Es­pé­ci­es an­go­la­nas con­ti­nu­am pro­te­gi­das

CON­FE­RÊN­CIA IN­TER­NA­CI­O­NAL De­fe­sa fir­me do en­cer­ra­men­to to­tal dos mer­ca­dos de ven­da de mar­fim no mun­do

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - MA­NU­E­LA GO­MES |

An­go­la de­fen­deu, de for­ma ca­te­gó­ri­ca, a per­ma­nên­cia de cer­tas es­pé­ci­es da sua fauna e flo­ra na lis­ta de se­res su­jei­tos à pro­tec­ção to­tal e ex­cluí­dos de qual­quer ti­po de co­mér­cio, in­for­mou, on­tem, em Jo­a­nes­bur­go, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra a Bi­o­di­ver­si­da­de e Áre­as de Con­ser­va­ção.

Pau­la Fran­cis­co, que par­ti­ci­pou na 17.ª Con­fe­rên­cia das Par­tes so­bre o Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal das Es­pé­ci­es da Flo­ra e Fauna Sel­va­gens em Pe­ri­go de Ex­tin­ção, re­a­li­za­da de 24 de Se­tem­bro a 4 des­te mês, na Áfri­ca do Sul, dis­se que An­go­la saiu vi­to­ri­o­sa do even­to, qu­an­do fa­zia, a partir da Áfri­ca do Sul, pa­ra a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al an­go­la­na, o ba­lan­ço da par­ti­ci­pa­ção de An­go­la no even­to, que reu­niu mais de mil es­pe­ci­a­lis­tas de vá­ri­as par­tes do Mun­do.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do re­a­fir­mou a ne­ces­si­da­de da per­ma­nên­cia na lis­ta das es­pé­ci­es de pro­tec­ção to­tal qu­an­do re­cu­sou uma pro­pos­ta de al­guns paí­ses que pre­ten­di­am mo­vi­men­tar es­pé­ci­es da sua fauna e flo­ra pa­ra a ca­te­go­ria de pro­tec­ção par­ci­al e co­mér­cio re­gu­la­do.

En­tre as es­pé­ci­es exis­ten­tes em An­go­la que al­guns paí­ses pre­ten­di­am que fos­sem re­ti­ra­das da lis­ta es­tá o ma­na­tim, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo "pei­xe boi" ou "pei­xe mu­lher", o pa­pa­gaio cin­zen­to e o pau-ro­sa.

Na Áfri­ca do Sul, Pau­la Fran­cis­co, que es­te­ve à fren­te de uma delegação in­te­gra­da por téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, par­ti­ci­pou ainda em eventos pa­ra­le­los, co­mo o que abor­dou “A pre­ser­va­ção do pa­pa­gaio cin­zen­to”.

A delegação an­go­la­na con­tra­ri­ou a in­ten­ção de al­guns paí­ses que pre­ser­vam o pa­pa­gaio cin­zen­to em ca­ti­vei­ro e de­fen­dem a sua pas­sa­gem pa­ra a ca­te­go­ria de me­nos pro­tec­ção, a fim de per­mi­tir o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal re­gu­la­do da es­pé­cie.

A delegação an­go­la­na par­ti­ci­pou ainda nu­ma ses­são de ca­pa­ci­ta­ção so­bre as me­di­das de re­for­ço pa­ra o con­tro­lo trans­fron­tei­ri­ço le­gal, uma ac­ti­vi­da­de ori­en­ta­da por pe­ri­tos da In­ter­pol, a Po­lí­cia in­ter­na­ci­o­nal, com o pa­tro­cí­nio do Ca­na­dá.

A delegação, acen­tu­ou, le­va pa­ra An­go­la "bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as" que po­dem le­var à ela­bo­ra­ção de uma pro­pos­ta pa­ra um am­plo pro­gra­ma de edu­ca­ção am­bi­en­tal pa­ra as co­mu­ni­da­des.

Pri­o­ri­da­de dos paí­ses

An­go­la ape­lou aos pa­tro­ci­na­do­res de ac­ti­vi­da­des de pes­qui­sa e pro­tec­ção à bi­o­di­ver­si­da­de pa­ra con­tac­ta­rem di­rec­ta­men­te os go­ver­nos a fim de sa­be­rem quais as or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais que tra­ba­lham em con­so­nân­cia com as pri­o­ri­da­des dos res­pec­ti­vos paí­ses e in­sis­tiu na ne­ces­si­da­de do en­cer­ra­men­to to­tal dos mer­ca­dos de ven­da de mar­fim a ní­vel mun­di­al. An­go­la apoi­ou uma pro­pos­ta pa­ra a in­di­ca­ção de dois téc­ni­cos se­ni­o­res de ca­da re­gião afri­ca­na, aba­li­za­dos em ma­té­ri­as de bi­o­di­ver­si­da­de e ques­tões ju­rí­di­cas, pa­ra tra­ba­lha­rem na de­fi­ni­ção da ma­triz da es­tra­té­gia co­mum de com­ba­te ao co­mér­cio ile­gal no con­ti­nen­te afri­ca­no.

An­go­la é tam­bém a fa­vor de uma pro­pos­ta de cri­a­ção de um Co­mi­té Per­ma­nen­te pa­ra as Co­mu­ni­da­des. A con­fe­rên­cia fez uma re­fle­xão so­bre o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel das co­mu­ni­da­des lo­cais.

A con­fe­rên­cia en­cer­rou com uma ce­ri­mó­nia pre­si­di­da pe­la mi­nis­tra da Co­o­pe­ra­ção e Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais da Áfri­ca do Sul, Mai­te Emily Nko­a­na-Masha­ba­ne. O pró­xi­mo en­con­tro es­tá agen­da­do pa­ra o Sri Lan­ka, da­qui a três anos.

O trá­fi­co de ani­mais é uma prá­ti­ca ile­gal que con­sis­te em re­ti­rar os ani­mais do seu ha­bi­tat na­tu­ral e ven­dê-los clan­des­ti­na­men­te.

Os ani­mais ao se­rem re­ti­ra­dos do seu ha­bi­tat são trans­por­ta­dos de for­ma que não co­mem nem be­bem, o que pro­vo­ca a mor­te da mai­o­ria des­ses, mui­tos dos quais por as­fi­xi­a­dos, du­ran­te a viagem.

Es­ti­ma-se que no­ve en­tre dez ani­mais con­tra­ban­de­a­dos mor­ram an­tes de che­gar ao seu des­ti­no por cau­sa das más con­di­ções que lhes são im­pos­tas e ainda por con­sequên­cia de qual­quer for­ma de le­são e mu­ti­la­ção fei­ta pe­los pró­pri­os tra­fi­can­tes pa­ra que não pro­du­zam sons e/ou fi­quem pa­ra­li­sa­dos por cau­sa da dor.

O trá­fi­co de ani­mais, além de pre­ju­di­car o ecos­sis­te­ma, tam­bém po­de pre­ju­di­car a saú­de hu­ma­na, uma vez que mui­tos ani­mais sil­ves­tres são hos­pe­dei­ros de ví­rus que cau­sam do­en­ças em hu­ma­nos, co­mo a fe­bre-ama­re­la, a leis­ch­ma­ni­o­se e to­xo­plas­mo­se

M. MACHANGONGO

O trá­fi­co de ani­mais é uma prá­ti­ca que con­sis­te em re­ti­rar es­pé­ci­es do seu ha­bi­tat na­tu­ral pa­ra se­rem ven­di­das de for­ma clan­des­ti­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.