Buf­fon de­fen­de Ca­sil­las

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Gi­an­lui­gi Buf­fon as­su­me que se­rá es­tra­nho não ver Iker Ca­sil­las no Itá­lia-Es­pa­nha de ho­je, mas ti­ra uma ila­ção da au­sên­cia do guar­da­re­des do FC Por­to, que não foi con­vo­ca­do por Ju­len Lo­pe­te­gui.

“É es­tra­nho não ver o Iker en­tre os con­vo­ca­dos, mas é um si­nal pa­ra mim, al­go ló­gi­co. A vi­da de um des­por­tis­ta é es­ta: pri­mei­ro so­mos pro­ta­go­nis­tas, de­pois es­pec­ta­do­res. De­vo es­tar pre­pa­ra­do”, dis­se o guar­da-re­des ita­li­a­no.

Na vés­pe­ra do en­con­tro, agen­da­do pre­ci­sa­men­te pa­ra Tu­rim, Buf­fon afir­mou ain­da que se­rá ne­ces­sá­ria “uma boa do­se de co­ra­gem e uma gran­de von­ta­de de lu­tar e so­frer” pa­ra ven­cer a Es­pa­nha.

Fa­lha de Ba­lo­tel­li

Ma­rio Ba­lo­tel­li es­tá a vi­ver uma se­gun­da vi­da no Ni­ce, na li­ga fran­ce­sa, on­de se des­ta­ca co­mo me­lhor mar­ca­dor da com­pe­ti­ção, com cin­co go­los em três jo­gos.

Nu­ma en­tre­vis­ta à Sky Itá­lia, o avan­ça­do fa­la da sua nova vi­da na Cos­ta Azul e ex­pli­ca o que é que fa­lhou no Mi­lan e no Li­ver­po­ol, on­de nãos e con­se­guiu im­por.

“O Mi­lan e o Li­ver­po­ol não ti­nham am­bi­en­tes pro­pí­ci­os pa­ra mim. Não co­me­ti er­ros téc­ni­cos ou de mau com­por­ta­men­to, foi ape­nas azar. En­con­trei am­bi­en­tes a que não estava adap­ta­do”, co­me­çou por des­ta­car o avan­ça­do an­tes de en­trar em por­me­no­res.

“No Mi­lan, o pro­ble­ma é a or­ga­ni­za­ção. Só há uma pes­soa fe­no­me­nal: Adri­a­no Gal­li­a­ni. O res­to é tu­do mui­to con­fu­so. No Li­ver­po­ol, o Klopp não me co­nhe­cia, só fa­lei com ele uma vez. Dis­se-me pa­ra ir s ou­tro lu­gar e jo­gar bem pa­ra poder vol­tar. En­tão, cum­pri­men­tei-o e dis­se-lhe que não nos ía­mos vol­tar a ver”, acres­cen­tou.

Mas nem tu­do cor­reu mal nos úl­ti­mos anos pa­ra o po­lé­mi­co avan­ça­do que diz guar­dar bo­as re­cor­da­ções da sua pas­sa­gem pe­lo City. "On­de me sen­ti me­lhor? No Ni­ce, por es­te iní­cio de tem­po­ra­da e de­pois o Man­ches­ter City. Ini­ci­al­men­te es­co­lhi Ni­ce pe­lo cli­ma. Que­ria um lu­gar tran­qui­lo e bo­ni­to, on­de fos­se pos­sí­vel me le­van­tar sem os pés ge­la­dos pe­lo frio. Es­sa foi uma das ra­zões por­que es­co­lhi Ni­ce”, des­ta­cou ain­da.

O Man­ches­ter Uni­ted avi­sou Jo­sé Mou­ri­nho pa­ra a in­fluên­cia exer­ci­da pe­los pro­ble­mas pes­so­ais de Anthony Mar­ti­al no de­sem­pe­nho des­por­ti­vo do avan­ça­do que re­pre­sen­tou um avul­ta­do in­ves­ti­men­to em Ju­lho de 2015.

O clu­be in­glês pa­gou 50 mi­lhões de eu­ros ao Mó­na­co pe­lo in­ter­na­ci­o­nal fran­cês de 20 anos - a ver­ba po­de che­gar a um má­xi­mo de 80 mi­lhões, con­ta­bi­li­za­dos to­dos os ob­jec­ti­vos es­ta­be­le­ci­do no acor­do.

O trei­na­dor por­tu­guês de­ci­diu en­tão pres­tar aten­ção especial ao fran­cês, que vi­ve um pe­río­do con­tur­ba­do des­de que Ja­nei­ro, quan­do o jor­nal “The Sun” no­ti­ci­ou que ti­nha traí­do a mu­lher Sa­mantha Jac­que­li­net, com Emily Wa­de­man, uma par­ti­ci­pan­te no pro­gra­ma de te­le­vi­são “X-Fac­tor”.

Sa­mantha Jac­que­li­net avan­çou pa­ra o di­vór­cio e con­tou com a "aju­da” de Emily Wa­de­man, que tam­bém se sen­tiu des­res­pei­ta­da pe­lo in­ter­na­ci­o­nal fran­cês, pois es­te dis­se­lhe que es­ta­ria se­pa­ra­do da mu­lher quan­do se en­con­trou com ela num ho­tel em Pa­ris, on­de pas­sou a fol­ga ex­tra que o Uni­ted lhe de­ra.

Mar­ti­al per­deu o ím­pe­to com que co­me­ça­ra a aven­tu­ra no Uni­ted, en­tran­do mal na pre­sen­te tem­po­ra­da. O pri­mei­ro go­lo que fez foi no fim­de-se­ma­na pas­sa­do, no em­pa­te (11) fren­te ao Sto­ke, num jo­go da 7ª jor­na­da da Pre­mi­er Le­a­gue, on­de uma vez mais não foi ti­tu­lar.

Mou­ri­nho man­tém a con­fi­an­ça, mas há res­pon­sá­veis no clu­be in­gle­ses que es­tão mui­to pre­o­cu­pa­dos com a vi­da pessoal do fu­te­bo­lis­ta de 20, que é pai de uma be­bé de 15 me­ses e man­tém uma re­la­ção con­tur­ba­da com a ago­ra ex-mu­lher, que não es­tá dis­pos­ta a per­do­ar, fri­san­do mes­mo que a ida pa­ra Man­ches­ter lhe ar­rui­nou a vi­da.

“Tu­do mu­dou. Em In­gla­ter­ra os fu­te­bo­lis­tas são co­mo reis. Têm tan­to di­nhei­ro e são tão so­li­ci­ta­dos que pa­re­ce que vi­vem num mun­do à par­te. Ele foi ex­pos­to a is­to e tu­do ex­plo­diu. As mu­lhe­res ati­ra­vam-se a ele. An­tes nun­ca olha­va pa­ra ou­tras mu­lhe­res e eu nun­ca sus­pei­tei de­le. Por is­so, o fac­to de­le me ter traí­do foi um enor­me cho­que pa­ra mim. Dis­se­ram-me que o Uni­ted era um clu­be de fa­mí­li­as, mas fo­ra do cam­po nun­ca re­ce­be­mos qual­quer con­se­lho. O Man­ches­ter Uni­ted ar­rui­nou a mi­nha vi­da”, de­sa­ba­fou Sa­mantha no mês pas­sa­do, ao jor­nal que expôs a in­fi­de­li­da­de de Mar­ti­al.

AFP

Guar­da-re­des ita­li­a­no es­tá pre­o­cu­pa­do

AFP

Avan­ça­do fran­cês pro­cu­ra es­ta­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.