­da com to­dos os mei­os. A vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra as cri­an­ças re­pre­sen­ta um aten­ta­do gra­ve, um cri­me he­di­on­do a to­dos os ní­veis, ra­zão pe­la qual chega a fa­zer sen­ti­do os ape­los pa­ra re­ver-se a com­po­nen­te edu­ca­ti­va, pe­nal, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes. Com as ini­ci­a­ti­vas lan­ça­das pe­las ins­ti­tui­ções que ze­lam pe­los di­rei­tos das cri­an­ças, acre­di­ta­mos que se es­tá a dar pas­sos im­por­tan­tes na ga­ran­tia dos di­rei­tos das cri­an­ças.

Os di­rei­tos das cri­an­ças con­ti­nu­am na or­dem do dia e as­se­gu­rá-los cons­ti­tui igual­men­te uma for­ma de ga­ran­tir nor­ma­li­da­de à so­ci­e­da­de e às ge­ra­ções mais ve­lhas. Não se po­de es­pe­rar que as ge­ra­ções mais no­vas te­nham um pro­ces­so de so­ci­a­li­za­ção ir­re­gu­lar e de­so­ri­en­ta­do sem re­fle­xos ne­ga­ti­vos pa­ra to­da a so­ci­e­da­de. Se é ver­da­de que o fu­tu­ro de­ve ser as­se­gu­ra­do pe­las ge­ra­ções mais no­vas, não é me­nos ver­da­de que is­so pas­sa por pro­tec­ção pe­la fa­mí­lia e pe­lo Es­ta­do, acompanhamento e pre­pa­ra­ção pa­ra os de­sa­fi­os fu­tu­ros.

Os ní­veis de vi­gi­lân­cia nas fa­mí­li­as e nas co­mu­ni­da­des e da ac­ção pu­ni­ti­va por par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do de­ve con­ti­nu­ar pa­ra que os mais no­vos en­con­trem na­que­las três en­ti­da­des o seu prin­ci­pal am­pa­ro. Por is­so, na­da me­lhor que pas­sar a fa­lar re­gu­lar­men­te so­bre a pro­tec­ção da cri­an­ça, fac­to que de­ve pas­sar a ser um ac­to de to­dos a to­dos os ní­veis no país.

Ho­je a pro­ble­má­ti­ca da de­fe­sa dos di­rei­tos das cri­an­ças re­pre­sen­ta um de­sa­fio de to­dos e não ape­nas das ins­ti­tui­ções, daí a ne­ces­si­da­de de se alar­gar o de­ba­te em tor­no da de­fe­sa dos di­rei­tos das cri­an­ças. Em tem­po de paz e es­ta­bi­li­da­de em to­do o país, não po­de­mos per­mi­tir nes­ta épo­ca que as cri­an­ças vi­vam co­mo se tes­te­mu­nhas­sem as agru­ras da ins­ta­bi­li­da­de e con­fli­to mi­li­tar. In­de­pen­den­te­men­te das fa­mí­li­as en­fren­ta­rem pro­ble­mas que, em mai­or ou me­nor di­men­são, exis­ti­ram sem­pre e con­ti­nu­am a exis­tir, tu­do se de­ve fa­zer e im­pe­dir que as cri­an­ças se­jam as prin­ci­pais ví­ti­mas dos pro­ble­mas.

Nu­ma al­tu­ra em que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do se mo­bi­li­zam pa­ra pro­mo­ver cam­pa­nhas de re­fle­xão em tor­no da vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça, se­ja­mos to­dos ca­pa­zes de vi­gi­ar, pre­ve­nir e de­nun­ci­ar to­dos os aten­ta­dos con­tra os me­no­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.