Go­ver­na­dor do Zaire ga­ran­te so­lu­ção em bre­ve

Jo­a­nes An­dré deu a co­nhe­cer di­ver­sos pla­nos de de­sen­vol­vi­men­to em pa­les­tras no Soyo

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JAQUELINO FIGUEIREDO

O Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Zaire vai en­vi­dar es­for­ços pa­ra que a ques­tão da fal­ta de la­bo­ra­tó­ri­os pa­ra os cur­sos de Or­ga­ni­za­ção e Ma­nu­ten­ção In­dus­tri­al e de En­ge­nha­ria In­for­má­ti­ca, mi­nis­tra­dos na Es­co­la Su­pe­ri­or no Soyo, se­ja re­sol­vi­da bre­ve­men­te. A ga­ran­tia foi da­da sex­ta-fei­ra, no mu­ni­cí­pio do Soyo, pe­lo go­ver­na­dor lo­cal.

Jo­a­nes An­dré as­se­gu­rou que a for­ma­ção de qua­dros su­pe­ri­o­res é uma das prin­ci­pais apos­tas das au­to­ri­da­des pro­vin­ci­ais, daí a pre­o­cu­pa­ção pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções que vi­a­bi­li­zem uma ins­tru­ção de qua­li­da­de pa­ra os jo­vens. Nes­te sen­ti­do, o go­ver­na­dor do Zaire pro­me­te en­vi­dar con­tac­tos pa­ra que se ins­ta­lem o mais rá­pi­do pos­sí­vel os re­fe­ri­dos la­bo­ra­tó­ri­os, com vis­ta a pro­pi­ci­ar uma me­lhor for­ma­ção dos qua­dros que vão as­se­gu­rar o de­sen­vol­vi­men­to da pro­vín­cia e do país.

Jo­a­nes An­dré ape­lou aos jo­vens pa­ra se em­pe­nha­rem mais na for­ma­ção e acei­ta­rem, de­pois des­ta, a sua in­ser­ção em qual­quer par­te da re­gião, pa­ra con­tri­buí­rem pa­ra o pro­gres­so não só da ca­pi­tal da pro­vín­cia, mas de to­dos os mu­ni­cí­pi­os, co­mu­nas, bair­ros e al­dei­as do Zaire.

O go­ver­na­dor abor­dou o as­sun­to em du­as pa­les­tras, su­bor­di­na­das ao te­ma “O de­sen­vol­vi­men­to do Zaire é uma cer­te­za”, sen­do uma com a co­mu­ni­da­de uni­ver­si­tá­ria, em que par­ti­ci­pa­ram igual­men­te au­to­ri­da­des ecle­siás­ti­cas e tra­di­ci­o­nais, e ou­tra na Ba­se Cos­tei­ra da Re­gião Na­val Nor­te da Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na, com as for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça.

Nas pa­les­tras, o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Zaire deu a co­nhe­cer os es­for­ços em­pre­en­di­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra a re­so­lu­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas da po­pu­la­ção da re­gião, ten­do apon­ta­do os prin­ci­pais pro­jec­tos de im­pac­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co em cur­so e já ma­te­ri­a­li­za­dos.

No que to­ca ao sec­tor da Edu­ca­ção, o go­ver­nan­te avan­çou que fo­ram cons­truí­das di­ver­sas es­co­las, do en­si­no pri­má­rio ao su­pe­ri­or, o que aju­dou a di­mi­nuir em gran­de es­ca­la o nú­me­ro de cri­an­ças e jo­vens fo­ra dos sis­te­mas de ins­tru­ção.

So­bre as pre­o­cu­pa­ções pe­la ca­rên­cia, Jo­a­nes An­dré dis­se aos jo­vens que as au­to­ri­da­des cen­trais le­va­ram a ca­bo um pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal, que vi­sou a edi­fi­ca­ção de 200 ca­sas em to­dos os mu­ni­cí­pi­os do Zaire, sen­do que o Soyo foi con­tem­pla­do com o do­bro des­te nú­me­ro, cu­ja inau­gu­ra­ção es­tá pa­ra bre­ve.

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al con­si­de­rou a agri­cul­tu­ra co­mo uma das mai­o­res apos­tas pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia lo­cal, ten­do em con­ta que o Zaire dis­põe de ter­ras ará­veis e cer­ca de 30 ri­os po­ten­tes.

Por is­so, ape­lou aos em­pre­sá­ri­os e aos jo­vens em­pre­en­de­do­res pa­ra apos­ta­rem nes­te sec­tor. “O pri­va­do tem de in­ves­tir na agri­cul­tu­ra. O mu­ni­cí­pio do Tom­bo­co, por exem­plo, tem as mai­o­res fa­zen­das da pro­vín­cia, o que sig­ni­fi­ca que tem uma gran­de mão-de-obra”, re­fe­riu.

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al re­ve­lou que o mu­ni­cí­pio do Nze­to es­tá a pro­du­zir mui­ta fu­ba fei­ta à ba­se de man­di­o­ca, pro­du­to que es­tá a ser le­va­do pa­ra ou­tras pa­ra­gens, da­da a sua qua­li­da­de, daí a ne­ces­si­da­de de os pro­du­to­res au­men­ta­rem as quan­ti­da­des.

A pro­vín­cia do Zaire, co­mo ex­pli­cou, tem igual­men­te po­ten­ci­a­li­da­des no mar, mas a sua ex­plo­ra­ção re­quer a com­par­ti­ci­pa­ção do sec­tor pri­va­do qu­er na­ci­o­nal, qu­er es­tran­gei­ro, des­de que os mes­mos tra­ba­lhem den­tro das nor­mas es­ta­be­le­ci­das le­gal­men­te pe­lo Exe­cu­ti­vo.

“Não te­mos na­da pa­ra re­cla­mar do nos­so pes­ca­do, uma vez que exis­te aqui to­da a es­pé­cie, tan­to no mar co­mo no rio Zaire, con­si­de­ra­do o se­gun­do mai­or do con­ti­nen­te, em ter­mos de cau­dal”, ga­bou-se o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al.

Obras de vul­to

Jo­a­nes An­dré avan­çou que o Exe­cu­ti­vo es­tá em­pe­nha­do na exe­cu­ção de mui­tos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes, com des­ta­que pa­ra a cons­tru­ção da cen­tral ener­gé­ti­ca do Ci­clo Com­bi­na­do, do tro­ço ro­do­viá­rio Nze­toSoyo, com cer­ca de 150 qui­ló­me­tros de ex­ten­são, bem co­mo da pla­ta­for­ma lo­gís­ti­ca e do por­to se­co.

Além des­tas obras, que con­si­de­rou de gran­de vul­to, o go­ver­na­dor des­ta­cou as de me­lho­ria das vi­as ur­ba­nas em to­das as se­des mu­ni­ci­pais, a cons­tru­ção de con­do­mí­ni­os ha­bi­ta­ci­o­nais e de um hos­pi­tal de re­fe­rên­cia, em Mban­za Con­go, com ca­pa­ci­da­de pa­ra mais de 300 ca­mas.

Ape­sar dos pro­gres­sos al­can­ça­dos, nos úl­ti­mos anos, Jo­a­nes An­dré acei­tou as crí­ti­cas dos pre­sen­tes na pa­les­tra, prin­ci­pal­men­te da ne­ces­si­da­de de fa­zer-se ain­da mais. “Te­mos ain­da um tra­ba­lho in­ten­so pe­la fren­te, mas não po­de­mos ta­par os olhos pa­ra dei­xar de ver as gran­des re­a­li­za­ções que con­se­gui­mos”, dis­se.

MO­TA AMBRÓSIO

Au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais ga­ran­tem es­for­ços pa­ra a pro­ble­má­ti­ca da fal­ta de la­bo­ra­tó­ri­os nas es­co­las do en­si­no su­pe­ri­or ser so­lu­ci­o­na­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.