Es­pa­nha sem Go­ver­no ou a nos­tal­gia da “Ge­ra­ção do 98”

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS ALBERTO FERREIRA |* (*) Luis Alberto Ferreira é o mais an­ti­go jor­na­lis­ta an­go­la­no no ac­ti­vo

Teó­ri­co da re­vo­lu­ção in­te­gral e da li­ber­da­de so­li­dá­ria, Ri­car­do Mel­la é ga­le­go, co­mo o di­ta­dor Fran­cis­co Fran­co, que ras­gou a fer­ro e fogo um dos ca­mi­nhos que trou­xe­ram até aos di­as de ho­je uma Es­pa­nha “sem so­lu­ções”. Uma Es­pa­nha sem­pre di­vi­di­da, trau­ma­ti­za­da e in­de­fi­ní­vel. A acu­mu­lar ten­dên­ci­as des­tru­ti­vas do ca­rác­ter das pes­so­as _e a di­vi­dir a so­ci­e­da­de num la­bi­rin­to imen­so de in­tri­gas, ba­na­li­da­des, de­fe­nes­tra­ções e me­di­a­tis­mos per­du­lá­ri­os do me­lhor da sua His­tó­ria: o pa­tri­mó­nio le­ga­do pe­los gran­des homens da Ge­ra­ção do 98. Ao con­trá­rio de mui­tos es­pa­nhóis, que di­mi­nu­em e ques­ti­o­nam a lu­ci­dez de qual­quer aná­li­se re­tros­pec­ti­va, Ri­car­do Mel­la tra­ba­lha sem tré­guas no es­tu­do de fe­nó­me­nos que as­so­lam a Es­pa­nha, a Eu­ro­pa, vá­ri­os con­ti­nen­tes. Ele é um dos ar­tí­fi­ces de um vas­tís­si­mo en­saio crítico, “A Fic­ção De­mo­crá­ti­ca”, re­gis­to de gran­de uti­li­da­de pa­ra to­dos. Acom­pa­nham-no, nes­ta di­a­léc­ti­ca em pro­fun­di­da­de, ou­tros in­ves­ti­ga­do­res: Ra­fa­el Cid, Al­bert Li­ber­tad e Se­bas­tián Fau­re. A casa edi­to­ra da obra re­jei­ta de igual mo­do as amar­ras do vul­gar. Cha­ma-se “Ru­gi­do e Gar­ga­lha­da”. E a de­sig­na­ção es­pe­cí­fi­ca dos vá­ri­os ca­pí­tu­los do lon­go en­saio é, por seu tur­no, mui­to ape­la­ti­va: O Re­ba­nho Elei­to­ral, O Sin­di­ca­to ou a Mor­te, Car­ta aos Re­sig­na­dos, A Con­quis­ta da Fe­li­ci­da­de, A Po­dri­dão Par­la­men­tar, A Lei do Nú­me­ro. To­dos os in­te­lec­tu­ais da Ge­ra­ção do 98 em Es­pa­nha su­bes­cre­ve­ri­am ho­je, sem va­ci­lar, a per­ti­nên­cia des­tas ma­té­ri­as. Eles de­nun­ci­a­ram aqui­lo que o Go­ver­no da Se­gun­da Re­pú­bli­ca, so­ci­a­lis­ta, pre­ten­deu er­ra­di­car e que o di­ta­dor fas­cis­ta nas­ci­do na Ga­li­za, Fran­cis­co Fran­co, im­pe­diu: a ex­tre­ma mi­sé­ria na me­se­ta cas­te­lha­na e nou­tras zo­nas do in­te­ri­or do país. De fac­to, des­de 1898, a Es­pa­nha, a bom ri­gor, clau­di­ca­va. Na sequên­cia da gu­er­ra “im­pe­ri­a­lis­ta” com os Es­ta­dos Uni­dos, o país ha­via per­di­do to­da a pre­pon­de­rân­cia an­tes exer­ci­da nos ter­ri­tó­ri­os de Cu­ba, Porto Ri­co e Fi­li­pi­nas. É nes­se pre­ci­so mo­men­to que ir­rom­pe em Es­pa­nha um novo “es­ti­lo” de li­te­ra­tu­ra.

À po­bre­za e à mi­sé­ria na mai­o­ria das re­giões re­pli­cou, pa­ra de­nun­ciá­las, um nú­cleo de po­e­tas e pro­sa­do­res que, com­ba­ten­do a des­cons­ci­ên­cia, tra­zi­am con­si­go a ob­jec­ti­vi­da­de la­mi­nar, a nar­ra­ti­va sim­ples e di­rec­ta pa­ra pôr a nú em Es­pa­nha as in­con­tá­veis agru­ras so­ci­ais. Aqui re­si­de o mé­ri­to su­per­la­ti­vo da “Ge­ne­ra­ción del 98” (Ge­ra­ção do 98). Qua­tro no­ve­lis­tas co­me­ça­ram en­tão por no­ta­bi­li­zar-se: Ra­món del Val­le In­clán e Miguel de Una­mu­no, Pío Ba­ro­ja e Jo­sé Azo­rín. Ou­tros vi­ri­am jun­tar-se-lhes, um dos quais, o po­e­ta se­vi­lha­no An­tó­nio Ma­cha­do, nas­ci­do pa­ra mor­rer pe­la pre­ser­va­ção da sua pró­pria dig­ni­da­de. Com es­te ci­men­to co­me­çou a eri­gir-se a mai­or das ver­da­des his­tó­ri­cas: en­tre 1898 e 2016 a Es­pa­nha não pô­de ja­mais tra­ve­jar com so­li­dez edi­fí­ci­os po­lí­ti­cos e ide­o­ló­gi­cos pa­ra a gran­de ci­da­de da de­mo­cra­cia. O fas­cis­mo fran­quis­ta de­vo­rou as raí­zes e o me­ro es­que­le­to re­ma­nes­cen­te da Ge­ra­ção do 98. Em 1937, ou 1938, com a tru­cu­len­ta afir­ma­ção do “cau­dil­lo” Fran­co e seu he­di­on­do re­gi­me, co­me­ça­ram as ter­gi­ver­sa­ções tão ao gos­to da bem co­nhe­ci­da ver­ten­te. Se con­sul­tar­mos a in­ter­net, ve­mos co­mo os ac­tu­ais pro­va­do­res do fel re­si­du­al do fran­quis­mo trans­fe­rem pa­ra a Ca­ta­lu­nha cum­pli­ci­da­des co­mo, por exem­plo, a ce­dên­cia pelo Re­al Ma­drid dos seus terrenos de Cha­mar­tin pa­ra que ne­les fun­ci­o­nas­se um dos cam­pos de con­cen­tra­ção que ar­ra­sa­ram parte das 150 mil ví­ti­mas mor­tais do re­gi­me fas­cis­ta­fa­lan­gis­ta. Es­te as­sun­to re­ve­la-se dis­cu­tí­vel, mas é fa­lá­cia gros­sei­ra não lem­brar que a epo­pei­ca re­sis­tên­cia à to­ma­da de Ma­drid pe­los fran­quis­tas fi­cou a de­ver-se à po­pu­la­ção afec­ta aos re­pu­bli­ca­nos. Fran­co apre­ci­a­va ir à ca­ça de per­di­zes na com­pa­nhia do cé­le­bre tou­rei­ro Luis Miguel Do­min­guín, e, ao mes­mo tem­po, o Re­al Ma­drid aca­ri­ci­a­va a pre­sen­ça de Fran­co no ca­ma­ro­te de San­ti­a­go Ber­na­béu, por oca­sião das fi­nais da “Co­pa del Ge­ne­ra­lí­si­mo”. Qu­an­do, na re­a­li­da­de, o tro­féu de­ve­ria já cha­mar-se “Co­pa de Es­pa­nha” (“Co­pa del Rey” é a de­sig­na­ção ac­tu­al, tam­bém in­có­mo­da pa­ra uma de­mo­cra­cia). Ago­ra, Outubro de 2016, Pe­dro Sán­chez, se­cre­tá­ri­o­ge­ral do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Ope­rá­rio Es­pa­nhol (PSOE), dei­xa o car­go por se ter opos­to a qual­quer ali­an­ça ou con­ces­são à con­ti­nui­da­de, no po­der, de Ma­ri­a­no Ra­joy. Es­te che­fe de Go­ver­no em fun­ções é _ co­mo sem­pre des­ta­co nas “subesferas” _ acér­ri­mo “se­gui­dor” do Re­al Ma­drid e lí­der de um par­ti­do que co­lhe “mais vo­tos” mas sem­pre re­cu­sou con­de­nar no Congresso os cri­mes he­di­on­dos do fran­quis­mo. Ele ilus­tra com for­ça o quadro de­mo­no­cra­ta da cris­ta­li­za­ção ide­o­ló­gi­ca da Es­pa­nha no tem­po e no es­pa­ço. Co­mo que a con­fir­má-lo, o jo­vem po­li­tó­lo­go ale­mão Raul Ze­lik, até 2013 pro­fes­sor-re­si­den­te na Universidade Na­ci­o­nal da Colôm­bia, res­pon­de ho­je com mui­ta eloquên­cia às nos­sas ad­mis­sí­veis per­ple­xi­da­des. Ze­lik, após atu­ra­da in­ves­ti­ga­ção nos me­an­dros da Es­pa­nha de ho­je pu­bli­cou, em cas­te­lha­no, “Con­ti­nui­da­de ou Rup­tu­ra”. A obra vem “ape­nas” con­fir­mar que a partir de 1898 a Es­pa­nha ja­mais cri­ou con­di­ções pa­ra o fun­ci­o­na­men­to de uma de­mo­cra­cia des­pi­da de ata­vis­mos ab­sur­dos. Mui­to ex­plí­ci­to, Raul Ze­lik, qu­an­do ele as­se­ve­ra: “Ao con­trá­rio da Ar­gen­ti­na e de ou­tros paí­ses, em Es­pa­nha nin­guém res­pon­deu pe­los cri­mes da di­ta­du­ra fran­quis­ta”. O juíz es­pa­nhol Bal­ta­sar Gar­zón viu a sua car­rei­ra des­fei­ta pelo ma­qui­a­ve­lis­mo dos “tri­bu­nais su­pe­ri­o­res” im­buí­dos das cor­tan­tes es­sên­ci­as do fran­quis­mo. Pi­or: com uma Igre­ja ca­tó­li­ca en­ri­ja­da nos gra­ni­tos in­te­lec­tu­ais da sem­pi­ter­na Cas­te­la, com sec­to­res pri­va­dos da Edu­ca­ção mi­na­dos por cé­re­bros do mes­mo cam­po re­ten­ti­vo das pul­sões do pro­gres­so, a Es­pa­nha con­ti­nua a mi­nar o me­lhor de si pró­pria, a juventude (atraí­da aos co­mí­ci­os do Par­ti­do Po­pu­lar). E, no pró­prio Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Ope­rá­rio Es­pa­nhol (PSOE), as lu­tas in­tes­ti­nas têm ori­gem tam­bém no re­ac­ci­o­na­ris­mo de mui­tos dos seus ca­ci­ques re­gi­o­nais. Com­pre­en­de-se a nos­tal­gia dos va­lo­res da Ge­ra­ção do 98 im­pe­ran­te em al­guns es­pí­ri­tos. Raul Ze­lik é mais prá­ti­co: “As­so­ci­a­ções de mé­di­cos cal­cu­lam que, en­tre 2010 e 2012, mor­re­ram 800 pes­so­as pe­los cor­tes na Saú­de”….

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.