O re­gis­to elei­to­ral

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTOR CAR­VA­LHO|

Apo­pu­la­ção an­go­la­na, em pou­co mais de um mês, su­bli­nhou o seu sen­ti­do de ci­da­da­nia acor­ren­do em nú­me­ro mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo aos pos­tos on­de de­cor­re o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção de da­dos do re­gis­to elei­to­ral.

Na­da que não se es­pe­ras­se, tal a de­ter­mi­na­ção da po­pu­la­ção em ter uma pa­la­vra ac­ti­va nos as­sun­tos de ver­da­dei­ro in­te­res­se na­ci­o­nal, mas que im­por­ta des­ta­car até pa­ra des­mis­ti­fi­car al­guns dos ar­gu­men­tos usa­dos por aque­les que tei­mam em ver nu­bla­do aqui­lo que é ab­so­lu­ta­men­te ní­ti­do: o pro­ces­so elei­to­ral de­cor­re de mo­do per­fei­ta­men­te nor­mal, tan­to na for­ma co­mo no con­teú­do.

Ao fim de pou­co mais de um mês de­pois do iní­cio des­te pro­ces­so, mais de dois mi­lhões de pes­so­as apre­sen­ta­ram-se já pe­ran­te as bri­ga­das dis­se­mi­na­das por to­do o país e ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos es­tan­do atem­pa­da­men­te, por­tan­to, já ha­bi­li­ta­das a exer­cer em 2017 o seu di­rei­to de vo­to.

Tra­ta-se de um nú­me­ro ex­pres­si­vo e que, nu­ma pri­mei­ra aná­li­se, dei­xa já per­ce­ber o su­ces­so de to­do o apa­ra­to or­ga­ni­za­ti­vo bri­lhan­te­men­te li­de­ra­do nes­ta fa­se pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio.

Um dos as­pec­tos que mais tem cha­ma­do a aten­ção é a ex­tre­ma ju­ven­tu­de dos bri­ga­dis­tas cha­ma­dos a par­ti­ci­par nes­te pro­ces­so e que, des­te mo­do, têm tam­bém a opor­tu­ni­da­de de su­bli­nhar o seu cla­ro exem­plo de afir­ma­ção de ci­da­da­nia.

Aliás, a ju­ven­tu­de an­go­la­na tem si­do ver­da­dei­ra­men­te exem­plar no mo­do co­mo par­ti­ci­pa nos as­sun­tos cor­ren­tes do país, não se pou­pan­do a es­for­ços pa­ra dei­xar a sua in­de­lé­vel mar­ca, in­di­fe­ren­te aos obs­tá­cu­los que a ac­tu­al si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca do país por ve­zes ain­da le­van­ta.

A tran­qui­li­da­de com que de­cor­rem os tra­ba­lhos de ac­tu­a­li­za­ção dos da­dos do re­gis­to elei­to­ral, de que o Jor­nal de An­go­la tem fei­to di­a­ri­a­men­te eco, co­me­ça a ca­lar al­gu­mas vo­zes que se fa­zi­am ou­vir, sem sus­ten­ta­ção prá­ti­ca, pa­ra de­ne­grir o pro­ces­so e lan­çar no ar a dú­vi­da so­bre os mé­to­dos usa­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio.

Es­sas vo­zes, que co­me­ça­ram por lan­çar a dú­vi­da so­bre a re­a­li­za­ção de elei­ções em 2017, fo­ram, en­tre ou­tas, dos de­pu­ta­dos que vol­ta­ram as cos­tas ao par­la­men­to e à de­mo­cra­cia quan­do es­te vo­ta­va uma pro­pos­ta que ele eles pró­pri­os apre­sen­ta­ram e são, tam­bém, as vo­zes da­que­les que tu­do con­ti­nu­a­rão a fa­zer pa­ra des­cre­di­bi­li­zar to­do o pro­ces­so. E, so­bre­tu­do, se­rão as vo­zes que se vol­ta­rão a ou­vir de­pois da re­a­li­za­ção das elei­ções, ca­so a von­ta­de do po­vo se ex­pres­se de mo­do con­trá­rio aqui­lo que são os seus de­se­jos.

Po­rém, os dois mi­lhões de pes­so­as que até ago­ra ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra que pos­sa­mos es­tar já a fa­lar em su­ces­sos ir­re­ver­sí­veis ha­ven­do, por is­so, a ne­ces­si­da­de pre­men­te de se con­ti­nu­ar com to­do o tra­ba­lho que vem sen­do fei­to, so­bre­tu­do nas zo­nas do in­te­ri­or.

Bem se sa­be que es­ta fa­se da cam­pa­nha só ter­mi­na a 20 de De­zem­bro, mas se­ria bom que as pes­so­as não guar­das­sem pa­ra ama­nhã o que po­dem fa­zer ho­je.

O mo­men­to que o país atra­ves­sa es­tá pre­nhe de de­sa­fi­os, qu­ais de­les o mais ur­gen­te e di­fí­cil de ven­cer. Mas, a ver­da­de é que a gran­de con­cen­tra­ção dos es­for­ços e dos re­cur­sos na­ci­o­nais de­ve ser fei­ta na pre­pa­ra­ção das elei­ções de 2017.

Es­ta cons­ci­ên­cia, fe­liz­men­te, pa­re­ce es­tar bem pre­sen­te em quem tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de de­ci­são po­lí­ti­ca, o que re­pre­sen­ta uma im­por­tan­te mais-va­lia no cré­di­to que se lhe tem sem­pre que dar por tu­do o que tem fei­to pa­ra que An­go­la ul­tra­pas­se com su­ces­so as di­ver­sas eta­pas da afir­ma­ção da sua de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.