CEN­TRO DE RE­A­BI­LI­TA­ÇÃO NEU­RO­LÓ­GI­CA EM HAVANA Tu­ris­mo mé­di­co na ca­pi­tal cu­ba­na

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Num com­ple­xo da dé­ca­da de 1950, lo­ca­li­za­do num bair­ro aban­do­na­do de Havana, o en­ge­nhei­ro an­go­la­no Li­cí­nio Ta­va­res es­for­ça­se por ten­tar recuperar um pou­co da sua mo­tri­ci­da­de, gra­ças aos cui­da­dos al­ter­na­ti­vos pres­ta­dos no CIREN, um cen­tro de ponta re­ser­va­do a es­tran­gei­ros.

“Di­rei­ta! Es­quer­da!”. Alon­ga­do de cos­tas num gi­ná­sio, es­te he­mi­plé­gi­co de 78 anos es­for­ça-se por ten­tar me­xer as su­as per­nas, do­bran­do-as de um la­do e de­pois do ou­tro, sob a pres­são dos bra­ços mus­cu­la­dos de um jo­vem trei­na­dor.

Aber­to há 27 anos, o Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Re­a­bi­li­ta­ção Neu­ro­ló­gi­ca (CIREN) é um dos pro­jec­tos de me­di­ci­na cu­ba­na de­sen­vol­vi­da pa­ra do­en­tes es­tran­gei­ros, nu­ma ilha que foi con­quis­tan­do a re­pu­ta­ção de qua­li­da­de dos seus pro­fis­si­o­nais de saú­de.

No CIREN há equi­pa­men­tos ul­tra­mo­der­nos, cli­ma­ti­za­ção, par­que ver­de­jan­te, pis­ci­na ex­te­ri­or, res­tau­ran­te com “buf­fet”, pessoal ex­pe­ri­men­ta­do, com­pos­to so­bre­tu­do de an­ti­gos des­por­tis­tas de al­to ní­vel. As ins­ta­la­ções são em Si­bo­ney (zo­na oes­te de Havana), bem afas­ta­das do bu­lí­cio do cen­tro da ci­da­de.

Nos anos a se­guir à sua aber­tu­ra, o CIREN aco­lheu nu­me­ro­sos di­ri­gen­tes e ce­le­bri­da­des la­ti­no-ame­ri­ca­nas co­mo o ex-fu­te­bo­lis­ta ar­gen­ti­no Diego Ma­ra­do­na ou o ex-Pre­si­den­te me­xi­ca­no Vi­cen­te Fox.

Mas os seus res­pon­sá­veis ad­mi­tem uma que­bra de cli­en­tes nos úl­ti­mos três anos, que atri­bu­em à cri­se in­ter­na­ci­o­nal e às obras no re­cin­to. Com uma ca­pa­ci­da­de pa­ra 90 pes­so­as não ti­nha mais de 34 no fi­nal de Se­tem­bro.Pa­ra ten­tar con­tra­ri­ar a ten­dên­cia, a di­rec­ção da uni­da­de tem em cur­so uma es­tra­té­gia: ofen­si­va nas re­des so­ci­ais, re­mo­de­la­ção do “si­te”, que estava ob­so­le­to, con­quis­ta de no­vos do­en­tes atra­vés de par­ce­ri­as com agên­ci­as es­tran­gei­ras e – gran­de no­vi­da­de – aber­tu­ra das por­tas aos jor­na­lis­tas es­tran­gei­ros. Por­que a vo­ca­ção do CIREN é ge­rar re­cei­tas, tal co­mo ou­tros ins­ti­tu­tos de cui­da­dos of­tal­mo­ló­gi­cos que atra­em es­tran­gei­ros à ilha.

“O nos­so pro­gra­ma é ca­paz de es­tu­dar os pro­ble­mas de saú­de, as su­as cau­sas e os seus efei­tos a par­tir da neu­ro­ci­ên­cia, pas­san­do pe­la par­te clí­ni­ca até à par­te ci­rúr­gi­ca e de re­a­bi­li­ta­ção”, ex­pli­ca à AFP o mé­di­co Al­ba Eli­sa Perez, di­rec­tor do cen­tro. Vin­dos de vá­ri­as par­tes do mun­do, os do­en­tes che­gam so­bre­tu­do da Amé­ri­ca La­ti­na. So­frem de do­en­ças co­mo Alzhei­mer, Par­kin­son, ata­xia (des­co­or­de­na­ção pa­to­ló­gi­ca dos mo­vi­men­tos do cor­po), e mais ge­ne­ri­ca­men­te de pa­to­lo­gi­as neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas. São alo­ja­dos com os seus acom­pa­nhan­tes, de pre­sen­ça obri­ga­tó­ria, em aco­lhe­do­ras vi­ven­das com jar­dim.

Ví­ti­ma há qua­tro anos de uma pa­ra­li­sia com­ple­ta do la­do es­quer­do do cor­po, na sequên­cia de um AVC, Li­cí­nio Ta­va­res es­tá pe­la ter­cei­ra vez no CIREN. “Es­te tra­ta­men­to é mui­to especial, or­ga­ni­za­do, mui­to in­ten­so, dá re­sul­ta­dos ines­pe­ra­dos: con­si­go an­dar com a aju­da de uma ben­ga­la, me­xo-me me­lhor, com mais am­pli­tu­de, con­si­go me­xer as mães, os de­dos, con­si­go co­mer”, de­ta­lha o en­ge­nhei­ro re­for­ma­do e an­ti­go mi­nis­tro an­go­la­no das Te­le­co­mu­ni­ca­ções. No pas­sa­do, Li­cí­nio Ta­va­res já ti­nha es­ta­do num ou­tro pres­ti­gi­a­do es­ta­be­le­ci­men­to su­e­co e afir­ma que no CIREN “o tra­ta­men­to é mais com­ple­to”.

O mé­to­do usa­do as­so­cia me­di­ci­nas tra­di­ci­o­nais e al­ter­na­ti­vas pa­ra aju­dar os do­en­tes a recuperar as su­as ca­pa­ci­da­des cog­ni­ti­vas e mo­to­ras. E a in­ten­si­da­de é bem su­pe­ri­or à mé­dia. “No Chi­le não há re­mé­dio, aqui há!”, diz com di­fi­cul­da­de a se­xa­ge­ná­ria chi­le­na Vir­gi­nia, que so­fre de uma do­en­ça neu­ro­mus­cu­lar

Lui­sa Vil­la­fañe, ar­gen­ti­na de 72 anos, aca­ri­cia de­li­ca­da­men­te a mão do fi­lho Ale­xan­dro, de 27 anos, ví­ti­ma de uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va gra­ve e te­tra­plé­gi­co des­de 2009. “Na Ar­gen­ti­na, con­sul­tá­mos re­pu­ta­dos neu­ro­lo­gis­tas que nun­ca sou­be­ram di­ag­nos­ti­car o que lhe acon­te­ceu”, as­se­gu­ra.

Diz-se mui­to im­pres­si­o­na­da pe­lo “exér­ci­to” de es­pe­ci­a­lis­tas que se su­ce­dem à ca­be­cei­ra de Ale­jan­dro na ses­são ma­ti­nal.

As 35 ho­ras de cui­da­dos são fac­tu­ra­das a cerca de 12.900 dó­la­res pa­ra os que vêm de paí­ses ami­gos, la­ti­no-ame­ri­ca­nos, asiá­ti­cos e afri­ca­nos. Pa­ra os ou­tros, são co­bra­dos mais mil dó­la­res. So­mas avul­ta­das, mas que são, por nor­ma, bas­tan­te mais bai­xas que as ta­ri­fas pra­ti­ca­das na Eu­ro­pa ou na Amé­ri­ca do Nor­te, on­de uma ses­são de re­cu­pe­ra­ção neu­ro­ló­gi­ca de uma ho­ra po­de che­gar a cus­tar 2.000 dó­la­res.

AFP

Do­en­te a ser tra­ta­do no Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Re­a­bi­li­ta­ção Neu­ro­ló­gi­ca de Cu­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.