Ela­bo­ra­ção de ma­pas sa­ni­tá­ri­os pa­ra os mu­ni­cí­pi­os e pro­vín­ci­as

Jornal de Angola - - PARTADA - DOMINGOS MUCUTA

O director na­ci­o­nal da Saú­de Pú­bli­ca, Mi­guel de Oli­vei­ra, de­fen­deu on­tem, na ci­da­de do Lu­ban­go, a ela­bo­ra­ção de ma­pas sa­ni­tá­ri­os mu­ni­ci­pais e pro­vin­ci­ais pa­ra per­mi­tir que as au­to­ri­da­des de­fi­nam da me­lhor for­ma o pla­no de ges­tão, cons­tru­ção e dis­tri­bui­ção de uni­da­des hos­pi­ta­la­res, re­cur­sos hu­ma­nos e tec­no­ló­gi­cos.

Ao fa­lar du­ran­te uma ac­ção for­ma­ti­va di­ri­gi­do a téc­ni­cos do sec­tor da Saú­de da Huíla so­bre a ne­ces­si­da­de de ela­bo­ra­ção de ma­pas sa­ni­tá­ri­as, Mi­guel de Oli­vei­ra dis­se que o ob­jec­ti­vo é di­ag­nos­ti­car com mai­or pro­fun­di­da­de a ca­pa­ci­da­de dos ser­vi­ços sa­ni­tá­ri­os exis­ten­tes em ca­da mu­ni­cí­pio.

O director na­ci­o­nal ga­ran­tiu que o pro­ces­so na Huíla ar­ran­ca após a con­clu­são da for­ma­ção dos téc­ni­cos dos mu­ni­cí­pi­os do Lu­ban­go, Ma­ta­la e Qui­len­gues pa­ra, re­fe­riu, pos­te­ri­or­men­te se es­ten­de­ra a ou­tras pro­vín­ci­as, on­de tam­bém vão ser de­fi­ni­dos mi­cro áre­as, su­bá­re­as, áre­as e re­giões sa­ni­tá­ri­as.

Pa­ra o director na­ci­o­nal da Saú­de Pú­bli­ca, a iden­ti­fi­ca­ção das ne­ces­si­da­des em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras, pes­so­ais e de tec­no­lo­gia fa­ci­li­ta a con­cep­ção de pla­no e es­tra­té­gia de ac­tu­a­ção pa­ra pre­en­chi­men­to de la­cu­nas, vi­san­do a me­lho­ria da qua­li­da­de de ser­vi­ços pres­ta­dos ao pú­bli­co.

Mi­guel de Oli­vei­ra re­co­nhe­ceu a im­por­tân­cia dos ma­pas por ser um ins­tru­men­to de ges­tão, que aju­dam as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as a de­fi­nir pri­o­ri­da­des em ter­mos de cons­tru­ção de no­vas uni­da­de sa­ni­tá­ri­as e a co­lo­ca­ção de re­cur­so hu­ma­nos a ní­vel de ca­da re­gião.

“Os ma­pas per­mi­tem-nos reu­nir mai­o­res in­for­ma­ções pa­ra uma ges­tão ade­qua­da. A Huíla é a pri­mei­ra pro­vín­cia a aco­lher es­te pro­jec­to. Ca­da mu­ni­cí­pio po­de con­cen­trar vá­ri­as áre­as em fun­ção da lo­ca­li­za­ção de uni­da­des hos­pi­ta­la­res”, dis­se Mi­guel de Oli­vei­ra.

Pa­ra um me­lhor en­qua­dra­men­to des­te pro­ces­so, es­cla­re­ceu que os hos­pi­tais re­gi­o­nais são obri­ga­dos a aten­der os pa­ci­en­tes ge­o­gra­fi­ca­men­te ads­tri­tos à cir­cuns­cri­ção e o en­ca­mi­nha­men­to ou trans­fe­rên­cia só é fei­to ca­so se jus­ti­fi­que. O pro­gra­ma con­ta com o apoio da União Eu­ro­peia e sur­ge em res­pos­ta da Lei de Ba­se do Sis­te­ma de Saú­de que es­ta­be­le­ce os me­ca­nis­mos le­gais pa­ra a or­ga­ni­za­ção em for­ma de pi­râ­mi­de de re­giões sa­ni­tá­ri­as de ní­vel pri­má­rio, se­cun­dá­rio e ter­ciá­rio.

O director na­ci­o­nal dis­se que à luz des­ta lei, os pa­ci­en­tes de­vem, em pri­mei­ro ins­tân­cia, ir aos pos­tos ou cen­tros de saú­de mais pró­xi­mos da sua re­si­dên­cia, evi­tan­do, des­te mo­do, a acu­mu­la­ção de do­en­tes nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as.

“Te­mos no­ta­do com frequên­cia os do­en­tes a se di­ri­gi­rem nos hos­pi­tais de re­fe­rên­cia, quan­do an­tes de­vi­am ser con­sul­ta­dos nos cen­tos mé­di­cos da re­gião on­de re­si­dem, ca­ben­do os téc­ni­cos de saú­de ava­li­ar se há ou não ne­ces­si­da­de de o pa­ci­en­te ser eva­cu­a­do pa­ra ou­tro pos­to de mai­or di­men­são. Es­te se­ria a ló­gi­ca pa­ra se evi­tar a aglo­me­ra­ção nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as”, fri­sou Mi­guel de Oli­vei­ra, que foi igual­men­te re­ce­bi­do pe­la vi­ce-go­ver­na­do­ra Ma­ria João Chi­pa­le­va­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.