DO­MIN­GO

Jornal de Angola - - PARTADA -

Ca­lai­an­de Jo­sé Ca­beia é um no­me que não cha­ma aten­ção. So­cor­ro, o can­tor, es­te sim, es­go­ta au­di­ên­ci­as e sus­ci­ta emo­ções com a sua sin­ge­la pre­sen­ça e um re­por­tó­rio mu­si­cal in­ve­já­vel. O ar­tis­ta nas­ceu em Quim­be­le, pro­vín­cia do Uí­ge, em 1976, e co­me­çou a can­tar quan­do cri­an­ça.

“Cres­ci sem­pre a can­tar, por­que a música ali­men­ta o meu es­pí­ri­to, prin­ci­pal­men­te a me­lo­dia e o rit­mo. Os pri­mei­ros ins­tru­men­tos que usei em Quim­be­le fo­ram ba­nhei­ras, paus e de­pois pas­sei pa­ra o kis­san­je. De­pois, apos­tei na gui­tar­ra”, re­ve­la o can­tor, sus­ten­tan­do: “fui au­to­di­dac­ta, mas ti­ve que apren­der al­gu­mas no­tas com ami­gos, o man Lu­cas, o Man Car­va­lho, o Ma­téua e o San­tos.”

O pro­ces­so de apren­di­za­gem de no­tas foi de to­do prá­ti­co. Sob a ori­en­ta­ção dos ami­gos, co­lo­ca­va os de­dos no sí­tio cer­to, em que a gui­tar­ra pro­du­zia o som mais ní­ti­do. “De tan­tos en­sai­os, fui in­te­ri­o­ri­zan­do e co­nhe­cen­do bem o ins­tru­men­to”, in­for­ma, con­fi­den­ci­an­do de se­gui­da: “ho­je, sou o me­lhor en­tre os ami­gos.” Na in­fân­cia, o mú­si­co ali­nhou mui­to em brin­ca­dei­ras com os ami­gos, imi­tan­do co­ros da igre­ja, o que lhe em­pres­tou al­gu­ma mu­si­ca­li­da­de e dic­ção. Con­tu­do, dá a co­nhe­cer “nas­ci ce­go. A mi­nha mãe la­men­ta­va por ter um fi­lho com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al.”

Quim­be­le: os pri­mei­ros pal­cos

Na dé­ca­da de 80, ain­da pe­que­no, an­tes dos dez anos, So­cor­ro des­fi­lou mui­to do seu ta­len­to em pú­bli­co no bair­ro Mai­an­ga, em Quim­be­le, pro­vín­cia do Uí­ge. “As pes­so­as gos­ta­vam de me ou­vir can­tar. Tam­bém ha­via al­guns con­tes­ta­tá­ri­os que não apre­ci­a­vam a mi­nha música”, adi­an­ta, re­cor­dan­do: “já sen­ti al­gu­ma dis­cri­mi­na­ção pe­la de­fi­ci­ên­cia vi­su­al, mas sei que na so­ci­e­da­de nem to­dos são bons e não pres­ta­va aten­ção a is­so”, la­men­ta, com co­ra­gem.

Quan­to ao es­ti­lo mu­si­cal, com o qual sus­ten­ta o seu acer­vo mu­si­cal e faz vi­brar e dan­çar os fãs um pou­co pe­lo país, ga­ran­te com or­gu­lho que “é mui­to pes­so­al. Já dis­se­ram que era o “su­kus­sa”, oriun­do do Con­go De­mo­crá­ti­co. Apa­re­ceu al­guém por cá que cha­ma ao meu es­ti­lo de “be­lis­san­go”, por­que veio pre­ci­sa­men­te do Quim­be­le. So­cor­ro ga­ran­te que tem acom­pa­nhan­tes pa­ra cons­ti­tuir uma ban­da, mas fal­tam-lhe pa­tro­cí­ni­os.

Os con­vi­tes pa­ra par­ti­ci­par de es­pec­tá­cu­los têm si­do ra­ros. “O que eu que­ria era ex­pan­dir os pal­cos. Sou um mú­si­co na­ci­o­nal e pre­ten­do ac­tu­ar em to­do o país. Ul­ti­ma­men­te, res­trin­jo-me às pro­vín­ci­as do Uí­ge e do Zaire, sal­vo ra­ras ex­cep­ções.”

O can­tor con­fi­den­cia que não tem agen­te de mar­ke­ting ou pro­mo­ci­o­nal, pa­ra o co­lo­car em di­fe­ren­tes es­pec­tá­cu­los, o que di­mi­nui a sua pre­sen­ça em al­guns even­tos. “Es­tou ago­ra a cons­ti­tuir um agen­te. Não o ti­nha. De­vi­do às mi­nhas li­mi­ta­ções, pa­ra alar­gar os pas­sos da mi­nha car­rei­ra, de­vo con­tar com a co­la­bo­ra­ção de al­guém sé­rio, res­pon­sá­vel, pa­ra es­ta­be­le­cer­mos cu­nho ju­rí­di­co”, con­si­de­ra o can­tor.

A lín­gua na­ci­o­nal ki­con­go tem si­do a ban­dei­ra do ar­tis­ta, um ba­lu­ar­te que trans­por­ta por on­de ac­tua. “Do­mi­no o ki­con­go e não te­nho pro­ble­mas em can­tar nes­ta lín­gua”, em­bo­ra te­nha mú­si­cas em lín­gua por­tu­gue­sa, ex­pli­ca, elu­ci­dan­do que as le­tras das su­as mú­si­cas trans­mi­tem o dia-a-dia das al­dei­as, a vi­da ru­ral, a vi­vên­cia das fa­mí­li­as, o sen­ti­men­to, o cho­ro de um óbi­to, sem­pre sob a ca­pa de fi­gu­ras de es­ti­lo. Música de con­su­mo obri­ga­tó­rio

O no­me do pri­mei­ro dis­co é “Meu de­ver” de 2007. Co­me­çou a “ba­ter” em 2008 e le­vou-o ao Top dos Mais Qu­e­ri­dos. Não ven­deu o que es­pe­ra­va, mas agra­de­ceu a Mo­na Nguin­do, um em­pre­sá­rio que lho pa­tro­ci­nou. O se­gun­do dis­co, “Ku­va­ta di­e­tu” de 2010, edi­ta­do sob a chan­ce­la da LS Pro­du­ções, te­ve boa acei­ta­ção no mer­ca­do, mas o ter­cei­ro, o “Nzim­bo”, de 2012, foi o que mais ven­deu. Já o “Icu­ma” de 2014, com a MP Pro­du­ções, nem por is­so foi bom de mer­ca­do.

Se­gun­do o ar­tis­ta, “lan­çar dis­cos, de fac­to, é bom, mas não é o que nos vai aju­dar a me­lho­rar a car­rei­ra. Pro­cu­ro fa­zer três a qua­tro mú­si­cas pa­ra não es­tar au­sen­te do mer­ca­do. Pou­cas mú­si­cas, des­de que se­jam bem pro­mo­vi­das, com ví­de­os a ro­lar são a mi­nha in­ten­ção. Va­le a pe­na fa­zer pou­ca co­mi­da, mas bem fei­ta, do que mui­ta e sem sa­bor nem apre­ci­a­do­res.”

A música de So­cor­ro cons­ti­tui uma boa sa­fra pa­ra con­su­mo. Con­tu­do, ad­mi­te que ao lon­go da sua car­rei­ra já be­beu de mui­tas fon­tes. “Nem tu­do o que can­ta­mos é da nos­sa la­vra. Por ser co­nhe­ci­do, apa­re­cem pes­so­as que nos ofe­re­cem le­tras pa­ra as com­por­mos e can­tar­mos, mas a mai­or par­te de­las é de mi­nha au­to­ria.” So­cor­ro tem uma ima­gem que por si só cons­ti­tui mar­ke­ting. “A pró­pria música”, con­fes­sa, “quan­do che­ga ao mer­ca­do, to­dos que­rem ou­vir e há sem­pre aque­la ân­sia. Eu nun­ca ti­ve uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting ou pu­bli­ci­da­de pro­fis­si­o­nal. O meu tra­ba­lho, a mi­nha música é con­si­de­ra­da co­mo um pro­du­to de con­su­mo obri­ga­tó­rio.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.