Con­tri­bu­to pa­ra a va­lo­ri­za­ção do es­pó­lio de Jo­sé Re­di­nha

Jornal de Angola - - PARTADA - JOMO FORTUNATO |

CUL­TU­RA| 29

A im­por­tân­cia cul­tu­ral e his­tó­ri­ca do con­jun­to da obra do et­nó­lo­go Jo­sé Re­di­nha foi re­ve­la­da pe­lo fi­lho, Ar­tur Re­di­nha, que fa­lou da mag­ni­tu­de do es­pó­lio ma­te­ri­al do seu pai e dos ex­ten­sos tra­ba­lhos, mui­tos dos qu­ais iné­di­tos, so­bre os Lunda-tchokwe, re­sul­ta­do da in­ves­ti­ga­ção sin­gu­lar de um es­tu­di­o­so que foi no­me­a­do, em 1938, so­ba des­sa co­mu­ni­da­de.

Ar­tur Re­di­nha, mé­di­co, re­cor­dou a for­ma co­mo to­mou con­tac­to com a obra do seu pai: “Des­de mui­to no­vo per­ce­bi ser a vi­da do meu pai mui­to di­fe­ren­te da ha­bi­tu­al. Te­nho a ima­gem per­ma­nen­te do meu pai a tra­ba­lhar des­de o nas­cer do sol até ho­ras mui­to tar­di­as, di­a­ri­a­men­te, sem fins­de-se­ma­na, fe­ri­a­dos, nem fé­ri­as. Em vin­te e três anos de vi­da nun­ca o vi fa­zer uma vi­a­gem de fé­ri­as ou go­zar um mês de des­can­so. No­tei tam­bém des­de no­vo a múl­ti­pla cor­res­pon­dên­cia re­ce­bi­da pe­lo meu pai de to­das as par­tes do mun­do, as mui­tas re­fe­rên­ci­as na im­pren­sa ao seu no­me e tra­ba­lhos, as inú­me­ras con­fe­rên­ci­as e pa­les­tras pa­ra que era con­vi­da­do, in­clu­si­ve no es­tran­gei­ro. Só de­pois do 25 de Abril, pu­de pre­sen­ci­ar pe­la pri­mei­ra vez, era eu alu­no do li­ceu, em Lu­an­da, nos anos de 1974 e 1975, a pre­sen­ça de obras de Jo­sé Re­di­nha nos cur­rí­cu­la de al­gu­mas dis­ci­pli­nas. Além dis­so vi-o pe­la pri­mei­ra vez ser con­vi­da­do pa­ra um al­to car­go go­ver­na­men­tal du­ran­te o Go­ver­no de Tran­si­ção de An­go­la, fac­to nun­ca ocor­ri­do du­ran­te o an­te­ri­or re­gi­me. O Es­pó­lio de Jo­sé Re­di­nha es­tá pre­ser­va­do em Lis­boa, em con­di­ções de acon­di­ci­o­na­men­to ra­zoá­veis, e dis­per­sa por vá­ri­os lo­cais. Par­tes des­se es­pó­lio, aliás, ain­da se encontram da mes­ma for­ma que foi dei­xa­da por Jo­sé Re­di­nha, há cer­ca de qua­ren­ta anos atrás”.

Ar­tur Re­di­nha re­ve­lou ain­da que pre­ten­de ce­der o es­pó­lio do seu pai a uma ins­ti­tui­ção que pos­sa pre­ser­var, es­tu­dar e di­vul­gar e as­sim per­pe­tu­ar, da me­lhor for­ma, o no­me e a obra do seu pai, num gran­de pro­jec­to que in­clui a re­e­di­ção e pu­bli­ca­ção de um con­jun­to de obras iné­di­tas.

O fac­to de Jo­sé Re­di­nha ter si­do des­de mui­to no­vo, aos de­zas­se­te e de­zoi­to anos, um con­tes­ta­tá­rio do Es­ta­do No­vo, fac­to que aliás o le­vou a vi­a­jar pa­ra An­go­la, fez com que nun­ca te­nha si­do mui­to aca­ri­nha­do pe­lo re­gi­me co­lo­ni­al. Aliás, du­ran­te os cer­ca de ses­sen­ta anos que vi­veu em An­go­la e de­sen­vol­veu o seu tra­ba­lho, foi vá­ri­as ve­zes mar­gi­na­li­za­do, em con­sequên­cia de crí­ti­cas que efec­tu­ou ao an­ti­go re­gi­me, no mo­do co­mo ava­li­a­va a cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal an­go­la­na e ori­en­ta­va o seu re­la­ci­o­na­men­to com os po­vos de An­go­la. Is­so va­leu-lhe aliás, ser vi­gi­a­do de per­to pe­la PIDE, Po­lí­cia In­ter­na­ci­o­nal de De­fe­sa do Es­ta­do, e ter es­ta­do cer­ca de um ano em re­gi­me do­mi­ci­liá­rio. Ape­sar de nun­ca ter si­do mi­li­tan­te po­lí­ti­co, a sua for­ma isen­ta, hu­ma­na e ho­nes­ta de abor­dar to­das as fa­ce­tas da sua vi­da, fi­ze­ram com que os con­tac­tos que te­ve com os na­ci­o­na­lis­tas an­go­la­nos te­nham si­do sem­pre da mai­or cor­te­sia e até de afec­to. Ar­tur Re­di­nha re­cor­dou uma ocor­rên­cia: “Lem­bro­me, ape­nas pa­ra exem­pli­fi­car, um epi­só­dio em que An­tó­nio Ja­cin­to foi acu­sa­do ju­di­ci­al­men­te pe­lo an­te­ri­or re­gi­me, e meu pai ter acei­te de ime­di­a­to ser sua tes­te­mu­nha abo­na­tó­ria em tri­bu­nal, de­fen­den­do a per­so­na­li­da­de e o ca­rác­ter da­que­le na­ci­o­na­lis­ta, que foi mais tar­de um ilus­tre Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra do Es­ta­do An­go­la­no”.

A obra de Jo­sé Re­di­nha foi sem­pre mui­to apre­ci­a­da em Por­tu­gal, e ain­da ho­je exis­te uma gran­de pro­cu­ra de li­vros e ar­ti­gos, mui­tos na­tu­ral­men­te es­go­ta­dos há anos, no­me­a­da­men­te nos mei­os uni­ver­si­tá­ri­os. A va­lo­ri­za­ção da obra do Jo­sé Re­di­nha, se­gun­do o seu fi­lho, te­rá ti­do um dos seus pon­tos mais al­tos na con­de­co­ra­ção com a “Gran­de Cruz da Or­dem Mi­li­tar de San­ti­a­go de Es­pa­da”, atri­buí­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Ra­ma­lho Ea­nes, no dia 10 de Ju­nho de 1980.

Ao lon­go dos úl­ti­mos anos a fa­mí­lia do in­ves­ti­ga­dor tem si­do abor­da­da por vá­ri­as per­so­na­li­da­des e en­ti­da­des pú­bli­cas e pri­va­das com in­te­res­se no es­pó­lio. No en­tan­to, tem-se re­sis­ti­do a es­sas abor­da­gens por dois mo­ti­vos prin­ci­pais: pri­mei­ro por­que a fa­mí­lia quer que o es­pó­lio se­ja man­ti­do co­mo um to­do, não di­vi­sí­vel, e por­que os her­dei­ros pre­ten­dem que o des­ti­no pre­fe­ren­ci­al do es­pó­lio se­ja An­go­la.

Jo­sé Re­di­nha nas­ceu em Al­co­ba­ça no dia 16 de Fe­ve­rei­ro de 1905 e che­gou a An­go­la no dia 21 de Fe­ve­rei­ro de 1927. Pas­sou pe­los Ser­vi­ços de Ad­mi­nis­tra­ção Ci­vil de An­go­la no Quim­bum­be, ten­do se­gui­do de­pois pa­ra a Lunda, Chi­ta­to, on­de tra­ba­lhou na Di­a­mang, Com­pa­nhia dos Di­a­man­tes de An­go­la. En­quan­to in­ves­ti­ga­dor pla­ne­ou, or­ga­ni­zou e di­ri­giu di­ver­sas mis­sões, cam­pa­nhas de re­co­nhe­ci­men­to ter­ri­to­ri­al, ét­ni­co e cul­tu­ral no in­te­ri­or da Lunda e do Al­to Zam­be­ze, de 1936 a 1946, on­de per­cor­reu mais de quin­ze mil qui­ló­me­tros efec­tu­an­do pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas, re­co­lhen­do ma­te­ri­ais et­no­grá­fi­cos re­pre­sen­ta­ti­vos dos mais re­le­van­tes as­pec­tos da cul­tu­ra ma­te­ri­al das po­pu­la­ções lo­cais, na or­dem dos vin­te mi­lha­res de pe­ças de na­tu­re­za et­no­grá­fi­ca. A ri­que­za e im­por­tân­cia do tra­ba­lho que de­sen­vol­veu jun­to da co­mu­ni­da­de Qui­o­ca, Lun­daT­chokwe, le­vou à sua no­me­a­ção co­mo So­ba des­sa co­mu­ni­da­de, em 1938. In­ves­ti­do nes­sa fun­ção pe­lo So­ba Sa-Ca­vu­la, pas­sou a ser co­nhe­ci­do lo­cal­men­te por «Sa-Ka­pu­ma», que, tra­du­zi­do li­te­ral­men­te, sig­ni­fi­ca “So­ba Fei­ti­cei­ro”. Jo­sé Re­di­nha foi Di­rec­tor-Ge­ral do En­si­no Su­pe­ri­or em 1975 e 1976 e Et­nó­lo­go-con­sul­tor do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção e Cul­tu­ra de An­go­la en­tre 1979 e 1983. De­pois da sua saí­da da Lunda por ra­zões de saú­de, em 1959, di­ri­giu o Mu­seu de An­go­la até 1961, ano em que in­gres­sou no IICA, Ins­ti­tu­to de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­ti­fí­ca de An­go­la, on­de tra­ba­lhou até à re­for­ma, em 1970.

Li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Po­lí­ti­cas pe­la Uni­ver­si­da­de Téc­ni­ca de Lis­boa em 1966, Jo­sé Re­di­nha fa­le­ceu em Lis­boa no dia 16 de Abril de 1983.

Pa­ra além do es­tu­do “Eth­no­graphia e his­tó­ria tra­di­ci­o­nal dos po­vos da Lunda”, 1890, de Hen­ri­que Au­gus­to Di­as de Car­va­lho, uma des­cri­ção por­me­no­ri­za­da de al­guns ins­tru­men­tos mu­si­cais dos Lun­das, Jo­sé Re­di­nha dei­xou o li­vro “Ins­tru­men­tos Mu­si­cais de An­go­la, sua cons­tru­ção e des­cri­ção”, 1984, uma edi­ção do Ins­ti­tu­to de An­tro­po­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, que di­vi­de os ins­tru­men­tos mu­si­cais em Mem­bra­fo­nes, ins­tru­men­tos de per­cus­são que pro­du­zem som atra­vés da vi­bra­ção de mem­bra­nas dis­ten­di­das, de no­tar que a al­tu­ra e a qua­li­da­de tím­bri­ca dos sons des­tes ins­tru­men­tos de­pen­de da elas­ti­ci­da­de dos ma­te­ri­ais uti­li­za­dos, Idi­o­fo­nes, ins­tru­men­tos em que o som é pro­vo­ca­do pe­la vi­bra­ção do cor­po do ins­tru­men­to, sem a ne­ces­si­da­de de ne­nhu­ma ten­são ex­ter­na, as su­as qua­li­da­des tim­bri­cas de­pen­dem da elas­ti­ci­da­de dos seus ma­te­ri­ais, Cor­do­fo­nes, ins­tru­men­tos cu­jo som é ob­ti­do atra­vés da vi­bra­ção de uma cor­da ten­ci­o­na­da quan­do be­lis­ca­da, per­cu­ti­da ou fric­ci­o­na­da, e Ae­ro­fo­nes, ins­tru­men­tos cu­jo som é ob­ti­do atra­vés da vi­bra­ção do ar, sem a ne­ces­si­da­de de mem­bra­nas ou cor­das e sem que a pró­pria vi­bra­ção do cor­po do ins­tru­men­to in­flu­en­cie sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no som pro­du­zi­do.

Ao lon­go da sua car­rei­ra, Jo­sé Re­di­nha pu­bli­cou os se­guin­tes li­vros: “As gra­vu­ras ru­pes­tres do Al­to Zam­be­ze”, 1948, “As más­ca­ras afri­ca­nas: es­bo­ço”, 1952, “Pa­re­des pin­ta­das da Lunda”,1953, “Cam­pa­nha et­no­grá­fi­ca ao Tchi­bo­co, Al­to Chi­ca­pa, ano­ta­ções e do­cu­men­ta­ção grá­fi­ca”, 1955, “Más­ca­ras e mas­ca­ra­dos an­go­la­nos: uso, for­mas e ri­tos”, 1955, “Más­ca­ras de ma­dei­ra da Lunda e Al­to Zam­be­ze”, 1956, “Et­no-so­ci­o­lo­gia do Nor­des­te de An­go­la”, 1956, “Sub­sí­di­os et­no­grá­fi­cos”, 1964, “Os Be­na­mai da Lunda (1965), “Ce­râ­mi­ca an­go­la­na: es­bo­ço de clas­si­fi­ca­ção”(1966), “Es­cul­tu­ra an­go­la­na: es­bo­ço de clas­si­fi­ca­ção”, 1967, “O fe­nó­me­no eco­nó­mi­co e a et­no­gra­fia”, 1969, “Pa­lá­cio dos Go­ver­na­do­res de An­go­la: no­tas his­tó­ri­cas e ca­tá­lo­go-guia”, 1969, “Sin­cre­tis­mos re­li­gi­o­sos dos po­vos de An­go­la”, 1971, “Ál­bum et­no­grá­fi­co”, 1971, “Prá­ti­cas e ri­tos de cir­cun­ci­são en­tre os qui­o­cos da Lunda”, 1973, “A ha­bi­ta­ção tra­di­ci­o­nal an­go­la­na: as­pec­tos da sua evo­lu­ção”, 1973, “A ca­ça, seus pro­ces­sos e mi­tos en­tre os po­vos an­go­la­nos: no­tas des­cri­ti­vas e es­bo­ço de sis­te­ma­ti­za­ção”, 1973, “Bi­bli­o­gra­fi­as te­má­ti­cas: et­no­gra­fia e et­no­lo­gia de An­go­la”, 1973, “In­síg­ni­as e sim­bo­lo­gi­as dos che­fes na­ti­vos de An­go­la”, 1974, “Et­ni­as e cul­tu­ras de An­go­la” ,1974, e “Ins­tru­men­tos mu­si­cais de An­go­la: sua cons­tru­ção e des­cri­ção: no­tas his­tó­ri­cas e et­no-so­ci­o­ló­gi­cas da mú­si­ca an­go­la­na, 1984.

Ar­tur Re­di­nha fez um de­poi­men­to pes­so­al so­bre o ca­rác­ter e ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho do seu pai: “Pes­so­al­men­te, con­si­de­ro que o meu pai foi um ho­mem com um ca­rác­ter ex­cep­ci­o­nal.De uma in­te­li­gên­cia ra­ra, de uma per­se­ve­ran­ça enor­me e com uma ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção e de tra­ba­lho no­tá­veis. Ti­nha uma hu­ma­ni­da­de e uma sim­pli­ci­da­de di­fí­ceis de des­cre­ver, e so­bre­tu­do uma ho­nes­ti­da­de in­te­lec­tu­al e um ca­rác­ter in­cor­rup­tí­vel.Sem­pre ami­go do seu ami­go, mes­mo quan­do as cir­cuns­tân­ci­as ou as con­ve­ni­ên­ci­as acon­se­lha­vam o con­trá­rio, e sem­pre fi­el aos seus prin­cí­pi­os e às su­as cren­ças.Con­si­de­ro ho­je que Jo­sé Re­di­nha de­di­cou to­da a sua vi­da à obra que nos dei­xou, mui­tas ve­zes, ou qua­se sem­pre, com pre­juí­zo da sua vi­da pes­so­al, fa­mi­li­ar e so­ci­al, de­mons­tran­do tam­bém um des­pre­zo qua­se com­ple­to pe­la so­ci­e­da­de ma­te­ri­a­lis­ta e con­su­mis­ta”.

DR

Fi­lho de Jo­sé Re­di­nha re­cor­da os mo­men­tos ár­du­os de tra­ba­lho do in­ves­ti­ga­dor so­bre a cul­tu­ra da po­pu­la­ção Lunda Tchokwe do Les­te do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.