AN­GO­LA A CRES­CER Tra­ba­lho do­més­ti­co re­co­nhe­ci­do por Lei

Pro­tec­ção so­ci­al obri­ga­tó­ria as­se­gu­ra au­xí­lio nas even­tu­a­li­da­des de in­va­li­dez

Jornal de Angola - - DESTAQUE - EDIVALDO CRISTÓVÃO |

O tra­ba­lho do­més­ti­co em An­go­la pas­sa a ser mais va­lo­ri­za­do a par­tir de Ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, quan­do os em­pre­ga­dos ob­tém di­rei­tos e cum­prem de­ve­res co­mo qual­quer ou­tro. O de­cre­to pre­si­den­ci­al n.º155/16, que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al, foi pu­bli­ca­do a 9 de Agos­to no Diá­rio da Re­pú­bli­ca,

O de­cre­to de­fi­ne que os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­to a fé­ri­as, oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, di­rei­to à re­for­ma, sub­sí­dio de Na­tal e de ma­ter­ni­da­de. Os que vi­vem em ca­sa dos em­pre­ga­do­res pas­sam a tra­ba­lhar ape­nas até dez ho­ras por dia.

O di­plo­ma de­fi­ne que a ta­xa con­tri­bu­ti­va pa­ra o sis­te­ma de pro­tec­ção so­ci­al obri­ga­tó­rio do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co é pa­ga a seis por cen­to pe­lo em­pre­ga­dor e dois pe­lo be­ne­fi­ciá­rio.

Após a pu­bli­ca­ção da lei no Diá­rio da Re­pú­bli­ca, o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS), no seu pla­no de im­ple­men­ta­ção e divulgação do di­plo­ma, re­for­çou os cur­sos de em­pre­ga­dos do­més­ti­cos nos cen­tros de for­ma­ção.Com o ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir uma me­lhor qua­li­da­de de ser­vi­ço dos em­pre­ga­dos do­més­ti­cos e fa­ci­li­tar a sua in­ser­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho, o cen­tro de for­ma­ção fe­mi­ni­na do dis­tri­to do Ran­gel, em Lu­an­da, já tes­tou es­ta prá­ti­ca com di­ver­sos cur­sos.Pa­ra di­vul­gar o di­plo­ma, o MAPTSS pre­ten­de re­a­li­zar em to­do o país um ci­clo de se­mi­ná­ri­os até De­zem­bro des­te ano, des­ti­na­dos a as­so­ci­a­ções pa­tro­nais, sin­di­cais, em­pre­ga­do­ras e tra­ba­lha­do­res su­jei­tos ao re­gi­me da Lei Ge­ral do Tra­ba­lho, que se­rão apre­sen­ta­dos pe­los qua­dros do Mi­nis­té­rio e es­pe­ci­a­lis­tas.

Tra­ba­lho re­co­nhe­ci­do

O sa­cri­fí­cio de acor­dar ce­do e tra­ba­lhar em ca­sa de ou­trem pas­sa a ser pa­ra Ma­ria Lourenço um mo­ti­vo de or­gu­lho e sa­tis­fa­ção. A jo­vem de 29 anos, re­si­den­te no Bair­ro Ben­fi­ca, tra­ba­lha co­mo em­pre­ga­da do­més­ti­ca há qua­tro anos, pois foi for­ça­da a lar­gar os es­tu­dos pa­ra sus­ten­tar os três fi­lhos.

Ela acor­da às 5 ho­ras pa­ra pre­pa­rar os fi­lhos, an­tes dei­xá-los na es­co­la e de­pois des­lo­ca-se ao lo­cal tra­ba­lho na zo­na do Lar do Pa­tri­o­ta. Com um sa­lá­rio de 35 mil kwan­zas, com um sub­sí­dio de trans­por­te de seis mil, a jo­vem diz que le­va uma vi­da sa­cri­fi­ca­da mas ser­ve pa­ra sus­ten­tar a ca­sa.Ma­ria Lourenço dis­se que já ga­nhou o gos­to pe­lo tra­ba­lho e sen­te­se or­gu­lho­sa ao ver a sua pro­fis­são fi­nal­men­te va­lo­ri­za­da. “Fi­co fe­liz por sa­ber que, com o meu tra­ba­lho, já po­de­rei ter uma pen­são na ve­lhi­ce e com di­rei­to a fé­ri­as e sub­sí­di­os, pa­re­ce ser um so­nho, nun­ca pen­sei que te­ría­mos os mes­mos di­rei­tos que os ou­tros tra­ba­lha­do­res”, dis­se.Emi­li­a­na Ma­ria, 43 anos, vi­ve em Vi­a­na e tra­ba­lha co­mo em­pre­ga­da do­més­ti­ca há cer­ca de três anos. Nes­te mo­men­to, en­con­tra-se de­sem­pre­ga­da, mas es­tá fre­quen­tar um cur­so pa­ra aper­fei­ço­ar os seus co­nhe­ci­men­tos no ra­mo da cu­li­ná­ria. “Por on­de já pas­sei, en­con­trei pa­trões exi­gen­tes, que pe­di­am pa­ra fa­zer pra­tos que não do­mi­na­va, e, por is­so, es­tou a apro­vei­tar o cur­so pa­ra es­tar pre­pa­ra­da pa­ra qual­quer de­sa­fio”, ex­pli­couJu­li­a­na Di­nis tem 20 anos e co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo ba­bá aos 18 anos. No iní­cio, te­ve al­gu­mas di­fi­cul­da­des, mas, com a aju­da da pa­troa, con­se­guiu su­pe­rá-las.

“Sem­pre gos­tei de cri­an­ças, por is­so, não te­nho gran­des di­fi­cul­da­des em li­dar com elas, é só ter pa­ci­ên­cia e cal­ma”, fri­sou. Ju­li­a­na Di­nis re­ce­be 30 mil kwan­zas e tra­ba­lha das 8 ho­ras às 15h30.

Pa­ga­men­to de pen­sões

O di­plo­ma le­gal de­fi­ne que a ins­cri­ção do em­pre­ga­do do­més­ti­co no Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça So­ci­al (INSS) é da res­pon­sa­bi­li­da­de con­jun­ta do em­pre­ga­dor e do tra­ba­lha­dor, de­ven­do ser fei­ta no pra­zo má­xi­mo de 30 di­as úteis após o iní­cio da ac­ti­vi­da­de.No ac­to de ins­cri­ção, o em­pre­ga­dor de­ve apre­sen­tar as có­pi­as do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de e do car­tão de Con­tri­buin­te Fis­cal e o tra­ba­lha­dor a có­pia do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de.A ta­xa con­tri­bu­ti­va pa­ra o es­que­ma obri­ga­tó­rio de pro­tec­ção so­ci­al do tra­ba­lha­dor é de seis por cen­to pa­ra a en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra e de dois pa­ra o tra­ba­lha­dor.

Com­pe­te ao em­pre­ga­dor pro­ce­der ao pa­ga­men­to das con­tri­bui­ções de­vi­das à en­ti­da­de ges­to­ra da Pro­tec­ção So­ci­al Obri­ga­tó­ria, in­cluin­do a par­ce­la a car­go do tra­ba­lha­dor de­du­zi­da do res­pec­ti­vo sa­lá­rio, até ao dia 15 de ca­da mês.

O sis­te­ma obri­ga­tó­rio as­se­gu­ra a pro­tec­ção nas even­tu­a­li­da­des de in­va­li­dez, re­for­ma por ve­lhi­ce e mor­te. O in­cum­pri­men­to des­tas dis­po­si­ções é pu­ni­do com mul­ta.

O pa­ga­men­to das con­tri­bui­ções à Se­gu­ran­ça So­ci­al se­rá fei­to atra­vés dos ser­vi­ços do INSS, SIAC, cen­tros de em­pre­go e re­cur­so a mei­os elec­tró­ni­cos, co­mo o ATM.

O dis­pos­to no di­plo­ma le­gal não se apli­ca à pres­ta­ção de tra­ba­lho do­més­ti­co com ca­rác­ter aci­den­tal ou pa­ra a exe­cu­ção de uma ta­re­fa even­tu­al. Fi­cam ain­da ex­cluí­dos do âm­bi­to do di­plo­ma os em­pre­ga­dos do­més­ti­cos que pos­su­am re­la­ções de pa­ren­tes­co com o em­pre­ga­dor, tais co­mo côn­ju­ge, com­pa­nhei­ro em união de fac­to, des­cen­den­te, as­cen­den­te, ir­mão, gen­ro ou no­ra, pa­dras­to ou ma­dras­ta, so­gro ou so­gra.

O di­plo­ma de­ter­mi­na que os em­pre­ga­do­res, a par­tir de Ja­nei­ro, de­vem as­si­nar um con­tra­to com os tra­ba­lha­do­res atra­vés da ca­der­ne­ta do tra­ba­lho do­més­ti­co, ad­qui­ri­da na Im­pren­sa Na­ci­o­nal.

Con­tra­to de tra­ba­lho

A ca­der­ne­ta do em­pre­ga­do do­més­ti­co é o do­cu­men­to com­pro­va­ti­vo da re­la­ção ju­rí­di­co-la­bo­ral, que ga­ran­te os di­rei­tos do tra­ba­lho e da Pro­tec­ção So­ci­al Obri­ga­tó­ria. Ne­la cons­tam os re­gis­tos da car­rei­ra pro-

CONTREIRAS PIPAS

O Cen­tro de For­ma­ção Vi­si­o­ná­rio ci­to no Dis­tri­to do Ran­gel tem lan­ça­do mui­tas pro­fis­si­o­nais no mer­ca­do de tra­ba­lho e pa­ra além da for­ma­ção tam­bém se agen­cia tra­ba­lha­do­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.