Qua­li­da­de de pro­du­tos é acei­tá­vel

Jornal de Angola - - ECONOMIA - MA­DA­LE­NA JO­SÉ|

A qua­li­da­de de bens e ser­vi­ços ofe­re­ci­dos pelo mer­ca­do já é acei­tá­vel, com o sec­tor pri­va­do a ter mais cons­ci­ên­cia de pro­du­zir com ba­se em re­qui­si­tos in­ter­na­ci­o­nal­men­te acei­tes, afir­mou on­tem, em Luanda, o di­rec­tor-geral ad­jun­to pa­ra a Área Téc­ni­ca do Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Nor­ma­li­za­ção e Qua­li­da­de (IANORQ).

Car­mo dos San­tos, que fa­la­va no Fó­rum In­ter­na­ci­o­nal da Qua­li­da­de re­a­li­za­do on­tem, em Luanda, pe­la em­pre­sa an­go­la­na de con­sul­to­ria Micky Con­sul­tants & Part­ners, re­co­nhe­ceu que os pro­ve­do­res de bens e ser­vi­ços que ope­ram no mer­ca­do de­vem se es­for­çar mais pa­ra ele­var a qua­li­da­de da ofer­ta.

Pa­ra a res­pons­sá­vel do IANORQ, di­fi­cul­da­des nor­mais em paí­ses no es­tá­gio de de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la, o es­ta­do da eco­no­mia e do mer­ca­do, po­bre­za e ou­tros in­flu­en­ci­am a qua­li­da­de da ofer­ta dis­po­ní­vel no mer­ca­do na­ci­o­nal.

“O con­su­mi­dor não dá mui­ta im­por­tân­cia às ques­tões da qua­li­da­de por­que não sa­be ou não tem es­co­lha, en­quan­to o pro­du­tor tam­bém não se im­por­ta por­que con­se­gue ven­der, mes­mo sem ob­ser­var nor­mas, dis­se Car­mo dos San­tos pa­ra de­fi­nir as tran­sac­ções no mer­ca­do na­ci­o­nal”, re­fe­riu.

“O con­su­mi­dor de­ve ser o prin­ci­pal fis­cal, de­pois vem o Es­ta­do, que in­ter­vêm pa­ra pro­te­ger as ques­tões­ca­pa­zes de afec­tar a se­gu­ran­ça, saú­de e o meio am­bi­en­te. nor­mas in­ter­na­ci­o­nal­men­te acei­tes”, dis­se a res­pon­sá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.