O co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O país tem uma lon­ga ex­pe­ri­ên­cia ao ní­vel do co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la, que tem aju­da­do mui­tas fa­mí­li­as no cam­po a re­sol­ver mui­tos dos seus pro­ble­mas. Te­mos no país cen­te­nas de as­so­ci­a­ções e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las, que, ao lon­go de mui­tos anos, pro­du­zi­ram bens pa­ra sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des ali­men­ta­res das fa­mí­li­as e pa­ra a sua co­mer­ci­a­li­za­ção.

O co­o­pe­ra­ti­vis­mo cons­ti­tui um meio im­por­tan­te pa­ra me­lho­rar as con­di­ções de vi­da de mui­tas pes­so­as. São positivos os re­sul­ta­dos que re­sul­tam de or­ga­ni­za­ções co­o­pe­ra­ti­vas, não só ao ní­vel da agri­cul­tu­ra. As co­o­pe­ra­ti­vas de di­ver­sa na­tu­re­za são um meio ca­paz de re­sol­ver pro­ble­mas de mui­tas fa­mí­li­as, e não é por aca­so que em mui­tos paí­ses é in­cen­ti­va­do o mo­vi­men­to co­o­pe­ra­ti­vo, ha­ven­do leis es­pe­cí­fi­cas pa­ra o re­gu­lar.

Em An­go­la, te­mos um re­gi­me ju­rí­di­co es­pe­cí­fi­co do co­o­pe­ra­ti­vis­mo, o que con­tri­bui pa­ra fa­zer avan­çar um sec­tor que po­de aju­dar a eco­no­mia agrí­co­la a cres­cer. A eco­no­mia agrí­co­la de­ve cres­cer mui­to pa­ra po­der alavancar ou­tros sec­to­res pro­du­ti­vos, no­me­a­da­men­te a in­dús­tria trans­for­ma­do­ra.

O cres­ci­men­to da pro­du­ção agrí­co­la tem de con­tar com o con­tri­bu­to do sec­tor co­o­pe­ra­ti­vo, que reú­ne mui­tos mi­lha­res de cam­po­ne­ses que es­tão dis­pos­tos a re­a­li­zar ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas que con­tri­bu­am pa­ra a lu­ta con­tra a po­bre­za no meio ru­ral.

É po­si­ti­vo o fac­to de se es­tar a con­ce­der cré­di­to a as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses pa­ra o au­men­to da pro­du­ção agrí­co­la. É im­por­tan­te que os ban­cos comerciais es­te­jam dis­po­ní­veis pa­ra fi­nan­ci­ar ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas no cam­po, em par­ti­cu­lar aque­las que são le­va­das a ca­bo por as­so­ci­a­ções ou co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las. Os ban­cos comerciais, ao con­ce­de­rem cré­di­tos a agen­tes eco­nó­mi­cos, dão um gran­de im­pul­so à nos­sa eco­no­mia agrí­co­la. No cam­po vi­ve uma parte con­si­de­rá­vel da nos­sa po­pu­la­ção, e faz sen­ti­do que se pres­te par­ti­cu­lar aten­ção a áre­as on­de se po­de pro­du­zir em gran­de es­ca­la.

An­go­la tem ter­ras fér­teis, ten­do-se no pas­sa­do pro­du­zi­do mui­to em to­das as re­giões agrí­co­las do país. Po­de­mos vol­tar a pro­du­zir em gran­de quan­ti­da­de, se hou­ver pro­gra­mas exequí­veis e von­ta­de de os im­ple­men­tar.

Tem de ha­ver so­bre­tu­do von­ta­de de im­ple­men­tar os pro­gra­mas pa­ra o re­lan­ça­men­to da pro­du­ção agrí­co­la. Que se­jam aque­les que re­al­men­te sa­bem tra­ba­lhar a ter­ra a exe­cu­tar pro­gra­mas que pos­sam su­pe­rar a ac­tu­al si­tu­a­ção de ca­rên­cia de pro­du­tos agrí­co­las. É pre­ci­so que se dei­xe tra­ba­lhar os que re­al­men­te en­ten­dem de agri­cul­tu­ra. Que os cré­di­tos ban­cá­ri­os, a ha­ver ban­cos in­te­res­sa­dos em fi­nan­ci­ar ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas no cam­po, se­jam con­ce­di­dos a qu­em de fac­to vai pro­du­zir re­sul­ta­dos.

Os que no nos­so país en­ten­dem de agri­cul­tu­ra es­tão iden­ti­fi­ca­dos. Não po­de­mos es­tar per­ma­nen­te­men­te a adi­ar a con­ces­são de cré­di­tos a empresários an­go­la­nos que es­tão dis­pos­tos a tra­ba­lhar ar­du­a­men­te no cam­po e que têm co­nhe­ci­men­to e ex­pe­ri­ên­cia su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer de­sen­vol­ver a pro­du­ção agrí­co­la.

As co­o­pe­ra­ti­vas e as as­so­ci­a­ções agrí­co­las exis­tem há mui­tos anos no nos­so país. Acre­di­ta­mos que elas ad­qui­ri­ram ex­pe­ri­ên­cia pa­ra le­var a ca­bo pro­jec­tos pro­du­ti­vos que pos­sam con­tri­buir pa­ra ele­var os ní­veis de pro­du­ção agrí­co­la. É uma boa op­ção con­ce­der-se cré­di­to, co­mo já tem fei­to um ban­co co­mer­ci­al an­go­la­no, a es­tas co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções, no in­te­res­se das co­mu­ni­da­des que vi­vem no cam­po.

O de­sen­vol­vi­men­to das co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses tem um efei­to be­né­fi­co na so­ci­e­da­de. As co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses po­dem ge­rar tam­bém em­pre­gos e aju­dar as fa­mí­li­as a ter ren­di­men­tos.

É ne­ces­sá­rio que se con­ti­nue a dar a de­vi­da im­por­tân­cia ao co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la, so­bre­tu­do nes­ta fase em que qu­e­re­mos di­ver­si­fi­car a eco­no­mia. Ainda bem que já exis­tem co­o­pe­ra­ti­vas e as­so­ci­a­ções de cam­po­ne­ses. Im­por­ta ago­ra dar-lhes os in­cen­ti­vos de que ne­ces­si­tam pa­ra re­a­li­zar o seu tra­ba­lho. Em tem­po de cri­se, é bom que ha­ja me­ca­nis­mos de so­li­da­ri­e­da­de, que ca­rac­te­ri­zam as co­o­pe­ra­ti­vas e as as­so­ci­a­ções, em que os seus mem­bros tra­ba­lham to­dos pa­ra o bem co­mum. São tem­pos di­fí­ceis es­tes que atra­ves­sa­mos, mas é pos­sí­vel ul­tra­pas­sar os pro­ble­mas, se es­ti­ver­mos to­dos de­ter­mi­na­dos a tra­ba­lhar pa­ra os su­pe­rar.

Não es­ta­mos con­de­na­dos a vi­ver per­ma­nen­te­men­te em di­fi­cul­da­des. So­mos ca­pa­zes, com es­tu­do, tra­ba­lho, dis­ci­pli­na, ri­gor, ho­nes­ti­da­de, pa­tri­o­tis­mo e elevado sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de, de aca­bar com mui­tos ma­les de que ainda en­fer­ma a nos­sa so­ci­e­da­de. O co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la em An­go­la tem fu­tu­ro. Que os nos­sos cam­po­ne­ses que to­dos os di­as lu­tam pa­ra que te­nha­mos um país bom pa­ra se vi­ver de­sem­pe­nhem um pa­pel ac­ti­vo nes­te mo­men­to em que An­go­la pre­ci­sa de re­lan­çar a sua pro­du­ção agrí­co­la.

Já há bons exem­plos no cam­po de ini­ci­a­ti­vas de empresários an­go­la­nos que es­tão apos­ta­dos em de­sen­vol­ver a agri­cul­tu­ra, es­tan­do mes­mo al­guns a ex­por­tar bens pro­du­zi­dos em An­go­la. Que ha­ja mui­tas de­ze­nas de empresários na­ci­o­nais em to­do o nos­so país a pro­du­zir. An­go­la tem enor­mes po­ten­ci­a­li­da­des, pelo que os nos­sos empresários de­vem ti­rar par­ti­do de­las, em par­ti­cu­lar nas zo­nas ru­rais, on­de há va­li­o­sos re­cur­sos na­tu­rais, co­mo as ter­ras e as águas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.