An­tó­nio Gu­ter­res on­tem acla­ma­do Se­cre­tá­rio-Geral das Na­ções Uni­das

Mé­to­do trans­pa­ren­te per­mi­te à As­sem­bleia Geral es­co­lher o me­lhor can­di­da­to ao car­go

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM |

O an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res, 67 anos, foi on­tem for­mal­men­te elei­to, por acla­ma­ção, pelo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça co­mo o pró­xi­mo Se­cre­tá­rio-Geral da ONU. Gu­ter­res foi re­co­men­da­do à As­sem­bleia-Geral da ONU du­ran­te a ses­são do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça des­ti­na­da à vo­ta­ção for­mal num can­di­da­to de con­sen­so, de­pois de seis es­cru­tí­ni­os vi­to­ri­o­sos.

A con­fir­ma­ção, on­tem, pe­la As­sem­bleia Geral, da re­so­lu­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça que pro­põe o no­me de An­tó­nio Gu­ter­res pa­ra o car­go de Se­cre­tá­rio-Geral da ONU, por acla­ma­ção, co­mo re­co­men­da­do um dia an­tes, põe fim a al­guns obs­tá­cu­los até en­tão con­si­de­ra­dos in­trans­po­ní­veis .

An­tó­nio Gu­ter­res é o pri­mei­ro eu­ro­peu elei­to Se­cre­tá­rio-Geral da ONU em mais de três dé­ca­das, pon­do fim a mais de 70 anos de um “acor­do de ca­va­lhei­ros” se­gun­do o qual o car­go de­ve ser exer­ci­do de ma­nei­ra ro­ta­ti­va por um re­pre­sen­tan­te de ca­da re­gião do mun­do a ca­da dois man­da­tos.

Des­de 1971, o car­go de Se­cre­tá­rio-Geral da ONU era ocu­pa­do su­ces­si­va­men­te pe­la Eu­ro­pa Oci­den­tal, Amé­ri­ca La­ti­na, Áfri­ca e Ásia, fal­tan­do ape­nas uma re­gião a ser re­pre­sen­ta­da, a Eu­ro­pa do Les­te.

An­tó­nio Gu­ter­res tam­bém ul­tra­pas­sou ou­tro gran­de obs­tá­cu­lo, o “lobby fe­mi­ni­no” e a pre­ten­são, de im­por­tan­tes ac­to­res in­ter­na­ci­o­nais, de pe­la pri­mei­ra vez ele­ger uma mu­lher na li­de­ran­ça da ONU.

Qu­e­brou ainda ou­tro ta­bu, tal­vez o mais di­fí­cil. Es­tas elei­ções fo­ram di­fe­ren­tes das an­te­ri­o­res, nas quais não pou­cos can­di­da­tos der­ro­ta­dos re­cla­ma­vam que a es­co­lha do Se­cre­tá­rio-Geral da ONU “não ti­nha na­da a ver com a po­si­ção ou o me­lhor cur­rí­cu­lo, com a fa­ci­li­da­de de se ex­pres­sar em vá­ri­as lín­guas ou com a ca­pa­ci­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va ou ca­ris­ma pes­so­al”. A elei­ção de An­tó­nio Gu­ter­res qu­e­brou o ci­clo de um Se­cre­tá­rio-Geral da ONU “me­nos ina­cei­tá­vel pa­ra os cin­co mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça”, co­mo acon­te­cia, abrin­do um novo ci­clo, o de “um Se­cre­tá­rio-Geral da ONU de con­sen­so”.

ONU mais trans­pa­ren­te

A es­co­lha de An­tó­nio Gu­ter­res re­sul­tou de um pro­ces­so mais trans­pa­ren­te e re­no­vou o pres­tí­gio de uma or­ga­ni­za­ção que, ape­sar de al­guns fra­cas­sos, tem evi­ta­do há se­te dé­ca­das a eclo­são da ter­cei­ra gu­er­ra mun­di­al. Pe­la pri­mei­ra vez nos mais de 70 anos de exis­tên­cia, a As­sem­bleia-Geral da ONU, ór­gão on­de es­tão re­pre­sen­ta­dos to­dos os paí­ses-mem­bros da or­ga­ni­za­ção, re­ce­beu can­di­da­tu­ras e ou­viu os can­di­da­tos ao car­go.

A no­va for­ma de elei­ção do ho­mem-for­te das Na­ções Uni­das con­tras­ta com a an­te­ri­or, mar­ca­da por con­ver­sas à por­ta fe­cha­da, mas man­tém a pre­pon­de­rân­cia dos cin­co mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das. EUA, Rús­sia, Fran­ça, Chi­na e Rei­no Uni­do con­ti­nu­am a ter a pa­la­vra fi­nal na es­co­lha do Se­cre­tá­rio-Geral da or­ga­ni­za­ção, atra­vés do uso, ou não, do seu po­der de ve­to.

Ape­sar dos avan­ços, a mais re­cen­te elei­ção do pró­xi­mo Se­cre­tá­rio-Geral da ONU pôs a nu al­gu­mas fa­lhas do pro­ces­so, com des­ta­que pa­ra a fal­ta de um pra­zo pa­ra o fim da apre­sen­ta­ção de can­di­da­tu­ras.

A entrada tar­dia da can­di­da­ta Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va à cor­ri­da “no fi­nal da ma­ra­to­na”, co­mo su­bli­nhou o Che­fe de Es­ta­do por­tu­guês, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa - ame­a­çou des­truir to­dos os es­for­ços en­vi­da­dos pa­ra se cri­ar um pro­ces­so de se­lec­ção mais trans­pa­ren­te e cre­dí­vel na ONU e de­mons­trou a per­ti­nên­cia des­ta falha ser col­ma­ta­da nos pró­xi­mos tem­pos.

Opor­tu­ni­da­de pa­ra a CPLP

A elei­ção de An­tó­nio Gu­ter­res é, pa­ra o mi­nis­tro an­go­la­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chi­ko­ti, “mui­to im­por­tan­te pa­ra Áfri­ca, pa­ra a CPLP, pa­ra An­go­la e pa­ra a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal em geral”.

Ao re­a­gir à es­co­lha do an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês pa­ra li­de­rar as Na­ções Uni­das nos pró­xi­mos cin­co anos, o che­fe da Di­plo­ma­cia an­go­la­na dis­se “ter a cer­te­za” de que An­tó­nio Gu­ter­res “vai olhar mui­to pa­ra Áfri­ca e pa­ra An­go­la em par­ti­cu­lar” e es­pe­rar que es­te “con­si­ga pro­mo­ver al­guns qua­dros im­por­tan­tes do con­ti­nen­te afri­ca­no, par­ti­cu­lar­men­te da lu­so­fo­nia”. An­go­la apoi­ou a can­di­da­tu­ra de An­tó­nio Gu­ter­res, as­sim co­mo os de­mais paí­ses da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), Bra­sil, Ca­bo Ver­de, Gui­néBis­sau, Gui­né Equa­to­ri­al, Mo­çam­bi­que, São To­mé e Prín­ci­pe, Ti­mor Les­te, e, ob­vi­a­men­te, Por­tu­gal.

A CPLP de­ve aproveitar esta opor­tu­ni­da­de e re­lan­çar com An­tó­nio Gu­ter­res o de­ba­te pa­ra o por­tu­guês ser in­tro­du­zi­do co­mo lín­gua de tra­ba­lho na ONU.

O por­tu­guês é das lín­guas mais fa­la­das no mun­do, com mais de 200 mi­lhões de fa­lan­tes, e idi­o­ma ofi­ci­al de oi­to paí­ses es­pa­lha­dos pe­los vá­ri­os con­ti­nen­tes: Áfri­ca (An­go­la, Ca­bo Ver­de, Gui­né-Bis­sau e São To­mé e Prín­ci­pe), Amé­ri­ca (Bra­sil), Ásia (Ti­mor Les­te e Ma­cau, re­gião au­tó­no­ma da Chi­na), e Eu­ro­pa (Por­tu­gal).

Is­to de­mons­tra a uni­ver­sa­li­da­de da lín­gua de Ca­mões, que tem si­do fac­tor de uni­da­de na­ci­o­nal e de ex­pres­são da iden­ti­da­de dos po­vos que a uti­li­zam. Até 2009, o por­tu­guês era fa­la­do em mais de 20 ins­ti­tui­ções in­ter­na­ci­o­nais, com des­ta­que pa­ra a União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia, União Sul-ame­ri­ca­na de Na­ções (Una­sul) e Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos e nas Ci­mei­ras de Ibe­ro-Ame­ri­ca­nas.

Fal­ta ape­nas tor­nar o por­tu­guês a sé­ti­ma lín­gua ofi­ci­al e de tra­ba­lho da ONU, de­pois do in­glês, es­pa­nhol, man­da­rim, fran­cês, ára­be e rus­so, e a CPLP tem to­da a le­gi­ti­mi­da­de em lu­tar pa­ra que tal acon­te­ça.

AFP

An­tó­nio Gu­ter­res ven­ceu a cor­ri­da ao Se­cre­ta­ri­a­do Geral da ONU sem gran­des di­fi­cul­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.