Ape­sar dos re­sul­ta­dos do re­fe­ren­do Go­ver­no e guer­ri­lha man­têm ces­sar-fo­go

Ne­go­ci­a­do­res pre­pa­ra­dos pa­ra dis­cu­tir “ajus­tes” ao pac­to de paz

Jornal de Angola - - PARTADA -

A guer­ri­lha das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colômbia (FARC) e o go­ver­no co­lom­bi­a­no con­cor­da­ram em man­ter o ces­sar­fo­go bi­la­te­ral e de­fi­ni­ti­vo e dis­cu­tir as pro­pos­tas de ajus­te ao pac­to de paz que sur­jam de­pois da re­jei­ção na con­sul­ta po­pu­lar de do­min­go, anun­ci­a­ram as au­to­ri­da­des.

“Rei­te­ra­mos o com­pro­mis­so as­su­mi­do pe­las par­tes de man­ter o ces­sar-fo­go bi­la­te­ral e de­fi­ni­ti­vo de­cre­ta­do em 29 de Agos­to e a mo­ni­to­ri­za­ção e ve­ri­fi­ca­ção por par­te do me­ca­nis­mo tri­par­ti­do”, re­fe­re um co­mu­ni­ca­do con­jun­to di­vul­ga­do na sex­ta-fei­ra em Ha­va­na, se­de das ne­go­ci­a­ções de paz.

En­quan­to is­so, mi­lha­res de pes­so­as saí­ram às ru­as de Me­del­lín, na Colômbia, pa­ra di­zer “não à guer­ra” e “jun­tar for­ças” em fa­vor da paz no país, após a re­jei­ção do acor­do de paz as­si­na­do pe­lo Go­ver­no e as FARC no re­fe­ren­do de do­min­go.

A mo­bi­li­za­ção ma­ci­ça con­vo­ca­da por jo­vens e re­a­li­za­da sob a fra­se “A paz per­ten­ce-nos”, reu­niu na sex­ta­fei­ra vá­ri­as or­ga­ni­za­ções cí­vi­cas e uni­ver­si­da­des com a in­ten­ção de jun­tar aque­les que vo­ta­ram “não” e “sim” no re­fe­ren­do.

O ob­jec­ti­vo fi­nal é aca­bar com o con­fli­to de mais de meio sé­cu­lo en­tre o Go­ver­no e as FARC.

“Que­re­mos en­vi­ar uma men­sa­gem de re­con­ci­li­a­ção e uni­fi­car for­ças e di­zer pa­ra a Colômbia que ain­da po­de­mos cri­ar opor­tu­ni­da­des pa­ra cons­truir a paz que to­dos nós de­se­ja­mos”, dis­se à agên­cia EFE Da­ni­e­la Gal­vis Res­tre­po, uma das or­ga­ni­za­do­ras da ma­ni­fes­ta­ção. A fon­te acres­cen­tou que os par­ti­ci­pan­tes es­ta­vam fe­li­zes com a en­tre­ga do pré­mio No­bel da Paz ao Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos, pois é um “re­co­nhe­ci­men­to às ví­ti­mas” e “im­pul­si­o­na o país a apro­vei­tar es­te mo­men­to his­tó­ri­co”. Men­sa­gens co­mo “Que os lí­de­res sai­bam que acre­di­ta­mos na paz”, “O meu co­ra­ção es­tá pron­to pa­ra per­do­ar” e “Colômbia cons­truí­mos to­dos jun­tos” sur­gi­ram en­tre os car­ta­zes que os ma­ni­fes­tan­tes le­va­vam du­ran­te o per­cur­so que du­rou vá­ri­as ho­ras. En­tre os ob­jec­ti­vos da ma­ni­fes­ta­ção de Me­del­lín, além do “cla­mor po­pu­lar” pe­la paz, es­te­ve o apoio aos acor­dos as­si­na­dos em Ha­va­na, após qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções.

No­bel pa­ra as FARC

A an­ti­ga re­fém das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colômbia (FARC) In­grid Be­tan­court con­si­de­rou on­tem que o pré­mio No­bel da Paz, atri­buí­do ao Pre­si­den­te co­lom­bi­a­no Ju­an Ma­nu­el San­tos, de­via ter si­do par­ti­lha­do com o mo­vi­men­to de guer­ri­lha. “As pes­so­as que a se­ques­tra­ram tam­bém me­re­ci­am o No­bel da Paz?”, per­gun­tou um jor­na­lis­ta, num con­tac­to te­le­fó­ni­co da ca­deia fran­ce­sa I-Té­lé.

“Sim. É mui­to di­fí­cil di­zer sim, mas pen­so que sim”, res­pon­deu, mui­to co­mo­vi­da, In­grid Be­tan­court, que es­te­ve se­ques­tra­da pe­las FARC en­tre 2002 e 2008. O pré­mio No­bel da Paz foi atri­buí­do ao pre­si­den­te da Colômbia pe­los es­for­ços pa­ra pôr fim à guer­ra ci­vil no país. “Es­tou mui­to, mui­to, mui­to fe­liz” pe­la atri­bui­ção do pré­mio a Ju­an Ma­nu­el San­tos, acres­cen­tou In­grid Be­tan­court.“Não só pen­so que o me­re­ce, mas tam­bém por se tra­tar de um mo­men­to de re­fle­xão pa­ra a Colômbia, de es­pe­ran­ça de paz, de ale­gria, de se di­zer que efec­ti­va­men­te a paz não fez mar­cha-atrás”, dis­se.

Ju­an Ma­nu­el San­tos “lu­tou pra­ti­ca­men­te só pa­ra con­se­guir es­te re­sul­ta­do, mu­dou a his­tó­ria do país, deu à no­va ge­ra­ção co­lom­bi­a­na a pos­si­bi­li­da­de de co­nhe­cer um país di­fe­ren­te. É um mo­men­to imen­so pa­ra a Colômbia”, afir­mou a an­ti­ga re­fém da guer­ri­lha.

Em de­cla­ra­ções à rá­dio co­lom­bi­a­na Blu Ra­dio, In­grid Be­tan­court sau­dou a atri­bui­ção do No­bel co­mo “um im­pul­so ex­tra­or­di­ná­rio” que “ci­men­ta a paz na Colômbia e di­mi­nui as vo­zes da­que­les que que­ri­am ver abor­tar o pro­ces­so de paz”.

“Es­ta­mos pe­ran­te a pos­si­bi­li­da­de de cres­cer, de ama­du­re­cer de­mo­cra­ti­ca­men­te e de po­der di­zer à ge­ra­ção que che­ga que fo­mos ca­pa­zes, to­dos jun­tos, de acre­di­tar na paz, (...) de dei­xar pa­ra trás as nos­sas vin­gan­ças, os nos­sos ódi­os”, acres­cen­tou.

AFP

Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos e lí­der das FARC re­a­fir­mam von­ta­de de pôr fim à guer­ra ci­vil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.