Ata­que cau­sa a mor­te a cen­te­nas de ci­vis

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O nú­me­ro de mor­tos no bom­bar­de­a­men­to de aviões da co­li­ga­ção ára­be no Iémen con­tra o fu­ne­ral da mãe de um mi­nis­tro do gru­po re­bel­de houthi che­gou a 140 pes­so­as, se­gun­do da­dos pu­bli­ca­dos on­tem pe­las Na­ções Uni­das.

O co­or­de­na­dor pa­ra os As­sun­tos Hu­ma­ni­tá­ri­os das Na­ções Uni­das no Iémen, Ja­mie McGol­drick, dis­se em co­mu­ni­ca­do que o ata­que cau­sou tam­bém 525 fe­ri­dos.

O bom­bar­de­a­men­to da co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­la Ará­bia Sau­di­ta acon­te­ceu quan­do cer­ca de mil pes­so­as pres­ta­vam con­do­lên­ci­as à fa­mí­lia do mi­nis­tro do In­te­ri­or do Go­ver­no re­bel­de, Ja­lal al Ruishan, num sa­lão de even­tos do bair­ro re­si­den­ci­al de Al Yam­sin, no sul da ci­da­de de Sa­na, ca­pi­tal do Iémen, Ja­mie McGol­dick so­li­ci­tou ime­di­a­ta­men­te a Ri­a­de aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção so­bre o acon­te­ci­men­to e lem­brou às par­tes em con­fli­to que as leis in­ter­na­ci­o­nais as obri­gam a pro­te­ger os ci­vis e as in­fra-es­tru­tu­ras em si­tu­a­ções de guer­ra.

Após o mas­sa­cre, o Go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos anun­ci­ou que vai re­ver o apoio à co­li­ga­ção mi­li­tar ára­be li­de­ra­da pe­la Ará­bia Sau­di­ta no Iémen e o por­ta-voz do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal da Ca­sa Bran­ca, Ned Pri­ce, ad­ver­tiu que “a co­o­pe­ra­ção de se­gu­ran­ça dos EUA com o rei­do da Ará­bia Sau­di­ta não é um che­que em bran­co”. O con­fli­to no Iémen eclo­diu quan­do os re­bel­des xi­i­tas ocu­pa­ram em Se­tem­bro de 2014 a ca­pi­tal e ou­tras províncias do Nor­te e Cen­tro do país, de­pois de o Go­ver­no ie­me­ni­ta se trans­fe­rir pa­ra a ci­da­de de Áden, na re­gião Sul do país.

O por­ta-voz do Mi­nis­té­rio da Saú­de do Go­ver­no re­bel­de houthi, Ta­mim al Sha­mi, dis­se à agên­cia EFE que mais de 100 fe­ri­dos che­ga­ram aos hos­pi­tais, mas que os mor­tos ain­da não fo­ram con­ta­bi­li­za­dos, por­que há cor­pos sob os es­com­bros e res­tos hu­ma­nos es­pa­lha­dos pe­lo lo­cal do ata­que. “Os so­cor­ris­tas es­tão a fa­zer o seu tra­ba­lho, pa­ra ter­mos uma in­for­ma­ção mais exac­ta so­bre o nú­me­ro de mor­tos”, dis­se Sha­mi.

Exer­cí­ci­os mi­li­ta­res

A Ará­bia Sau­di­ta ini­ci­ou exer­cí­ci­os na­vais de guer­ra, que in­clu­em dis­pa­ros com mu­ni­ção re­al, há uma se­ma­na no Gol­fo Pér­si­co e no Es­trei­to de Or­muz, a ro­ta pe­tro­lí­fe­ra mais im­por­tan­te do Mun­do, um ges­to que coin­ci­de com o au­men­to da ten­são com o ri­val re­gi­o­nal Irão. Na­vi­os de guer­ra, lan­chas, aviões da Ma­ri­nha, fu­zi­lei­ros na­vais e uni­da­des es­pe­ci­ais de se­gu­ran­ça na­val par­ti­ci­pam nos exer­cí­ci­os, no­ti­ci­ou a agên­cia de im­pren­sa es­ta­tal sau­di­ta.

“As ma­no­bras têm por ob­jec­ti­vo tes­tar a pron­ti­dão de com­ba­te em pre­pa­ra­ção pa­ra a pro­tec­ção dos in­te­res­ses ma­rí­ti­mos da Ará­bia Sau­di­ta con­tra qual­quer agres­são pos­sí­vel”, dis­se o co­man­dan­te dos exer­cí­ci­os, con­tra-al­mi­ran­te Ma­jed bin Haz­za Al-Qah­ta­ni.

Os exer­cí­ci­os tam­bém es­tão a ser re­a­li­za­dos no Mar de Omã. A Ará­bia Sau­di­ta es­tá pre­o­cu­pa­da com a in­fluên­cia re­gi­o­nal cres­cen­te do Irão, que co­me­ça a re­cu­pe­rar de anos de san­ções eco­nó­mi­cas in­ter­na­ci­o­nais, gra­ças a um acor­do so­bre o seu pro­gra­ma nu­cle­ar com po­tên­ci­as oci­den­tais, as­si­na­do em 2015. Ri­a­de es­tá a li­de­rar a co­li­ga­ção ára­be, com apoio dos EUA, Rei­no Uni­do e Fran­ça, na guer­ra do Iémen. A me­ta é res­tau­rar o Go­ver­no de­pos­to por uma mi­lí­cia ali­a­da ao Irão, um es­for­ço mais alar­ga­do, que o país le­va a ca­bo pa­ra tra­var a in­fluên­cia ira­ni­a­na na re­gião.

AFP

Aviões da co­li­ga­ção ára­be bom­bar­de­a­ram uma ce­ri­mó­nia fú­ne­bre na ci­da­de de Sa­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.