Ór­gãos so­ci­ais fo­ram em­pos­sa­dos

Jornal de Angola - - DESPORTO - TE­RE­SA LUÍS |

Cum­prir com de­di­ca­ção e ele­va­do ní­vel de pro­fis­si­o­na­lis­mo, res­pei­tan­do os es­ta­tu­tos e o com­pro­mis­so fir­ma­do, fo­ram os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos por To­más Fa­ria, pre­si­den­te de di­rec­ção do Pe­tro de Lu­an­da, du­ran­te a to­ma­da de pos­se dos ór­gãos so­ci­ais, ce­ri­mó­nia re­a­li­za­da na sex­ta-fei­ra na se­de da So­nan­gol, em­pre­sa pa­tro­ci­na­do­ra da agre­mi­a­ção.

Du­ran­te o ac­to, o pre­si­den­te re­e­lei­to so­li­ci­tou à di­rec­ção da em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra e aos só­ci­os a con­ti­nui­da­de das con­tri­bui­ções fi­nan­cei­ras. Em con­tra­par­ti­da, o clu­be pre­ten­de con­ti­nu­ar au­men­tar as re­cei­tas ex­tra-So­nan­gol.

“Com­pro­me­to-me a tor­nar pos­sí­vel os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos. Em al­ta com­pe­ti­ção as equi­pas que ga­nham com re­gu­la­ri­da­de, são aque­las ca­pa­zes de pa­gar sa­lá­ri­os al­tos. Em re­la­ção aos adep­tos, pe­ço que re­for­cem o apoio nos re­cin­tos de jo­gos e mo­bi­li­zem mais apoi­an­tes pa­ra em­pur­rar a equi­pa pa­ra a vi­tó­ria. Nin­guém con­quis­ta na­da so­zi­nho. De­ve­mos trans­for­mar a nos­sa re­la­ção num ca­sa­men­to eter­no”, dis­se.

O di­ri­gen­te da agre­mi­a­ção tri­co­lor re­al­çou ain­da que o apoio de­ve ser fei­to com dis­ci­pli­na, pa­ra evi­tar que o clu­be se­ja pe­na­li­za­do. Aos co­le­gas de di­rec­ção e tra­ba­lha­do­res, To­más Fa­ria so­li­ci­tou o re­do­brar na co­la­bo­ra­ção, com des­ta­que pa­ra as mo­da­li­da­de de­fi­ni­das co­mo nu­cle­a­res. “Que­re­mos ter um clu­be ca­da vez mais ven­ce­dor. Com pos­si­bi­li­da­de de ga­nhar cam­pe­o­na­tos. Pa­ra tal, pre­ci­sa­mos tra­ba­lhar com fir­me­za e ge­rar re­cei­tas pa­ra po­der con­tra­tar o me­lhor ta­len­to dis­po­ní­vel”, fri­sou.

To­más Fa­ria su­bli­nhou a gar­ra, de­ter­mi­na­ção, dis­ci­pli­na e per­sis­tên­cia co­mo ele­men­tos im­por­tan­tes pa­ra o clu­be se man­ter na sen­da das vi­tó­ri­as.“O su­ces­so não acon­te­ce por aca­so. O êxi­to não é fru­to da sor­te, pois as opor­tu­ni­da­de são da­das a to­dos. De­pen­de de co­mo ca­da um as apro­vei­ta”. Aos pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção foi re­co­men­da­do o apoio aos atle­tas, com vis­ta a su­pe­ra­ção, e per­mi­tir que o cres­ci­men­to des­por­ti­vo se­ja do mais al­to ní­vel. “Evi­tem pre­ci­pi­tar a ma­tu­ra­ção des­por­ti­va. Os agen­tes de­vem co­o­pe­rar com o clu­be, des­de o ac­to da as­si­na­tu­ra do con­tra­to até o fi­nal, acom­pa­nhan­do o atle­ta”.

To­más Fa­ria apro­vei­tou o mo­men­to pa­ra fe­li­ci­tar a equi­pa sé­ni­or fe­mi­ni­na de an­de­bol pe­la con­quis­ta da Ta­ça de An­go­la. Isa­bel dos San­tos, pre­si­den­te da me­sa da As­sem­bleia-Ge­ral, cha­mou as jo­ga­do­ras de “mu­lhe­res ex­tra­or­di­ná­ri­as”, por tu­do que fa­zem pe­lo clu­be e lan­çou o de­sa­fio de so­ma­rem cem mil só­ci­os du­ran­te o man­da­to.

“É uma hon­ra pa­ra mim es­tar com vo­cês, e ser­mos es­ta gran­de fa­mí­lia. Sei que não é só no an­de­bol que te­mos vi­tó­ri­as. O fac­to de se de­di­ca­rem ao des­por­to mos­tra o vos­so gran­de ca­rác­ter, e ve­jo is­so nas vi­tó­ri­as con­quis­ta­das. São exem­plos pa­ra os ou­tros jo­vens”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.