A en­cru­zi­lha­da dos in­cen­ti­vos aos atle­tas

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIVALDO EDU­AR­DO |

Du­ran­te os qua­ren­ta anos de In­de­pen­dên­cia de An­go­la, o in­cen­ti­vo fi­nan­cei­ro aos des­por­tis­tas as­su­miu con­tor­nos va­ri­a­dos. Des­de o sim­bo­lis­mo de sim­ples lem­bran­ças atri­buí­das aos que ven­ces­sem com­pe­ti­ções con­ti­nen­tais ou mun­di­ais, nos pri­mei­ros anos do pe­río­do pós-in­de­pen­dên­cia, aos pré­mi­os mais subs­tan­ci­ais do pas­sa­do re­cen­te, foi sem­pre no­tó­ria a in­ten­ção do Es­ta­do de re­com­pen­sar aque­les que, por via do des­por­to, va­lo­ri­zam o no­me do país.

É in­ques­ti­o­ná­vel que os atle­tas me­re­cem ser pre­mi­a­dos. Se­ja pe­la no­to­ri­e­da­de que tra­zem à Na­ção, pe­lo re­a­vi­var do or­gu­lho na­ci­o­nal, ou ain­da por per­fi­lha­rem im­por­tan­tes mo­de­los de re­fe­rên­cia pa­ra os vin­dou­ros, pa­gar pré­mi­os às es­tre­las nun­ca se­ria des­per­dí­cio de di­nhei­ro. È, an­tes de mais, um ac­to de ca­ri­nho da Pá­tria, pa­ra aque­les que a ser­vem com ze­lo.

A con­tra­par­ti­da pe­los fei­tos dos des­por­tis­tas não é men­su­rá­vel. O efei­to po­si­ti­vo do seu exem­plo afas­ta os jo­vens da de­linquên­cia e ou­tras más prá­ti­cas, in­cen­ti­van­do-os a tor­na­rem-se pes­so­as de bem, por se re­ve­rem nos seus ído­los e acre­di­ta­rem que tam­bém há opor­tu­ni­da­des pa­ra eles. No en­tan­to, é es­sen­ci­al re­co­nhe­cer que os be­ne­fí­ci­os do es­tí­mu­lo fi­nan­cei­ro não são per­ma­nen­tes. A mo­ti­va­ção re­sul­tan­te de uma boa pre­mi­a­ção, não fi­ca ape­nas di­rec­ci­o­na­da à mai­or en­tre­ga ao tra­ba­lho. Traz con­si­go, in­va­ri­a­vel­men­te, a von­ta­de de ga­nhar pré­mi­os ca­da vez mais al­tos. Che­ga­dos a es­te ce­ná­rio de ob­ten­ção da sa­tis­fa­ção des­por­ti­va do país, por via do gran­de en­ga­ja­men­to de des­por­tis­tas pro­fis­si­o­nais, ques­tões im­por­tan­tes se le­van­tam. Ape­sar da es­cas­sez de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, não dei­xa­mos de tra­çar ob­jec­ti­vos de per­for­man­ce am­bi­ci­o­sos e, por es­se mo­ti­vo, o de­sa­fio con­sis­te em fa­zer me­lhor ou igual, com di­nhei­ro.

De um la­do, os atle­tas têm a obri­ga­ção mo­ral de tu­do fa­zer em prol da Pá­tria, in­de­pen­den­te­men­te das con­tra­par­ti­das fi­nan­cei­ras em vis­ta. Tal co­mo os mi­li­ta­res cum­prem o sa­gra­do de­ver de de­fen­der o país, os des­por­tis­tas de­vem, an­tes de mais, sen­tir or­gu­lho em re­pre­sen­tar a Na­ção. Da par­te do es­ta­do, ur­ge dei­xar sem­pre cla­ro em que con­di­ções se vai pro­ces­sar a par­ti­ci­pa­ção nas com­pe­ti­ções e, de for­ma an­te­ci­pa­da, os nú­me­ros da pre­mi­a­ção, em ca­so de vi­tó­ria. A dis­po­ni­bi­li­da­de dos des­por­tis­tas pa­ra as exi­gên­ci­as do Al­to Ren­di­men­to, tor­na-os me­re­ce­do­res des­ta con­si­de­ra­ção.

As ele­va­das car­gas de trei­no, vi­a­gens, con­cen­tra­ções e des­gas­te emo­ci­o­nal le­vam os atle­tas a sa­cri­fi­ca­rem a har­mo­nia fa­mi­li­ar, a as­cen­são pro­fis­si­o­nal (nou­tras áre­as) e a pró­pria saú­de. Por es­se mo­ti­vo, eles de­vem sa­ber, de an­te­mão, o que irão ga­nhar e, a par­tir daí, ge­ri­rem os seus in­te­res­ses pes­so­ais. A con­tro­vér­sia ge­ra­da en­tre o Co­mi­té Olím­pi­co An­go­la­no e as jo­ga­do­ras da Se­lec­ção Na­ci­o­nal de An­de­bol, du­ran­te os Jo­gos do Rio 2016, dei­xou cla­ro que exis­ti­ram fa­lhas na co­mu­ni­ca­ção re­fe­ren­te aos as­pec­tos fi­nan­cei­ros, em al­gum dos elos da ca­deia. Com to­do o cui­da­do que a par­ti­ci­pa­ção no mai­or even­to des­por­ti­vo do Mun­do me­re­ce, a cri­se não ser­ve de des­cul­pa pa­ra, em ple­na pro­va, se le­van­ta­rem pro­ble­mas fi­nan­cei­ros. A ex­pe­ri­ên­cia de­ve ser­vir de re­fe­rên­cia pa­ra as com­pe­ti­ções em agen­da, nos pró­xi­mos me­ses, pois, se­gu­ra­men­te, as di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras con­ti­nu­am.

JO­SÉ SO­A­RES

Cam­peões Afri­ca­nos Sub-18 ain­da con­ti­nu­am à es­pe­ra de re­ce­ber os va­lo­res cor­res­pon­den­tes à con­quis­ta da com­pe­ti­ção con­ti­nen­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.