Cri­se só tem so­lu­ção po­lí­ti­ca

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FAUSTINO HEN­RI­QUE |

A si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), de­pois do exem­plar Diá­lo­go Na­ci­o­nal que jun­tou re­pre­sen­tan­tes do poder e da opo­si­ção, qua­se fez des­car­ri­lar o pro­ces­so que pre­va­le­ce ain­da mui­to de­li­ca­do fei­to uma ver­da­dei­ra es­pa­da de Dâ­mo­cles. Mas o diá­lo­go con­ti­nua en­vol­ven­do re­pre­sen­tan­tes do poder, da di­vi­di­da opo­si­ção, re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, em­bo­ra a Igre­ja Ca­tó­li­ca te­nha sus­pen­so a sua par­ti­ci­pa­ção por ra­zões avan­ça­das adi­an­te nes­te tex­to.

Em to­do o ca­so, pa­re­ce con­sen­su­al a ideia se­gun­do a qual não há con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção do plei­to elei­to­ral ain­da es­te ano, em­bo­ra al­gu­mas for­ças po­lí­ti­cas in­sis­tam no dia 19 de De­zem­bro, da­ta em que ter­mi­na o man­da­to do ac­tu­al Pre­si­den­te. Além do pos­tu­la­do se­gun­do o qual o man­da­to ter­mi­na com a pos­se do elei­to, su­ce­deu um con­jun­to de si­tu­a­ções que tor­na­ram in­viá­vel a re­or­ga­ni­za­ção do fi­chei­ro elei­to­ral, a con­gre­ga­ção de mei­os fi­nan­cei­ros e lo­gís­ti­cos que dei­ta­ram por ter­ra to­das as pos­si­bi­li­da­des elei­to­rais ain­da es­te ano. Mais do que rei­vin­di­car o ter­mo do man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, co­mo pre­ten­de o mai­or blo­co da opo­si­ção, o Ras­sem­ble­ment (em por­tu­gês, As­so­ci­a­ção) do his­tó­ri­co Eti­en­ne Tshi­se­ke­di, de­ve-se evi­tar que o pi­or acon­te­ça com a acen­tu­a­ção da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e mi­li­tar no país.

De­pois dos de­sa­ca­tos fa­tais que to­ma­ram con­ta de ar­té­ri­as de al­gu­mas ci­da­des, em que in­com­pre­en­si­vel­men­te foi vi­sa­da in­clu­si­ve a mis­são di­plo­má­ti­ca an­go­la­na, a cri­se con­go­le­sa tem ape­nas uma so­lu­ção : diá­lo­go in­ter­no.

Os prin­ci­pais ac­to­res, des­de os re­pre­sen­tan­tes do poder po­lí­ti­co, da opo­si­ção, da Igre­ja Ca­tó­li­ca e de to­das as ou­tras ins­ti­tui­ções re­gi­o­nais, con­ti­nen­tais e in­ter­na­ci­o­nais, no­me­a­da­men­te a Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), a União Afri­ca­na e a ONU de­vem fa­zer o seu pa­pel. Tra­ta-se de um pro­ble­ma in­ter­no em que, mais do que “fa­bri­ca­rem” ins­ti­ga­do­res ex­ter­nos so­bre os de­sa­fi­os po­lí­ti­cos e elei­to­rais que o país en­fren­ta, nes­te mo­men­to, na­da jus­ti­fi­ca que os con­go­le­ses en­ca­rem ou­tros po­vos ou Es­ta­dos co­mo res­pon­sá­veis pe­lo que pas­sam. Os paí­ses vi­zi­nhos acom­pa­nham com in­te­res­se os de­sen­vol­vi­men­tos po­lí­ti­cos por que pas­sa a RDC e, além da re­la­ção ins­ti­tu­ci­o­nal que as au­to­ri­da­des dos paí­ses vi­zi­nhos de­vem man­ter com o poder po­lí­ti­co na RDC, es­pe­ram que to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos pri­vi­le­gi­em sem­pre o diá­lo­go in­clu­si­vo pa­ra a bus­ca de so­lu­ções.

De­pois da mor­te de cerca de 32 pes­so­as, se­gun­do as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do e 100, de acor­do com o Ras­sem­ble­ment, os con­go­le­ses de­vem olhar pa­ra a fren­te e re­co­nhe­cer que pa­ra os pro­ble­mas po­lí­ti­cos do país as so­lu­ções são igual­men­te de na­tu­re­za po­lí­ti­ca. E po­lí­ti­ca pres­su­põe ne­ces­sá­ria e ine­vi­ta­vel­men­te diá­lo­go, fac­to que, mes­mo sen­do fa­ci­li­ta­do pe­lo en­vi­a­do da União Afri­ca­na, Edem Kod­jo, de­ve ser exer­ci­do fun­da­men­tal­men­te pe­los con­go­le­ses.

É pre­ci­so que to­da a opo­si­ção se fa­ça pre­sen­te nas dis­cus­sões que de­vem de­ter­mi­nar o fu­tu­ro elei­to­ral do país, nu­ma al­tu­ra em que o boi­co­te do Ras­sem­ble­ment em na­da aju­da na bus­ca das me­lho­res so­lu­ções pa­ra o país.

As con­di­ções avan­ça­das por es­ta pla­ta­for­ma po­lí­ti­ca, no­me­a­da­men­te a li­ber­ta­ção de pri­si­o­nei­ros po­lí­ti­cos, po­di­am ser co­lo­ca­das, à par­ti­da, de la­do pa­ra pos­te­ri­or dis­cus­são com os re­pre­sen­tan­tes do poder po­lí­ti­co. Não faz sen­ti­do que uma im­por­tan­te for­ça po­lí­ti­ca boi­co­te o acer­to que se pre­ten­de, nu­ma al­tu­ra em que a Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te (CENI) es­ti­ma co­mo pe­río­do elei­to­ral pa­ra os pró­xi­mos tem­pos cerca de dois anos. Pre­vê-se o es­ta­be­le­ci­men­to de um ca­len­dá­rio que par­te de Ju­lho de 2017 e vai até No­vem­bro de 2018 com a re­a­li­za­ção si­mul­tâ­nea das elei­ções pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e mu­ni­ci­pais.

Na ver­da­de, a opo­si­ção po­de con­gra­tu­lar-se por ter si­do bem su­ce­di­da a in­vi­a­bi­li­zar a ale­ga­da re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal e in­de­pen­den­te­men­te do pe­río­do ago­ra su­ge­ri­do pe­lo CENI até No­vem­bro de 2018 con­se­gui­ram ga­nhos que pre­ci­sam de sa­ber pre­ser­var.

Em­bo­ra não ha­ja con­sen­so quan­to ao for­ma­to avan­ça­do pe­la CENI, na ver­da­de, pre­ten­de-se que as co­mis­sões de tra­ba­lho das par­tes re­pre­sen­ta­das no diá­lo­go po­lí­ti­co su­gi­ram da­tas pa­ra pos­te­ri­or dis­cus­são. Mas elei­ções pro­pri­a­men­te di­tas nun­ca an­tes de 2018, fac­to que le­vou a Igre­ja Ca­tó­li­ca a dei­xar uma men­sa­gem cla­ra nu­ma es­pé­cie de re­ca­do aos re­pre­sen­tan­tes do poder. De­pois de sus­pen­der a sua par­ti­ci­pa­ção no diá­lo­go po­lí­ti­co, o sa­cer­do­te Do­na­ti­en Nsho­lé de­fen­deu que o diá­lo­go se­ja o mais in­clu­si­vo e que de­ter­mi­na­das pre­mis­sas se­jam man­ti­das, no­me­a­da­men­te a li­mi­ta­ção de dois man­da­tos pre­si­den­ci­ais. O pre­sen­te diá­lo­go vi­sa so­bre­tu­do um acor­do po­lí­ti­co pa­ra ci­men­tar o ac­tu­al ci­clo até à nor­ma­li­za­ção da vi­da do país, po­lí­ti­ca e cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te fa­lan­do e ape­nas o tem­po vai di­zer em que me­di­da os con­go­le­ses sou­be­ram co­lo­car os in­te­res­ses do país aci­ma dos de gru­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.