FAA em pron­ti­dão to­tal pa­ra os de­sa­fi­os da paz

Che­fe do Es­ta­do Mai­or General ga­ran­te que exis­te es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e mi­li­tar na Pro­vín­cia de Ca­bin­da

Jornal de Angola - - PARTADA - ADALBERTO CEITA |

An­go­la não tem tro­pas a com­ba­ter na RDC e qual­quer in­ter­ven­ção mi­li­tar an­go­la­na nou­tro país te­ria que par­tir do Co­man­dan­te-em-Che­fe das For­ças Ar­ma­das após au­to­ri­za­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, dis­se on­tem o General de Exército Ge­ral­do Sachipengo Nunda, nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa. O che­fe do Es­ta­do-Mai­or General das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, ins­ti­tui­ção que com­ple­ta ho­je 25 anos de fun­da­ção, as­se­gu­rou que o pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção con­ti­nua de mo­do a co­lo­car as FAA na di­men­são es­ta­be­le­ci­da pe­la di­rec­ti­va do Co­man­dan­te-emChe­fe, em fun­ção das ame­a­ças e dos ris­cos po­ten­ci­ais à se­gu­ran­ça do país. Sachipengo Nunda ga­ran­tiu pron­ti­dão to­tal das FAA pa­ra os de­sa­fi­os da paz, e anun­ci­ou que têm es­ta­do em­pe­nha­das na im­ple­men­ta­ção de um pro­gra­ma de pro­du­ção ali­men­tar em ca­deia.

General de Exército, Ge­ral­do Sachipengo Nunda, é o che­fe do Es­ta­do-Mai­orGe­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas há mais de seis anos. Nas co­me­mo­ra­ções­dos 25 anos da fun­da­ção da ins­ti­tui­ção, Ge­ral­do Sachipengo Nunda as­se­gu­rou queo pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção vai con­ti­nu­ar de mo­do a co­lo­car as For­ças Ar­ma­dasAn­go­la­nas (FAA) na di­men­são es­ta­be­le­ci­da pe­la di­rec­ti­va do Co­man­dan­te-em-Che­fe em fun­ção das ame­a­ças e dos ris­cos po­ten­ci­ais à se­gu­ran­ça do país. Além de su­bli­nhar que as FAA têm es­ta­do a im­ple­men­tar um pro­gra­ma de pro­du­ção ali­men­tar em ca­deia, Ge­ral­do Sachipengo Nunda ne­gou que exis­tam tro­pas an­go­la­nas em ac­ções mi­li­ta­res na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Si­ga a en­tre­vis­ta.

Jor­nal de An­go­la – Se­nhor General, pas­sa­dos 25 anos após a sua fun­da­ção, es­tão a ser cum­pri­dos os ob­jec­ti­vos que es­ti­ve­ram ma ba­se da fun­da­ção das For­ças Ar­ma­dasAn­go­la­nas (FAA)?

Ge­ral­do Sachipengo Nunda–

As For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, nes­tes 25 anos, no qua­dro da re­e­di­fi­ca­ção con­se­guiu atin­gir de­ter­mi­na­dos ní­veis. Ho­je, te­mos uma ca­pa­ci­da­de de for­ma­ção de no­vos mi­li­ta­res, num ci­clo nor­mal de cer­ca de seis mil ho­mens em ca­da tur­no de for­ma­ção de re­cru­tas. Por­tan­to, qua­tro cen­tros de ins­tru­ção do Exército, um cen­tro de for­ma­ção da For­ça Aé­rea e ou­tro da Ma­ri­nha de Guer­ra, de­for­ma­ção de sol­da­dos. Pos­suí­mos ain­da es­co­las de for­ma­ção de sar­gen­tos. Ca­da um dos­três ra­mos das FAA con­ta com uma aca­de­mia e es­ta­mos a tra­ba­lhar pa­ra que elas se­jam­ca­da vez me­lho­res. Im­por­ta di­zer que a aca­de­mia do Exército, no Huambo po­de se­ru­ma obra de ele­va­da di­men­são. Te­mos um Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co Mi­li­tar, que já­for­mou 446 téc­ni­cos su­pe­ri­o­res, e a Es­co­la Su­pe­ri­or de Guer­ra on­de re­a­li­za­mos afor­ma­ção mais ele­va­da dos ofi­ci­ais. A gran­de apos­ta é dei­xar de ter me­nos es­tu­dan­tes­no ex­te­ri­or.

Jor­nal de An­go­la – Em que pon­to es­tá o pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção em cur­so nasFor­ças Ar­ma­das? Ge­ral­do Sachipengo Nunda

–O pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção de­cor­re de uma di­rec­ti­va doCo­man­dan­te-emChe­fe, que as For­ças Ar­ma­das re­ce­be­ram em 2007 e que de­ve se­re­qua­ci­o­na­do em di­ver­sas fa­ses. A pri­mei­ra fa­se foi de com­pre­en­são ab­so­lu­ta da qui­lo­que era a re­e­di­fi­ca­ção, por is­so co­me­çá­mos com o di­ag­nós­ti­co. Na épo­ca, era che­fe doEs­ta­doMai­or General das FAA o general de Exército Fran­cis­co Fur­ta­do. Co­me­çá­mos com o di­ag­nós­ti­co da si­tu­a­ção ge­ral das FAA. Por um la­do, o di­ag­nós­ti­co in­ci­dia na si­tu­a­ção do país e de po­ten­ci­ais ame­a­ças e ris­cos à se­gu­ran­ça. Pen­sá­mos que o ele­men­to fun­da­men­tal era sa­ber, em pri­mei­ro lu­gar, quan­tos éra­mos e co­mo é que es­tá­va­mos. Foi as­sim que du­ran­te um ano fi­ze­mos o le­van­ta­men­to de to­dos os efec­ti­vos, das in­fra-es­tru­tu­ras edos mei­os ao dis­por das FAA. No mês de De­zem­bro de 2009 con­cluí­mos es­ta eta­pa.

Jor­nal de An­go­la – O que se se­guiu? Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– Ini­ciá­mos o pro­ces­so de aná­li­se das es­tru­tu­ras. En­vol­ve­mos to­dos os ór­gãos das FAA e o tra­ba­lho foi re­a­li­za­do. Mas, em Maio de 2010,re­ce­be­mos uma ori­en­ta­ção do Co­man­dan­te-emChe­fe das FAA, pa­ra a me­lho­ria das­con­di­ções de tra­ba­lho e de vi­da dos mi­li­ta­res e que es­ta me­di­da de­via ser acres­ci­da à di­rec­ti­va da re­e­di­fi­ca­ção. Sa­be que ter­mi­na­da a guer­ra, as in­fra­es­tru­tu­ras de to­do ogé­ne­ro es­ta­vam des­truí­das e era pre­ci­so re­cons­truir o país. A par­tir de 2010, já­po­día­mos co­me­çar a dar aten­ção par­ti­cu­lar às FAA. O pro­ces­so de­cor­re e as in­fra­es­tru­tu­ras fo­ram re­a­jus­ta­das em obe­di­ên­cia à di­rec­ti­va de re­e­di­fi­ca­ção e es­ta­mos ago­ra­na fa­se de im­ple­men­ta­ção. É um pro­ces­so que le­va anos, por­que tem ele­men­tos co­mo are­es­tru­tu­ra­ção, o re­di­men­si­o­na­men­to, a for­ma­ção de qua­dros, a cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras e a mo­der­ni­za­ção ou re­e­qui­pa­men­to. O pro­ces­so de­cor­re até ao mo­men­to e acre­di­ta­mos que vai pros­se­guir já no âm­bi­to de For­ças Ar­ma­das 2025.

Jor­nal de An­go­la – Ho­je, qual é o ní­vel de cum­pri­men­to des­te pro­ces­so de­re­e­di­fi­ca­ção? Ge­ral­do Sachipengo Nunda –

Co­mo dis­se atrás, a re­e­di­fi­ca­ção le­va tem­po. Aní­vel da For­ça Aé­rea Na­ci­o­nal, pa­ra for­mar um pi­lo­to de he­li­cóp­te­ros são pre­ci­sos seis anos, enós ti­ve­mos de en­vi­ar es­ses qua­dros pa­ra se­rem for­ma­dos na Rús­sia on­de com­ple­ta­ra­ma for­ma­ção há dois anos. Quan­to ao re­e­qui­pa­men­to, pra­ti­ca­men­te es­tão no país to­dos oshe­li­cóp­te­ros que ad­qui­ri­mos, e tam­bém es­tá em cur­so a tra­mi­ta­ção da che­ga­da dos­pri­mei­ros aviões. Em re­la­ção à Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na, o pro­ces­so é mais lon­go.Pa­ra cons­truir um na­vio são ne­ces­sá­ri­os cer­ca de qua­tro anos, de­pen­den­do da com­ple­xi­da­de dos­mei­os, mas no de­cor­rer do pro­ces­so de cons­tru­ção a for­ma­ção é pa­ga, uma vez que os fu­tu­ros ele­men­tos da tri­pu­la­ção de­vem es­tar pre­sen­tes na úl­ti­ma eta­pa de cons­tru­ção dos mei­os. Em­bo­ra se­ja nu­me­ro­so, o Exército é mais li­gei­ro na sua cri­a­ção e tem re­ce­bi­do­os mei­os ne­ces­sá­ri­os de mo­do a co­lo­car as For­ças Ar­ma­das na di­men­são que o Co­man­dan­te-em-Che­fe es­ta­be­le­ceu e tam­bém em fun­ção das ame­a­ças e os ris­cos­po­ten­ci­ais a se­gu­ran­ça do país.

Jor­nal de An­go­la – Co­mo é que o país es­tá do pon­to de vis­ta da vi­gi­lân­cia aé­rea e ma­rí­ti­ma? Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– Po­de­mos afir­mar que é um pro­ces­so que re­quer for­ma­ção. E nós te­mos qua­dros em for­ma­ção. Pa­ra ter uma ideia, es­ta­mos com cer­ca de1700 es­tu­dan­tes no ex­te­ri­or, e mais de me­ta­de des­te nú­me­ro es­tá na Rús­sia. Ou­tra par­te re­le­van­te es­tá em Cu­ba e em pra­ti­ca­men­te to­dos os paí­ses que têm re­la­ções com An­go­la. Es­ta­mos a re­a­li­zar es­te pro­ces­so. Con­tu­do, a vi­gi­lân­cia tem si­do fei­ta, mas a in­ter­ven­ção pa­ra que a vi­gi­lân­cia e a se­gu­ran­ça se­ja ma­te­ri­a­li­za­da pre­ci­sa de ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção e is­so es­tá a ser cri­a­do. Os mei­os são fun­da­men­tal­men­te os ra­da­res e acre­di­ta­mos que na de­vi­da al­tu­ra te­mos o sis­te­ma com­ple­to.

Jor­nal de An­go­la – Com o fim da guer­ra, nem to­dos mi­li­ta­res pu­de­ram in­te­grar as FAA. O que é fei­to dos ho­mens que não fo­ram in­te­gra­dos?

Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– Es­te é um pro­ble­ma sé­rio na cri­a­ção das FAA. No âm­bi­to da re­e­di­fi­ca­ção, em 2012, es­ta­be­le­ce­mos o pro­ces­so de re­ju­ve­nes­ci­men­to do efec­ti­vo, por­que o mi­li­tar tem pe­río­do ade­qua­do. De acor­do com a Lei do Ser­vi­ço Mi­li­tar Obri­ga­tó­rio exis­tem pe­río­dos ade­qua­dos. Mas, por im­pe­ra­ti­vo da si­tu­a­ção ge­ral ti­ve­mos de man­ter mui­to pes­so­al fo­ra do pe­río­do es­ti­pu­la­do. Por aqui­lo que es­ses mi­li­ta­res têm co­mo en­car­gos os sa­lá­ri­os não con­se­guem su­prir. Acha­mos que é ne­ces­sá­rio re­di­men­si­o­nar, pa­ra que as uni­da­des prin­ci­pais das FAA te­nham efec­ti­vos ade­qua­dos. O Exe­cu­ti­vo pos­suí os da­dos dos es­tu­dos que re­a­li­zá­mos, de mo­do qu aque­les que ser­vi­ram as For­ças Ar­ma­das pos­sam se­rem re­en­qua­dra­dos em áre­as on­de pos­sam ga­nhar a vi­da. Exis­tem pro­gra­mas do Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al ou do sis­te­ma mul­tis­sec­to­ri­al pa­ra a rein­ser­ção dos mi­li­ta­res a des­mo­bi­li­zar.

Jor­nal de An­go­la – Em tem­pos fa­lou-se que al­guns des­ses mi­li­ta­res ha­vi­am de ser en­qua­dra­dos na Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Es­ta pas­sa­gem tem fun­ci­o­na­do?

Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– Tem fun­ci­o­na­do. Em pe­río­dos an­te­ri­o­res en­tre­gá­mos à Po­lí­cia Na­ci­o­nal mais de qua­tro mil mi­li­ta­res des­mo­bi­li­za­dos. Ago­ra es­ta­mos a re­a­li­zar um se­gun­do pro­ces­so, pa­ra a en­tre­ga de um nú­me­ro de­ter­mi­na­do. Os cri­té­ri­os que a Po­lí­cia Na­ci­o­nal nos im­põe são mui­to for­tes, mas es­ta pas­sa­gem tem si­do fei­ta e pen­sa­mos que o ci­clo ac­tu­al vai pre­ci­sar de con­ti­nu­a­men­te pas­sar o pes­so­al das FAA pa­ra a Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

Jor­nal de An­go­la – Re­cen­te­men­te, afir­mou que de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra a Cai­xa de Se­gu­ran­ça So­ci­al pas­sa­va a pri­o­ri­zar os ex-mi­li­ta­res com mais de 60 anos, no pa­ga­men­to de pen­sões. Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– A Cai­xa de Se­gu­ran­ça So­ci­al é da res­pon­sa­bi­li­da­de do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa Na­ci­o­nal, e as FAA ape­nas en­tre­gam as or­dens que são apro­va­da ou pe­lo Co­man­dan­te-em-Che­fe, tra­tan­do-se de ge­ne­rais e al­mi­ran­tes ou pe­lo che­fe do Es­ta­do-Mai­or em re­la­ção aos ou­tros mi­li­ta­res do qua­dro per­ma­nen­te. Quan­do con­ver­sá­mos com a di­rec­ção da ins­ti­tui­ção fo­mos in­for­ma­dos d que ha­via de pri­o­ri­za­ra­que­les que ti­nham 70 anos, e é nor­mal que as­sim se­ja. Co­mo es­tá com­ple­ta­do o pro­ces­so da­que­les que têm 70 anos, se­guem-se os de 60 anos. Aqui, ini­cia-se a par­tir dos que têm 69 anos, e as­sim su­ces­si­va­men­te por or­dem de­cres­cen­te. De­pois de com­ple­ta­do es­te pro­ces­so, pas­sa-se pa­ra os res­tan­tes ele­men­tos. Por Lei têm di­rei­to a pen­são to­dos aque­les que têm 60 anos ou que te­nham de­sem­pe­nha­do fun­ções no Es­ta­do du­ran­te 35 anos.

Jor­nal de An­go­la – Ten­do em con­ta a cri­se po­lí­ti­co-mi­li­tar na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), co­mo é que a che­fia das FAA tem es­ta­do a acom­pa­nhar a si­tu­a­ção?

Ge­ral­do Sachipengo Nunda

– Acom­pa­nha­mos com aten­ção a si­tu­a­ção na RDC. Te­mos mais de dois mil qui­ló­me­tros de fron­tei­ra co­mum. Por­tan­to, qual­quer ti­po de es­ta­bi­li­da­de no ou­tro la­do da fron­tei­ra tem re­fle­xos na se­gu­ran­ça do nos­so país. Não que se­ja uma ame­a­ça, mas é um ris­co sem­pre pre­sen­te. Se a si­tu­a­ção na­que­le país for de ins­ta­bi­li­da­de vai obri­gar mui­ta po­pu­la­ção a fu­gir e nós te­mos de es­tar pre­pa­ra­dos prin­ci­pal­men­te pa­ra po­der­mos con­tro­lar o mo­vi­men­to de pes­so­as que po­dem fu­gir pa­ra An­go­la. É um tra­ba­lho con­jun­to, en­vol­ven­do os ór­gãos do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e as or­ga­ni­za­ções que aco­lhem os re­fu­gi­a­dos ou de­sa­lo­ja­dos, mas não sa­be­mos o que po­de acon­te­cer ama­nhã, e por is­so te­mos que es­tar pre­pa­ra­dos.

EDU­AR­DO PE­DRO

Re­e­di­fi­ca­ção das FAA se­gue com ri­gor a di­rec­ti­va do Co­man­dan­te-em-Che­fe em fun­ção dos ris­cos po­ten­ci­ais à se­gu­ran­ça do país

EDU­AR­DO PE­DRO

Nes­tes 25 anos as For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas têm uma ca­pa­ci­da­de de for­ma­ção de no­vos mi­li­ta­res num ci­clo nor­mal de cer­ca de seis mil ho­mens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.