Men­sa­gem do mi­nis­tro da Edu­ca­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - PINDA SIMÃO |

Pre­za­dos Pro­fes­so­res,

Ce­le­bra­mos mais um Dia Mun­di­al do Pro­fes­sor, uma da­ta de re­fle­xão pa­ra to­dos os do­cen­tes que fa­zem des­ta pro­fis­são uma ver­da­dei­ra mis­são, ca­mi­nhan­do sem­pre de fren­te pa­ra o sol e nun­ca per­mi­tin­do que a sua som­bra lhes guie, afas­tan­do-os do seu fo­co, a edu­ca­ção.

A Unes­co co­me­mo­rou, nes­ta quar­ta-fei­ra, 5 de Ou­tu­bro, o Dia Mun­di­al do Pro­fes­sor, fa­zen­do um aler­ta so­bre a es­cas­sez de pro­fis­si­o­nais. De acor­do com a agência da ONU, pa­ra atin­gir as Me­tas do Mi­lé­nio so­bre edu­ca­ção universal, se­rão ain­da pre­ci­sos mais 2 mi­lhões de do­cen­tes nas sa­las de au­la de to­do o mun­do. Quer di­zer que a fal­ta de pro­fes­so­res é uma pre­o­cu­pa­ção mun­di­al. Es­te ano, o Dia foi ce­le­bra­do sob o te­ma: “Pro­fes­so­res pe­la Igual­da­de de Gé­ne­ro”. Se­gun­do a Unes­co, nas es­co­las pri­má­ri­as, mais de seis em cada 10 do­cen­tes são mu­lhe­res.

A di­rec­to­ra-ge­ral da UNES­CO, Iri­na Bo­ko­va, dis­se que é pre­ci­so for­mu­lar po­lí­ti­cas que ca­pa­ci­tem mu­lhe­res e ho­mens pa­ra o en­si­no pri­má­rio. E nós te­mos tra­ba­lha­do pa­ra que as Uni­da­des de Gé­ne­ro cri­a­das nas nos­sas es­co­las se­jam ac­tu­an­tes pa­ra ma­te­ri­a­li­zar­mos es­se pres­su­pos­to. Pa­ra nós o de­sa­fio é mes­mo a pa­ri­da­de de gé­ne­ro.

Es­ti­ma­dos co­le­gas!

No nos­so país tu­do tem si­do fei­to pa­ra su­prir a ca­rên­cia de pro­fes­so­res nos di­fe­ren­tes sub­sis­te­mas de en­si­no, mo­ti­van­do os jo­vens pro­fes­so­res pa­ra acei­ta­rem o de­sa­fio de ser Pro­fes­sor, dan­do au­las nas es­co­las das zo­nas mais pre­cá­ri­as do nos­so País. Dar au­las é mui­to bom, por­que é com­par­ti­lhar co­nhe­ci­men­to, di­vul­gar a in­for­ma­ção. Mas ser pro­fes­sor é mui­to mais do que dar au­las por­que exi­ge es­for­ço, de­di­ca­ção, pre­pa­ra­ção. Por is­so exor­ta­mos os Pro­fes­so­res e Pro­fes­so­ras a um mai­or en­ga­ja­men­to.

Ser pro­fes­sor é uma das for­mas mais ge­nuí­nas do amor por­que ele vai além do que o seu ho­rá­rio exi­ge. Ele so­fre com as der­ro­tas e vi­bra com as vi­tó­ri­as dos seus alu­nos. Ele se doa por in­tei­ro.

Pa­ra ter­mi­nar es­ta Men­sa­gem, qu­e­ro de­se­jar saú­de e paz a to­dos os Pro­fes­so­res an­go­la­nos.

Bem-ha­ja!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.