CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - SU­ZA­NA PIN­TO | CELESTINO AN­TÓ­NIO | JULIANA AFONSO | LINDOMAR JOÃO |

Ener­gia eléc­tri­ca no cam­po

Mui­tos empresários an­go­la­nos têm de­fen­di­do a electrificação no cam­po, pa­ra que ha­ja di­mi­nui­ção de cus­tos de pro­du­ção.

Es­tes empresários en­ten­dem que é pre­ci­so ha­ver in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos no sec­tor agrí­co­la, ao ní­vel da ener­gia, pa­ra que se pos­sa atrair ca­pi­tais pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de uma área que é de­ci­si­va pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

A electrificação do cam­po po­de con­tri­buir tam­bém pa­ra se evi­tar o cor­te de ár­vo­res, por parte das po­pu­la­ções, pa­ra pro­du­ção de car­vão, e pro­ble­mas am­bi­en­tais. Sa­be-se que mui­tos ci­da­dãos que vi­vem no cam­po têm co­mo úni­ca fon­te de ren­di­men­to pa­ra so­bre­vi­ver o car­vão. Al­guém de­fen­deu, e bem, que se de­vem pro­cu­rar al­ter­na­ti­vas pa­ra que es­tas pes­so­as que vi­vem da co­mer­ci­a­li­za­ção do car­vão pos­sam ter ren­di­men­tos, sem ter de der­ru­bar as ár­vo­res. O pro­ble­ma de An­go­la em re­la­ção ao cor­te de ár­vo­res por parte de po­pu­la­ções po­bres do cam­po é igual ao de vá­ri­os ou­tros paí­ses do con­ti­nen­te afri­ca­no. É ne­ces­sá­rio es­ta­be­le­cer po­lí­ti­cas pú­bli­cas que não pre­ju­di­quem o am­bi­en­te e as po­pu­la­ções.

Pro­tec­ção da cri­an­ça

Tem si­do fei­to ape­los pa­ra que as cri­an­ças no nos­so país se­jam pro­te­gi­das da vi­o­lên­cia nos lares e fo­ra de­les. Pen­so que se de­ve in­sis­tir na ques­tão da de­fe­sa das nos­sas cri­an­ças. Sou da opi­nião de que de­ve­mos to­dos de­fen­der a cri­an­ça a partir dos nos­sos lares e bair­ros. Os adul­tos têm o de­ver de tu­do fa­zer pa­ra evi­tar que as cri­an­ças se­jam vi­o­len­ta­das sob qual­quer for­ma.

Gos­tei da ati­tu­de de uma ci­da­dã que há tem­pos de­nun­ci­ou a pró­pria mãe que mal­tra­ta­va uma cri­an­ça com qu­em vi­vi­am. Não é to­dos os di­as que acon­te­cem de­nún­ci­as des­te gé­ne­ro. Mas a vi­o­lên­cia de­ve ser com­ba­ti­da a partir dos nos­sos pró­pri­os lares. Há pes­so­as que que­rem vi­ver com fi­lhos de ou­trem, pa­ra apa­ren­te­men­te os edu­car. Acon­te­ce, po­rém, que em mui­tos ca­sos não há edu­ca­ção al­gu­ma, mas mui­ta vi­o­lên­cia diá­ria. Es­sas cri­an­ças, além de se­rem mal­tra­ta­das, não vão à es­co­la. São obri­ga­das a fa­zer tra­ba­lhos do­més­ti­cos, de ma­nhã à noi­te. A pre­o­cu­pa­ção com a cri­an­ça de­ve ser per­ma­nen­te. De­ve­mos es­tar aten­tos ao que acon­te­ce às nos­sas cri­an­ças, por­que elas são vul­ne­rá­veis e pre­ci­sam da má­xi­ma e efec­ti­va pro­tec­ção dos adul­tos. Nin­guém de­ve ter re­ceio de de­nun­ci­ar às au­to­ri­da­des abu­sos con­tra as nos­sas cri­an­ças, pra­ti­ca­dos por fa­mi­li­a­res e por ou­tras pes­so­as.

Novo se­cre­tá­rio-geral da ONU

Gos­tei do fac­to de o pró­xi­mo se­cre­tá­rio-geral da ONU, An­tó­nio Gu­ter­res, per­ten­cer a um Es­ta­do da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Ofi­ci­al Por­tu­gue­sa (CPLP ). An­tó­nio Gu­ter­res, po­lí­ti­co ex­pe­ri­men­ta­do, com vas­to co­nhe­ci­men­to dos gran­des pro­ble­mas mun­di­ais, po­de vir a ser um bom se­cre­tá­rio-geral da ONU, con­si­de­ra­do o car­go mais vi­sí­vel da di­plo­ma­cia mun­di­al.

Gu­ter­res é uma pes­soa sen­sí­vel ao so­fri­men­to das pes­so­as e há qu­em di­ga que vai ser o se­cre­tá­ri­o­ge­ral da ONU dos mais vul­ne­rá­veis. Sou­be que An­tó­nio Gu­ter­res, qu­an­do era cri­an­ça, pe­dia aos seus pais pa­ra com­pra­rem sa­pa­tos pa­ra os seus co­le­gas que iam à es­co­la com cal­ça­do ro­to. Gu­ter­res, ago­ra com 67 anos, con­ti­nua pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção dos po­bres. De­se­jo a An­tó­nio Gu­ter­res mui­tos êxi­tos na sua com­ple­xa mis­são. Sei que An­tó­nio Gu­ter­res te­rá mui­tos pro­ble­mas com­ple­xos por re­sol­ver, mas te­nho a es­pe­ran­ça de que ele po­de vir a mu­dar mui­ta coi­sa no mun­do, mar­ca­do por con­fli­tos e mui­ta po­bre­za.

Ocu­pa­ção de pas­sei­os

Há ago­ra uma moda que cons­ti­tui quan­to a mim uma trans­gres­são ad­mi­nis­tra­ti­va. Tra­ta-se da ocu­pa­ção de pas­sei­os aos fins de se­ma­na pa­ra se da­rem far­ras. Os peões são im­pe­di­dos de cir­cu­lar pelo pas­seio, sen­do obri­ga­dos a an­da­ram pe­la es­tra­da, com to­dos os ris­cos que is­so re­pre­sen­ta.

Sou­be, com sa­tis­fa­ção, que as au­to­ri­da­des vão to­mar me­di­das pa­ra que não ha­ja per­tur­ba­ções na via pú­bli­ca, mar­ca­das por far­ras rui­do­sas na via pú­bli­ca que ti­ram o sos­se­go a mui­tos ci­da­dãos. Es­pe­ro que es­tas me­di­das se­jam ime­di­a­ta­men­te apli­ca­das. Qu­em quer dar far­ras de­ve fa­zê-lo em lo­cais apro­pri­a­dos e sem per­tur­bar os ci­da­dãos.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.