O sec­tor pri­va­do afri­ca­no e o rep­to de Oba­ma

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FAUSTINO HEN­RI­QUE |

A ci­mei­ra de ne­gó­ci­os en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e Áfri­ca, que te­ve lu­gar a 21 de Se­tem­bro, na ci­da­de de No­va Ior­que, em que es­ti­ve­ram pre­sen­tes re­pre­sen­tan­tes de 44 paí­ses afri­ca­nos, con­tri­buiu pa­ra que a Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma en­tre pa­ra a His­tó­ria co­mo o Exe­cu­ti­vo ame­ri­ca­no que mais se em­pe­nhou até ago­ra no es­trei­ta­men­to dos la­ços eco­nó­mi­cos e co­mer­ci­ais. Des­de as in­de­pen­dên­ci­as, nos anos 60 do sé­cu­lo XX, nun­ca um Pre­si­den­te ame­ri­ca­no se ti­nha pro­pos­to pes­so­al­men­te “apa­dri­nhar” o ca­sa­men­to en­tre o sec­tor pri­va­do ame­ri­ca­no e afri­ca­no.

O Se­gun­do Fó­rum de Ne­gó­ci­os Es­ta­dos Uni­dos-Áfri­ca foi um su­ces­so por­que con­se­guiu mo­bi­li­zar 9,1 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra di­na­mi­zar o co­mér­cio e in­ves­ti­men­to, pa­ra apoi­ar o sec­tor pri­va­do afri­ca­no e de­fi­nir as ba­ses pa­ra uma mai­or co­o­pe­ra­ção en­tre as eco­no­mi­as dos Es­ta­dos Uni­dos e as do con­ti­nen­te afri­ca­no. Na Ci­mei­ra, o Pre­si­den­te Oba­ma as­su­miu o com­pro­mis­so de es­ta­be­le­cer uma pon­te en­tre o sec­tor pri­va­do ame­ri­ca­no e os sec­to­res pri­va­dos dos paí­ses afri­ca­nos. Na Ci­mei­ra em que An­go­la es­te­ve pre­sen­te com uma im­por­tan­te de­le­ga­ção li­de­ra­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te, Ma­nu­el Vi­cen­te, par­ti­ci­pa­ram em­pre­sas e em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de es­trei­tar la­ços e pers­pec­ti­var um no­vo ci­clo.

O in­te­res­se da Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma em fa­zer a pon­te cons­ti­tui um rep­to in­te­res­san­te pa­ra que os afri­ca­nos em ge­ral con­si­gam ava­li­ar po­ten­ci­a­li­da­des e par­ce­ri­as ba­se­a­das no WinWin. A re­ci­pro­ci­da­de de van­ta­gens de­ve ser co­ro­lá­rio de to­das as li­ga­ções que am­bas as par­tes, o sec­tor pri­va­do ame­ri­ca­no e afri­ca­no, de­ve­rão es­ta­be­le­cer ou, nos ca­sos já exis­ten­tes, con­so­li­dar os la­ços.

“O pro­gres­so de Áfri­ca de­pen­de­rá do au­men­to do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co não ape­nas en­vol­ven­do os paí­ses do to­po, mas to­dos os ou­tros por­que um dos ele­men­tos es­sen­ci­ais da dig­ni­da­de hu­ma­na é ser ca­paz de ter uma vi­da de­cen­te. E es­ta pas­sa tam­bém por ter um em­pre­go, fac­to que re­quer co­mér­cio e in­ves­ti­men­to”, dis­se o Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos du­ran­te a sua es­ta­dia na Etió­pia.

Há um re­co­nhe­ci­men­to no­tá­vel não ape­nas das en­ti­da­des ame­ri­ca­nas, se­gun­do as qu­ais as ac­ções go­ver­na­men­tais ape­nas não bas­tam pa­ra a cri­a­ção do cli­ma de ne­gó­ci­os, mas for­ta­le­cer es­sen­ci­al­men­te o sec­tor pri­va­do. Os ho­mens, mu­lhe­res de ne­gó­ci­os e em­pre­sas afri­ca­nos re­co­nhe­cem igual­men­te que as por­tas de­vem es­tar aber­tas pa­ra que o sec­tor pri­va­do in­vis­ta, es­ta­be­le­ça par­ce­ri­as, den­tro e fo­ra do con­ti­nen­te, ao la­do das ini­ci­a­ti­vas go­ver­na­men­tais. Es­tas úl­ti­mas de­vem in­ci­dir fun­da­men­tal­men­te na cri­a­ção de con­di­ções le­gais e ins­ti­tu­ci­o­nais, pro­mo­ven­do bo­as prá­ti­cas e des­bu­ro­cra­ti­zar o am­bi­en­te por via do qual se po­de cri­ar ne­gó­ci­os.

Os paí­ses afri­ca­nos de­vem es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra es­te rep­to lan­ça­do pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma, nu­ma al­tu­ra em que os tó­pi­cos que pa­re­cem me­re­cer mais aten­ção são o aces­so à In­ter­net, di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, in­ves­ti­men­tos e trans­pa­rên­cia nos da­dos de ne­gó­ci­os e fi­nan­ças.

Não es­tá em cau­sa a com­pe­ti­ção en­tre ame­ri­ca­nos e afri­ca­nos, mas o es­ta­be­le­ci­men­to de par­ce­ri­as, ca­da par­te ofe­re­cen­do e re­ce­ben­do em fun­ção das su­as ne­ces­si­da­des e exi­gên­ci­as, ten­do sem­pre co­mo ba­se as van­ta­gens mú­tu­as.

Es­te é o tem­po pa­ra as de­vi­das ava­li­a­ções das po­ten­ci­a­li­da­des exis­ten­tes no con­ti­nen­te e as pos­si­bi­li­da­des pa­ra as par­ce­ri­as com os ho­mó­lo­gos ame­ri­ca­nos se­rem fei­tas, além da con­so­li­da­ção por par­te de pro­jec­tos e ca­sos de su­ces­so en­tre ame­ri­ca­nos e afri­ca­nos que des­fi­la­ram em No­va Ior­que, du­ran­te a Ci­mei­ra.

Es­pe­ra-se que no pró­xi­mo fó­rum, mui­tas das de­le­ga­ções afri­ca­nas, in­cluin­do as an­go­la­nas, apre­sen­tem ca­sos de su­ces­so no âm­bi­to das par­ce­ri­as que se es­tão a es­ta­be­le­cer pro­mo­vi­das pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma. Em­bo­ra es­te­ja no fim do seu man­da­to, na­da in­di­ca que ve­nha a exis­tir um re­tro­ces­so na me­di­da em que de ad­mi­nis­tra­ção em ad­mi­nis­tra­ção, os ame­ri­ca­nos se mos­tram in­te­res­sa­dos em Áfri­ca. Ape­nas pa­ra lem­brar, a Ad­mi­nis­tra­ção do Pre­si­den­te Ge­or­ge W. Bush até en­tão foi dos exe­cu­ti­vos que mais in­ves­ti­ram na lu­ta con­tra a ma­lá­ria em Áfri­ca. Ba­rack Oba­ma, com for­tes li­ga­ções com o con­ti­nen­te, lem­brou que, ci­tan­do as su­as pa­la­vras, “on­de qu­er que eu vá, do Se­ne­gal à Áfri­ca do Sul, os afri­ca­nos in­sis­tem que não que­rem só aju­da, eles que­rem co­mér­cio. Eles que­rem par­cei­ros, não pa­trões. Eles que­rem fa­zer ne­gó­ci­os e as em­pre­sas, agre­gar va­lor, tor­na­rem-se com­pe­ti­ti­vas pa­ra aju­dar a cons­truir um gran­de fu­tu­ro pa­ra o con­ti­nen­te. E os Es­ta­dos Uni­dos es­tão de­ter­mi­na­dos a ser o par­cei­ro, a lon­go pra­zo, pa­ra aju­dar a ace­le­rar a pró­xi­ma era de cres­ci­men­to afri­ca­no pa­ra to­dos os afri­ca­nos”. A per­gun­ta que não se ca­la ago­ra e pro­va­vel­men­te con­ti­nu­a­rá é a se­guin­te: es­ta­rão o sec­tor pri­va­do afri­ca­no, as em­pre­sas e em­pre­sá­ri­os, de­vi­da­men­te pre­pa­ra­dos pa­ra abra­çar o rep­to de Oba­ma?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.