Va­lor acres­cen­ta­do na pro­du­ção de mi­lho

Fá­bri­ca de trans­for­ma­ção de gran­de ca­pa­ci­da­de ga­ran­te mer­ca­do pa­ra as fa­mí­li­as pro­du­to­ras de mi­lho no nor­te da Huí­la

Jornal de Angola - - PARTADA - ARÃO MAR­TINS | Huí­la

An­go­la em 2015 pro­du­ziu cer­ca de 28 mil toneladas de fa­ri­nha de mi­lho, re­pre­sen­tan­do um acrés­ci­mo de cin­co mil toneladas em re­la­ção a 2014. O au­men­to da pro­du­ção de­veu-se à im­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma di­ri­gi­do de fa­ri­nha de mi­lho.

Da­dos da Ad­mi­nis­tra­ção Geral Tri­bu­tá­ria (AGT) in­di­cam que o país im­por­tou, em 2015, cer­ca de 256 mil toneladas de fa­ri­nha de mi­lho. Em 2014 fo­ram 314 mil toneladas. Es­sa re­du­ção, que de­ve as­sen­tu­ar-se a ca­da ano, re­sul­ta de vá­ri­os fac­to­res. O pri­mei­ro, qui­çá mais re­le­van­te, é o au­men­to da ca­pa­ci­da­de de trans­for­ma­ção no país, que aca­ba por ge­rar uma pres­são so­bre os pro­du­to­res.

Um bom exem­plo des­sa cons­ta­ta­ção en­con­tra­mos no Cussesse, comuna da Negola, mu­ni­cí­pio de Caluquembe, no Lu­ban­go, on­de uma fá­bri­ca de trans­for­ma­ção de fa­ri­nha de mi­lho es­tá a trans­for­mar a vi­da das fa­mí­li­as e da co­mu­ni­da­de.

A fá­bri­ca sur­giu no âm­bi­to do Pro­gra­ma de Cré­di­to Agrí­co­la de In­ves­ti­men­to, atra­vés do pro­gra­ma An­go­la In­ves­te, num va­lor glo­bal de 41 mi­lhões de kwanzas fi­nan­ci­a­dos pelo Ban­co de De­sen­vol­vi­men­to An­go­la­no (BDA). Em ac­ti­vi­da­de des­de o iní­cio do ano, a fá­bri­ca ab­sor­ve a mai­or parte da pro­du­ção de mi­lho da re­gião nor­te da Huí­la. As fa­mí­li­as pro­du­to­ras de Chi­com­ba, Ca­con­da, Qui­pun­go, Qui­len­gues, Ca­cu­la e Caluquembe, que são zo­nas tra­di­ci­o­nal­men­te pro­du­to­ras de mi­lho, já não se po­dem quei­xar de fal­ta de es­co­a­men­to da pro­du­ção.

Cé­sar Da­ni­el que é um dos res­pon­sá­veis do gru­po em­pre­sa­ri­al CE­MA­KE Agro-in­dus­tri­al, pro­pri­e­tá­rio da fá­bri­ca, con­ta-nos a his­tó­ria da mar­ca “Ose­ma Ipe­pa” , que em por­tu­guês quer di­zer “Fu­ba boa”. Ele ex­pli­ca que des­de o iní­cio que a prin­ci­pal mo­ti­va­ção do pro­jec­to foi cor­ri­gir al­go que es­ta­va com­ple­ta­men­te er­ra­do: a for­te pre­sen­ça de fa­ri­nha de mi­lho im­por­ta­da na Huí­la.

Es­sa foi, na ver­da­de, a prin­ci­pal mo­ti­va­ção do pro­jec­to, cu­jo fi­nan­ci­a­men­to saiu em 2013, no âm­bi­to do Pro­gra­ma de Cré­di­to Agrí­co­la de In­ves­ti­men­to, que é um dos in­cen­ti­vos do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no à pro­du­ção de bens da ces­ta bá­si­ca. Cé­sar Da­ni­el con­ta que a mon­ta­gem da fá­bri­ca le­vou al­gum tem­po e exi­giu um gran­de es­for­ço até fi­car em con­di­ções de ope­rar.

Com ca­pa­ci­da­de de pro­ces­sar uma to­ne­la­da de mi­lho por ho­ra, além da trans­for­ma­ção do mi­lho em fa­ri­nha, a fá­bri­ca pro­ces­sa ainda o gér­men e o fa­re­lo pa­ra ra­ção do ga­do bo­vi­no, suí­no, ca­pri­no e aví­co­la, dis­tri­buí­dos em sa­cos de 10 e 25 qui­lo­gra­mas.

A gran­de pri­o­ri­da­de do mo­men­to é mes­mo a fa­ri­nha de mi­lho por fa­zer parte da ces­ta bá­si­ca. As po­pu­la­ções es­tão du­pla­men­te sa­tis­fei­tas com a exis­tên­cia da fá­bri­ca, por pas­sa­rem a con­su­mir produto na­ci­o­nal fres­co, e por­que cen­te­nas de fa­mí­li­as pro­du­to­ras de Chi­com­ba, Ca­con­da, Qui­pun­go, Qui­len­gues, Ca­cu­la e Caluquembe, es­te­jam ou não or­ga­ni­za­das em co­o­pe­ra­ti­vas, pas­sa­ram a pro­du­zir com mai­or se­gu­ran­ça. “Ter cer­te­za de que o produto tem mer­ca­do é uma ale­gria pa­ra qual­quer pro­du­tor”, afi­an­ça o em­pre­sá­rio.

Pa­ra Cé­sar Da­ni­el a de­ci­são de avan­çar com o pro­jec­to foi tam­bém mo­ti­va­da por uma ob­ser­va­ção prag­má­ti­ca so­bre o que po­dia ser uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio. “A li­ga­ção en­tre a ca­deia pro­du­ti­va e de trans­for­ma­ção no meio ru­ral po­ten­cia o mer­ca­do de con­su­mo. É nes­te sen­ti­do que de­ci­di­mos, com os in­cen­ti­vos do Exe­cu­ti­vo, cri­ar uma in­dús­tria de trans­for­ma­ção de mi­lho em fa­ri­nha”.

Afi­an­ça que os pro­du­to­res de­mons­tram mui­ta ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­du­zir, mas a au­sên­cia de uni­da­des de trans­for­ma­ção re­pre­sen­tam um en­tra­ve a qual­quer in­ten­ção de au­men­to da pro­du­ção. Foi por is­so, su­bli­nha, fun­da­men­tal o apoio do Exe­cu­ti­vo pa­ra que a em­pre­sa de­ci­dis­se avan­çar com o pro­jec­to que no fun­do apro­xi­ma­nos do pro­du­tor, mo­ti­van­do-o des­te mo­do a pro­du­zir mais e ca­da vez me­lhor. “É ob­vio que o re­sul­ta­do dis­so é a er­ra­di­ca­ção da fo­me e da po­bre­za, que não de­ve ser só uma pre­o­cu­pa­ção do Exe­cu­ti­vo, mas de to­da a so­ci­e­da­de”.

Com a mar­ca “Ose­ma ipe­pa”, dis­se Cé­sar Da­ni­el, fo­ram elei­tas em­pre­sas de dis­tri­bui­ção que es­tão a le­var a pro­du­ção às pro­vín­ci­as do Cu­ne­ne, Ben­gue­la, Luanda, Cu­an­do Cu­ban­go e Hu­am­bo. Com a fá­bri­ca em fun­ci­o­na­men­to e o mer­ca­do em for­te ex­pan­são, o ce­ná­rio pa­re­cia per­fei­to. Mas não é bem as­sim. A his­tó­ria da “Ose­ma ipe­pa”, que ti­nha tu­do pa­ra ser per­fei­ta, tem na ener­gia eléc­tri­ca o seu úni­co e mai­or pro­ble­ma.

Se­gun­do Cé­sar Da­ni­el, a fal­ta de ener­gia da re­de pú­bli­ca le­va a que a úni­ca fon­te de ener­gia da fá­bri­ca se­ja aqui­lo que em pro­jec­to se­ria a fon­te al­ter­na­ti­va: os ge­ra­do­res. Es­sa si­tu­a­ção tor­na a pro­du­ção mui­to mais ca­ra do que era de es­pe­rar, já que se gas­ta mui­to com com­bus­tí­veis nos ge­ra­do­res pa­ra man­ter as má­qui­nas a tra­ba­lhar. “Is­so pre­ju­di­ca qual­quer ne­gó­cio”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.