Washing­ton po­de per­der ali­a­do es­tra­té­gi­co na Ásia

Ca­sa Bran­ca as­se­gu­ra in­te­res­ses na re­gião com in­fluên­cia da di­plo­ma­cia de Ma­ni­la

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MA­TOS |

Es­ta­dos Uni­dos es­tão a ge­rir com o mai­or cui­da­do o cli­ma de gran­de ten­são nas re­la­ções com as Fi­li­pi­nas pa­ra pre­ser­var os seus in­te­res­ses e man­ter a co­o­pe­ra­ção es­tra­té­gi­ca que ser­ve de con­tra­pon­to às in­ves­ti­das da Chi­na na re­gião asiá­ti­ca.

O cli­ma de ten­são en­tre Ma­ni­la e Washing­ton agra­vou com as úl­ti­mas de­cla­ra­ções do Pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas, Rodrigo Du­ter­te, que, ao quei­xar-se de pro­nun­ci­a­men­tos do lí­der nor­te-ame­ri­ca­no, Ba­rack Oba­ma, usou de ex­pres­sões for­tes e ame­a­çou cor­tar a co­o­pe­ra­ção es­tra­té­gi­ca que as­se­gu­ra os in­te­res­ses dos Es­ta­dos Uni­dos na Ásia e de­sis­tir dos exer­cí­ci­os mi­li­ta­res con­jun­tos.

Rodrigo Du­ter­te che­gou a di­zer a Oba­ma pa­ra ir ao in­fer­no, por­que “nos úl­ti­mos anos o que mais tem fei­to é cri­ti­car os meus ac­tos con­tra o cri­me or­ga­ni­za­do, ao in­vés de cum­prir o com­pro­mis­so que te­mos pa­ra com­ba­tê-los e re­a­li­zar as nos­sas me­tas po­lí­ti­cas na re­gião.

Os Es­ta­dos Uni­dos re­cu­sa­ram-se ven­der ar­mas con­si­de­ra­das es­tra­té­gi­cas as Fi­li­pi­nas, o que, se­gun­do ana­lis­tas na área de se­gu­ran­ça, pro­vo­cou um mau cli­ma nas re­la­ções bi­la­te­rais, que re­ti­rou to­da a con­fi­an­ça que o lí­der fi­li­pi­no ti­nha por Washing­ton. “Mas não me im­por­to por­que a Rús­sia e a Chi­na es­tão dis­pos­tas a for­ne­cer as ar­mas”, dis­se Du­ter­te, ape­sar de re­co­nhe­cer que não se re­vê na ide­o­lo­gia de Mos­co­vo e Pe­quim. “Os rus­sos e chi­ne­ses res­pei­tam as pes­so­as e os seus in­te­res­ses”, sen­ten­ci­ou. O Pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas afir­mou ter per­di­do res­pei­to pe­los Es­ta­dos Uni­dos e re­pu­di­ou as pre­o­cu­pa­ções nor­te­a­me­ri­ca­nas com sua guer­ra às dro­gas, cha­man­do os seus crí­ti­cos de “to­los” e que não po­dem im­pe­di-lo de le­var a ca­bo uma cam­pa­nha que já aju­dou mi­lha­res de ví­ti­mas e fa­mi­li­a­res a li­vra­rem-se das gar­ras de cri­mi­no­sos. A lu­ta de Rodrigo Du­ter­te con­tra o cri­me or­ga­ni­za­do já ma­tou mais de 3.400 pes­so­as em pou­co mais de três me­ses, se­gun­do de­nún­ci­as de agên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais de as­sis­tên­cia so­ci­al.

Num dis­cur­so pro­fe­ri­do na ter­ça­fei­ra em Ma­ni­la, Rodrigo Du­ter­te dis­se que “en­quan­to Washing­ton não quer hon­rar a sua co­o­pe­ra­ção com Ma­ni­la, re­jei­tan­do a ven­da de mís­seis e ou­tras ar­mas es­tra­té­gi­cas, exis­tem ou­tros paí­ses in­te­res­sa­dos em pro­vi­den­ciá-las com gran­de fa­ci­li­da­de. “Em­bo­ra pos­sa pa­re­cer ruim pa­ra vo­cês, é meu de­ver sa­gra­do man­ter a in­te­gri­da­de des­ta Re­pú­bli­ca e os seus ha­bi­tan­tes sau­dá­veis”, dis­se Du­ter­te no se­gun­do de dois dis­cur­sos te­le­vi­si­o­na­dos.

“Se Washing­ton não quer ven­der ar­mas, va­mos à Rús­sia. Man­dei os ge­ne­rais à Rús­sia, e já ob­ti­ve­mos uma res­pos­ta, por is­so não se pre­o­cu­pem, te­mos tu­do que as For­ças Armadas pre­ci­sam pa­ra man­ter as nos­sas fron­tei­ras e o ter­ri­tó­rio se­gu­ro”, es­cla­re­ceu Rodrigo Du­ter­te.

O Pre­si­den­te das fi­li­pi­nas dis­se que já ava­li­ou to­das as pos­si­bi­li­da­des e to­mou a de­ci­são de re­ver ime­di­a­ta­men­te o Acor­do In­ten­si­fi­ca­do de Co­o­pe­ra­ção de De­fe­sa en­tre as Fi­li­pi­nas e os Es­ta­dos Uni­dos e or­de­nou a sus­pen­são ime­di­a­ta dos exer­cí­ci­os mi­li­ta­res con­jun­tos.

O acor­do, as­si­na­do em 2014, ga­ran­te às For­ças Armadas nor­te-ame­ri­ca­nas aces­so a ba­ses fi­li­pi­nas, e lhes per­mi­te mon­tar ins­ta­la­ções de ar­ma­ze­na­men­to pa­ra se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma e pa­ra re­a­li­zar ope­ra­ções hu­ma­ni­tá­ri­as e de re­ac­ção a de­sas­tres. Rodrigo Du­ter­te dis­se que os EUA de­vi­am ter apoi­a­do as Fi­li­pi­nas na ges­tão de seus pro­ble­mas cró­ni­cos das dro­gas, mas, ao in­vés dis­so, o cri­ti­ca­ram pe­lo al­to sal­do de mor­tes, co­mo fez a União Eu­ro­peia.

Re­la­ções são ex­ce­len­tes

Os Es­ta­dos Uni­dos dis­se­ram na ter­ça-fei­ra que as Fi­li­pi­nas não in­for­ma­ram ofi­ci­al­men­te ne­nhu­ma mu­dan­ça na re­la­ção bi­la­te­ral e que os la­ços en­tre os dois paí­ses se man­têm “ro­bus­tos”, ape­sar de o Pre­si­den­te fi­li­pi­no, Rodrigo Du­ter­te, usar de pa­la­vras du­ras con­tra Ba­rack Oba­ma. “Os Es­ta­dos Uni­dos não re­ce­be­ram ne­nhum pe­di­do ofi­ci­al do Pre­si­den­te Du­ter­te, nem de ne­nhum ou­tro fun­ci­o­ná­rio fi­li­pi­no pa­ra al­te­rar qual­quer um dos as­pec­tos de nos­sa co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral”, ga­ran­tiu o por­ta-voz da Ca­sa Bran­ca, Josh Ear­nest.

O por­ta-voz da Ca­sa Bran­ca ga­ran­tiu que os exer­cí­ci­os mi­li­ta­res con­jun­tos anu­ais com as Fi­li­pi­nas fo­ram aber­tos, o que ser­ve de um bom exem­plo da for­te ali­an­ça es­tra­té­gi­ca. “É uma ali­an­ça ro­bus­ta e que be­ne­fi­cia os dois paí­ses”, acres­cen­tou Ear­nest.

A Ca­sa Bran­ca con­si­de­ra que os co­men­tá­ri­os do Pre­si­den­te fi­li­pi­no “não se en­cai­xam com a ex­ce­len­te re­la­ção que exis­te en­tre os po­vos nor­te-ame­ri­ca­no e fi­li­pi­no”.

O por­ta-voz da Ca­sa Bran­ca, Josh Ear­nest, as­se­gu­rou que “os Es­ta­dos Uni­dos não he­si­tam em con­ti­nu­ar a le­van­tar pre­o­cu­pa­ções so­bre exe­cu­ções ex­tra­ju­di­ci­ais den­tro da lu­ta con­tra as dro­gas da for­ma co­mo acon­te­cem nas Fi­li­pi­nas.

“O uso des­se ti­po de tác­ti­ca é com­ple­ta­men­te in­co­e­ren­te com os di­rei­tos hu­ma­nos uni­ver­sais e os va­lo­res com­par­ti­lha­dos por nos­sos dois paí­ses. Os Es­ta­dos Uni­dos va­lo­ri­zam a ali­an­ça com as Fi­li­pi­nas, mas não guar­dam si­lên­cio pe­ran­te a con­cre­ti­za­ção de tais ac­tos, por ates­ta­rem con­tra prin­cí­pi­os fun­da­men­tais, de­fen­di­dos por to­dos os po­vos do mun­do”, dis­se Ear­nest.

AFP

Pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas Rodrigo Du­ter­te ame­a­çou cor­tar a co­o­pe­ra­ção com Es­ta­dos Uni­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.