CON­SE­LHO DE SE­GU­RAN­ÇA DAS NA­ÇÕES UNI­DAS Gu­ter­res elei­to Se­cre­tá­rio-Geral da ONU

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O ex-Pri­mei­ro-Mi­nis­tro por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res foi on­tem for­mal­men­te elei­to, por acla­ma­ção, pelo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, Se­cre­tá­rio-Geral das Na­ções Uni­das, em subs­ti­tui­ção do sul­co­re­a­no Ban Ki-mo­on, que exer­ceu o car­go nos úl­ti­mos dez anos.

Gu­ter­res foi re­co­men­da­do à As­sem­bleia-Geral da ONU du­ran­te a ses­são do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça re­a­li­za­da on­tem des­ti­na­da à vo­ta­ção for­mal num can­di­da­to de con­sen­so, de­pois de seis es­cru­tí­ni­os in­for­mais nes­te ór­gão, to­dos ven­ci­dos pelo can­di­da­to por­tu­guês.

Cum­pri­da que foi esta eta­pa - a mais di­fí­cil (re­co­men­da­ção pe­los 15 mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça) - ca­be ago­ra à As­sem­blei­aGe­ral con­fir­mar a in­di­ca­ção de Gu­ter­res por via de uma elei­ção nes­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo da ONU, com­pos­to por 193 Es­ta­dos mem­bros, du­ran­te uma ses­são a de­cor­rer na pró­xi­ma se­ma­na, e na qual An­go­la vai ex­pres­sar, uma vez mais, o seu vo­to fa­vo­rá­vel, co­mo tem fei­to ao lon­go do pro­ces­so no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça.

Des­de o iní­cio do pro­ces­so, em que An­go­la te­ve par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va, o an­ti­go Al­to Co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (AC­NUR) li­de­rou sem­pre as vo­ta­ções in­for­mais no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, que, no prin­cí­pio, con­tou com 12 can­di­da­tos, en­tre os quais cin­co mu­lhe­res.

Quar­ta-feira, na der­ra­dei­ra vo­ta­ção in­for­mal, Gu­ter­res con­se­guiu 13 vo­tos de en­co­ra­ja­men­to, ze­ro de­sen­co­ra­ja­men­tos e dois sem opi­nião. Dos vo­tos sem opi­nião, um foi de um mem­bro per­ma­nen­te e ou­tro de um mem­bro não-per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça. Ao não re­ce­ber ne­nhum vo­to de de­sen­co­ra­ja­men­to de um dos mem­bros per­ma­nen­tes, Gu­ter­res ob­te­ve luz ver­de pa­ra avan­çar. Acres­ce-se a is­so o fac­to de ne­nhum ou­tro can­di­da­to con­se­guir mais de no­ve vo­tos fa­vo­rá­veis, nú­me­ro mí­ni­mo ne­ces­sá­rio pa­ra ser re­co­men­da­do à As­sem­bleia-Geral da ONU a fim de ser apro­va­do.

À ex­cep­ção do ex-go­ver­nan­te por­tu­guês, de 67 anos, os ou­tros can­di­da­tos re­co­lhe­ram vo­tos de de­sen­co­ra­ja­men­to de al­guns mem­bros per­ma­nen­tes, o que con­fi­gu­ra uma in­di­ca­ção de ve­to nu­ma vo­ta­ção for­mal no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça.

A can­di­da­ta Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va, lan­ça­da na cor­ri­da re­cen­te­men­te pelo Go­ver­no de di­rei­ta da Bul­gá­ria, te­ve um de­sem­pe­nho pi­or do que a sua com­pa­tri­o­ta de es­quer­da Iri­na Bo­ko­va, que per­deu o apoio de Só­fia. Ao con­trá­rio das cin­co an­te­ri­o­res vo­ta­ções, na quar­ta-feira fo­ram usa­dos bo­le­tins de vo­to de di­fe­ren­tes co­res: ver­me­lha pa­ra os mem­bros per­ma­nen­tes e bran­ca pa­ra os não-per­ma­nen­tes, pa­ra dis­tin­guir as in­ten­ções de vo­to dos cin­co paí­ses com po­der de ve­to (Chi­na, EUA, Fran­ça, Rei­no Uni­do e Rús­sia).

Du­ran­te a campanha elei­to­ral, o can­di­da­to An­tó­nio Gu­ter­res pro­me­teu re­for­mar a ONU pa­ra re­for­çar os seus es­for­ços de man­ter a paz e pro­mo­ver os di­rei­tos hu­ma­nos, bem co­mo pri­vi­le­gi­ar o equi­lí­brio em ma­té­ria de in­ser­ção de qua­dros no sis­te­ma das Na­ções Uni­das, atra­vés da pro­mo­ção da com­pe­tên­cia. De acor­do com a Car­ta das Na­ções Uni­das, o Se­cre­tá­rio-Geral de­ve ser elei­to pe­la As­sem­bleia-Geral, me­di­an­te re­co­men­da­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, nu­ma de­ci­são que re­quer pelo me­nos no­ve vo­tos a fa­vor, in­cluin­do os dos cin­co mem­bros per­ma­nen­tes.

Ao lon­go dos seus 70 anos de exis­tên­cia, a ONU te­ve oi­to Se­cre­tá­ri­os-Ge­rais, to­dos homens, no­me­a­da­men­te Tryg­ve Lie (No­ru­e­ga), Dag Ham­marskjöld (Sué­cia), U Thant (Bir­mâ­nia/Myan­mar), Kurt Waldheim (Áus­tria), Ja­vi­er Pé­rez de Cuél­lar (Pe­ru), Bou­tros Bou­trosGha­li (Egip­to), Ko­fi An­nan (Gha­na) e Ban Ki-mo­on (Co­reia do Sul), que ter­mi­na o man­da­to em 31 de De­zem­bro des­te ano.

Pri­mei­ras de­cla­ra­ções

An­tó­nio Gu­ter­res acei­tou on­tem à tar­de, nu­ma de­cla­ra­ção em Lisboa, a no­me­a­ção pa­ra Se­cre­tá­ri­o­Ge­ral das Na­ções Uni­das. “Pa­ra des­cre­ver aqui­lo que sin­to: hu­mil­da­de e gra­ti­dão.” Foi com es­tas pa­la­vras que An­tó­nio Gu­ter­res acei­tou on­tem a sua no­me­a­ção pelo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça (CS) da ONU pa­ra pró­xi­mo se­cre­tá­rio-geral das Na­ções Uni­das.

Ao fa­lar no Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, em Lisboa, Gu­ter­res su­bli­nhou que a de­ci­são dos mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça foi to­ma­da num pro­ces­so exem­plar de trans­pa­rên­cia e aber­tu­ra. “Foi com emo­ção que ve­ri­fi­quei que o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça con­se­guiu uni­da­de e con­sen­so na sua de­ci­são”, dis­se An­tó­nio Gu­ter­res na sua pri­mei­ra de­cla­ra­ção pú­bli­ca de­pois da elei­ção. “Que tal fac­to se­ja sim­bó­li­co pa­ra que, em uni­da­de e com con­sen­so, te­nha a ca­pa­ci­da­de de to­mar as de­ci­sões que o mun­do mo­der­no exi­ge”, acres­cen­tou.

Um pro­jec­to des­ti­na­do à cri­a­ção de ale­vi­nos vai ser im­ple­men­ta­do na ba­cia hi­dro­grá­fi­ca do Dun­go, comuna da Yam­ba­la, mu­ni­cí­pio do Cu­bal. A in­for­ma­ção foi pres­ta­da à An­gop pelo re­pre­sen­tan­te da Pes­ca Ar­te­sa­nal e Aqua­cul­tu­ra no Cu­bal, Ma­la­qui­as Mu­cu­en­je, ten­do avan­ça­do que a ini­ci­a­ti­va con­jun­ta do Ins­ti­tu­to de Pes­ca Ar­te­sa­nal e do Mi­nis­té­rio das Pes­cas pre­vê a cri­a­ção de 15 mil es­pé­ci­es. A re­gião tem po­ten­ci­al pa­ra a pes­ca flu­vi­al em águas con­ti­nen­tais, fac­tor que tem vin­do a des­per­tar o in­te­res­se da clas­se em­pre­sa­ri­al. O Mi­nis­té­rio das Pes­cas tem fo­men­ta­do a cri­a­ção no país de pei­xe em vi­vei­ros.

REU­TERS

Gu­ter­res é o pri­mei­ro ci­da­dão de um país de lín­gua por­tu­gue­sa a li­de­rar a ONU

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.