Es­co­las e Aca­de­mi­as fo­ra da mas­sa vo­tan­te

Jornal de Angola - - DESPORTO - SIMÃO KIBONDO |

Os pro­ces­sos de re­no­va­ção de man­da­tos no as­so­ci­a­ti­vis­mo des­por­ti­vo pa­ra o qua­drié­nio 20162020 ain­da vão no adro, que à se­me­lhan­ça da Or­ga­ni­za­ção dos Clu­bes, As­so­ci­a­ções Províncias e Fe­de­ra­ções, tem to­das as ba­li­zas de­fi­ni­das na Lei do Des­por­to (Lei nº5/2014) de 20 de Maio e a Lei das As­so­ci­a­ções Des­por­ti­vas (Lei nº 06/14) de 23 de Maio, ain­da sus­ci­tam mui­tas dú­vi­das en­tre os ges­to­res des­por­ti­vos.

Mes­mo que, pa­ra is­so, o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos te­nha es­ten­di­do até o dia 31 de De­zem­bro co­mo da­ta li­mi­te pa­ra a re­a­li­za­ção dos plei­tos elei­to­rais nas Fe­de­ra­ções na­ci­o­nais (FNS), is­to por­que o gros­so das As­so­ci­a­ções Pro­vin­ci­ais (APs), que as ele­gem, por vá­ri­os mo­ti­vos que não são ago­ra cha­ma­dos, até ago­ra não cum­pri­ram com os pra­zos es­ta­be­le­ci­dos. Co­mo se não bas­tas­se, mui­tos clu­bes ou agre­mi­a­ções des­por­ti­vas tam­bém es­tão em fal­ta em re­la­ção aos seus pro­ces­sos.

Sal­vo al­gu­mas ex­cep­ções, e ver­da­de se­ja di­ta, nes­ta al­tu­ra do “Cam­pe­o­na­to das Elei­ções”, pou­cas são as As­so­ci­a­ções Des­por­ti­vas que es­ta­ri­am em con­di­ções de cum­pri­rem com os pra­zos es­ta­be­le­ci­dos pe­las du­as leis pa­ra os seus pro­ces­sos de re­no­va­ção de man­da­tos.

O pro­ble­ma que, ao que tu­do in­di­ca, já tem so­lu­ção, co­me­çou quan­do os le­gis­la­do­res des­por­ti­vos de­ci­di­ram re­ti­rar da Lei o di­rei­to de vo­to nes­tes pro­ces­sos às Es­co­las es­pe­ci­a­li­za­das em de­ter­mi­na­das mo­da­li­da­des des­por­ti­vas, Aca­de­mi­as Des­por­ti­vas e nú­cle­os, só pa­ra ci­tar al­guns dos par­cei­ros das APS e FNs, que num pas­sa­do re­cen­te fo­ram con­si­de­ra­dos co­mo “mas­sa vo­tan­te”, par­ti­cu­lar­men­te em mui­tas mo­da­li­da­des in­di­vi­du­as, co­mo o Atle­tis­mo, Na­ta­ção, Ju­do, Ka­ra­té, Xa­drez, Ci­clis­mo, Des­por­to Eques­tre,Ta­e­ku­an­do, Jiu-Jit­su, Té­nis de Me­sa, Té­nis etc., etc.

A ver­da­de é que mui­tas des­sas Es­co­las es­pe­ci­a­li­za­das em de­ter­mi­na­das dis­ci­pli­nas, Aca­de­mi­as Des­por­ti­vas e nú­cle­os sem­pre par­ti­ci­pa­ram em com­pe­ti­ções ofi­ci­as, on­de nal­gu­mas mo­da­li­da­des sa­gram­se Cam­peões Províncias, Na­ci­o­nais e até mes­mo Con­ti­nen­tais.

Das du­as ou uma: Ou es­ta­mos di­an­te de um re­tro­ces­so pa­ra me­lho­rar de­pois, ou te­re­mos no fu­tu­ro uma “ver­da­dei­ra re­vo­lu­ção” des­por­ti­va em An­go­la, on­de exi­gi­ra com a no­va es­tru­tu­ra­ção des­por­ti­va, mai­or res­pon­sa­bi­li­za­ção dos ges­to­res e pra­ti­can­tes des­por­ti­vos, ru­mo à pro­fis­si­o­na­li­za­ção do des­por­to an­go­la­no, que no pas­sa­do era ama­dor e ago­ra se as­su­me co­mo pro­fis­si­o­nal.

Ao so­frer 200 pon­tos em três par­ti­das, con­sen­tin­do uma mé­dia de 66,5 pon­tos por jo­go, o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, ven­ce­dor da oi­ta­va edi­ção do Tor­neio Vic­to­ri­no Cu­nha em bas­que­te­bol sé­ni­or mas­cu­li­no, foi das qua­tro equi­pas pre­sen­tes na dis­pu­ta da pro­va, a que me­nos ve­lei­da­des per­mi­tiu ao seu ces­to.

Pi­or re­gis­to de­fen­si­vo te­ve o Pe­tro Atlé­ti­co de Lu­an­da, com 247 pon­tos so­fri­dos, ten­do os seus jo­ga­do­res, ter­cei­ros no tor­neio, per­mi­ti­do a en­tra­da da bo­la no aro da sua ta­be­la por 82 ve­zes a ca­da jo­go. Os nú­me­ros dos li­bo­len­ses, for­ma­ção oriun­da da pro­vín­cia do Cuanza Sul, faz eco tam­bém no ata­que, pois foi o con­jun­to mais efi­caz, ao mar­car no glo­bal 241 pon­tos. Por en­con­tro, os co­man­da­dos de Hu­go Ló­pez, téc­ni­co es­pa­nhol em fun­ções há me­nos de dois me­ses, ano­ta­ram 80 pon­tos.

Nas ac­ções ofen­si­vas, o Pe­tro Atlé­ti­co de Lu­an­da, ori­en­ta­do pe­lo ca­ma­ro­nês La­za­re Adin­go­no, es­te­ve mui­to pró­xi­mo com 231 pon­tos no ge­ral, o equi­va­len­te a 77 pon­tos mar­ca­dos em ca­da du­e­lo.

De­fen­si­va­men­te, o In­ter­clu­be, se­gun­do clas­si­fi­ca­do con­sen­tiu 219 pon­tos, 73 por de­sa­fio. No ata­que, os po­lí­ci­as às or­dens do por­tu­guês Al­ber­to Ba­bo to­ta­li­za­ram 227 pon­tos, mar­can­do des­te mo­do 75 pon­tos por par­ti­da. Cam­peões na­ci­o­nais, e de­ten­to­res do tí­tu­lo do tor­neio em homenagem a Vic­to­ri­no Cu­nha, an­ti­go se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal sé­ni­or mas­cu­li­no, e res­pon­sá­vel pe­las três pri­mei­ras con­quis­tas con­se­cu­ti­vas de An­go­la em Cam­pe­o­na­tos Afri­ca­nos das Na­ções, Afro­bas­ket´s 1989, 1991 e 1993, o 1.º de Agos­to foi o con­jun­to me­nos pro­du­ti­vo. Li­de­ra­dos pe­lo es­pa­nhol Ri­card Ca­sas, os ru­bros e ne­gros to­ta­li­za­ram 210 pon­tos mar­ca­dos, 70 por jo­go, e so­fre­ram 243, 81 so­fri­dos no côm­pu­to dos três de­sa­fi­os.

Pa­ra­le­lo ao tor­neio, o 1º de Agos­to or­ga­ni­zou um ci­clo de pa­les­tras, on­de fo­ram pre­lec­to­res Jor­ge Araú­jo, Raúl Du­ar­te, Ri­card Ca­sas, Al­ber­to Bal­bo e Vic­to­ri­no Cu­nha, que abor­da­ram te­mas, tais co­mo “trei­na­dor ges­tor, a emo­ção e a ra­zão”, prin­cí­pi­os a ob­ser­var nos sis­te­mas de de­fe­sa “ho­mem a ho­mem” e “um por dois” e “con­tra-ata­que, prin­cí­pi­os a res­pei­tar e a uti­li­zar”.

KINDALA MA­NU­EL

Mil­ton Bar­ros foi um dos prin­ci­pais es­tei­os da or­ga­ni­za­ção de jo­go da equi­pa de Ca­lu­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.