O cin­to de se­gu­ran­ça

Jornal de Angola - - LAZER -

O cin­to de se­gu­ran­ça é um dis­po­si­ti­vo de de­fe­sa dos ocu­pan­tes de um meio de trans­por­te. O mes­mo ser­ve pa­ra, em ca­so de co­li­são, não per­mi­tir a pro­jec­ção do pas­sa­gei­ro pa­ra fo­ra do veí­cu­lo, nem que es­te ba­ta com a ca­be­ça con­tra o pá­ra­bri­sas ou ou­tras par­tes du­ras do veí­cu­lo. O cin­to de se­gu­ran­ça é obri­ga­tó­rio em aviões e veí­cu­los com mo­tor, ex­cep­to mo­tos.

Mui­tas pes­so­as não gos­tam de usá-lo por acha­rem que é in­có­mo­do ou por me­do de fi­ca­rem pre­sas em ca­so de aci­den­te. Mas o al­to va­lor das mul­tas pa­ra quem não o usa in­cen­ti­va o seu uso. Es­ta­tís­ti­cas de­mons­tram que o uso do cin­to de se­gu­ran­ça re­duz tan­to a gra­vi­da­de dos aci­den­tes co­mo a ocor­rên­cia de fe­ri­men­tos.

Ori­gi­nal­men­te, os cin­tos de se­gu­ran­ça en­vol­vi­am ape­nas o ab­dó­men do usuá­rio, per­mi­tin­do que o tron­co fos­se pro­jec­ta­do pa­ra a fren­te no mo­men­to da de­sa­ce­le­ra­ção. Aper­fei­ço­a­dos, os equi­pa­men­tos mo­der­nos (cha­ma­dos de cin­tos de se­gu­ran­ça de três pon­tos) cru­zam o pei­to do usuá­rio, pro­por­ci­o­nan­do­lhe mai­or se­gu­ran­ça. Con­tu­do, no ban­co de trás da mai­o­ria dos veí­cu­los, os cin­tos ain­da são do mo­de­lo an­ti­go e, por is­so, fre­quen­te­men­te des­pre­za­dos. Quan­do is­to acon­te­ce e em ca­so de aci­den­te, os ocu­pan­tes de trás são pro­jec­ta­dos pa­ra a fren­te, fe­rin­do-se e pon­do em mai­or ris­co a in­te­gri­da­de dos ocu­pan­tes dos as­sen­tos di­an­tei­ros.

Em cer­tos mo­de­los de au­to­mó­veis mo­der­nos, uma cam­pai­nha soa inin­ter­rup­ta­men­te en­quan­to os cin­tos de se­gu­ran­ça não fo­rem afi­ve­la­dos, obri­gan­do os ocu­pan­tes do veí­cu­lo a usá-los. Em ou­tros, um me­ca­nis­mo de cor­rer mon­ta­do ao lon­go do ba­ten­te das por­tas afi­ve­la au­to­ma­ti­ca­men­te os cin­tos as­sim que es­tas são fe­cha­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.