Diá­lo­go e con­cer­ta­ção na RDC

Jornal de Angola - - OPINIÃO - HE­LE­NA ADÃO LAU­RA AN­TÓ­NIO LU­CAS CRIS­TÓ­VÃO

Em­bo­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) vi­va pro­ble­mas in­ter­nos cu­jas so­lu­ções de­pen­dem ba­si­ca­men­te dos con­go­le­ses, é na­tu­ral que as or­ga­ni­za­ções con­ti­nen­tais e re­gi­o­nais, ao la­do das pre­o­cu­pa­ções dos paí­ses vi­zi­nhos, con­tri­bu­am tam­bém pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção do se­gun­do mai­or país de Áfri­ca, em su­per­fí­cie.

To­das as con­tri­bui­ções que sir­vam os in­te­res­ses da paz e es­ta­bi­li­da­de da­que­le país, ci­cli­ca­men­te sa­cu­di­do por on­das de ins­ta­bi­li­da­de, são sem­pre bem-vin­das. Da União Afri­ca­na há um acom­pa­nha­men­to no­tá­vel com a in­di­ca­ção de um fa­ci­li­tar do diá­lo­go, na pes­soa do an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro to­go­lês, Edem Kod­jo, fac­to que ocor­re igual­men­te com as or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais e paí­ses vi­zi­nhos.

An­go­la, que pos­sui mais de 2.000 qui­ló­me­tros de fron­tei­ras ter­res­tres com a RDC e uma gran­de comunidade re­si­den­te, tem to­do o in­te­res­se em ver pa­ci­fi­ca­do aque­le gran­de país. Con­tra­ri­a­men­te a vo­zes que in­ter­pre­tam os es­for­ços de An­go­la, pa­ra con­tri­buir pa­ra a es­ta­bi­li­da­de da RDC, co­mo in­ge­rên­cia, na ver­da­de, as re­la­ções po­lí­ti­cas, di­plo­má­ti­cas, eco­nó­mi­cas e os la­ços en­tre os po­vos são ex­ce­len­tes.

An­go­la en­ca­ra a RDC co­mo um país ir­mão e cu­jo mer­ca­do, de mais de 70 mi­lhões de con­su­mi­do­res, co­me­ça a tor­nar-se no des­ti­no de nu­me­ro­sas mer­ca­do­ri­as na­ci­o­nais. Com o fun­ci­o­na­men­to do Caminho de Fer­ro de Ben­gue­la, com a ro­ta até à RDC, o ter­ri­tó­rio an­go­la­no, atra­vés dos seus por­tos, cons­ti­tui uma via pri­vi­le­gi­a­da de saí­da ao mar das ex­por­ta­ções con­go­le­sas.

To­dos es­tes fac­to­res, ao la­do dos la­ços san­guí­ne­os en­tre os po­vos, são ra­zões mais do que su­fi­ci­en­tes pa­ra que os an­go­la­nos en­ca­rem com mui­ta se­ri­e­da­de o que se pas­sa na­que­le país.

Não po­de ha­ver ne­nhu­ma dú­vi­da quan­to aos pro­pó­si­tos das au­to­ri­da­des an­go­la­nas, ba­se­a­das no res­pei­to pe­la so­be­ra­nia e in­te­gri­da­de da­que­le país, bem co­mo no apro­fun­da­men­to das re­la­ções eco­nó­mi­cas e co­mer­ci­ais en­tre os dois paí­ses. Re­la­ti­va­men­te à pre­sen­ça de mi­li­ta­res an­go­la­nos, o che­fe do Es­ta­doMai­or-Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) foi cla­ro, na en­tre­vis­ta que deu por oca­sião de mais um ani­ver­sá­rio da ins­ti­tui­ção que co­man­da.

Na RDC, os efec­ti­vos das FAA en­con­tram-se pu­ra e sim­ples­men­te com fins ins­tru­ti­vos e sob ne­nhu­ma cir­cuns­tân­cia pa­ra pe­gar em ar­mas.

Na ver­da­de, jul­ga­mos im­por­tan­te a pas­sa­gem de in­for­ma­ções re­gu­la­res que aju­dem a opi­nião pú­bli­ca congolesa, an­go­la­na, con­ti­nen­tal e in­ter­na­ci­o­nal a com­pre­en­der o que efec­ti­va­men­te se pas­sa pa­ra evi­tar dis­per­são de es­for­ços na bus­ca das so­lu­ções. É ver­da­de que não fal­tam sec­to­res, den­tro e fo­ra do con­ti­nen­te, que pre­fe­ri­am ver to­dos aque­les la­ços ar­rui­na­dos e não ces­sam de “fa­bri­car” ou ins­ti­gar sec­to­res da vi­da po­lí­ti­ca congolesa so­bre uma pre­ten­sa in­ge­rên­cia ou in­fluên­cia an­go­la­na nos des­ti­nos da­que­le país.

Acre­di­ta­mos que se­ja opor­tu­na a ida a Kinsha­sa do “nú­me­ro um” da di­plo­ma­cia an­go­la­na no âm­bi­to do Me­ca­nis­mo do Acor­do-Qua­dro so­bre a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, as­si­na­do em Fe­ve­rei­ro de 2013 e pa­ra re­a­fir­mar o com­pro­mis­so do Exe­cu­ti­vo no sen­ti­do de to­dos os ac­to­res do cha­ma­do “Diá­lo­go Na­ci­o­nal” pri­vi­le­gi­a­rem o diá­lo­go e a con­cer­ta­ção.

O mi­nis­tro Ge­or­ges Chi­ko­ti, que se en­con­tra na ca­pi­tal congolesa pa­ra uma reu­nião dos mem­bros do Ór­gão de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da SADC, de que An­go­la é vi­ce-pre­si­den­te, vai re­for­çar a po­si­ção de An­go­la e a dos paí­ses da re­gião ten­do co­mo ba­se a ne­ces­si­da­de da ma­nu­ten­ção do diá­lo­go e de uma saí­da po­lí­ti­ca. Es­pe­re­mos que os re­sul­ta­dos da reu­nião da­que­le im­por­tan­te ór­gão da or­ga­ni­za­ção re­gi­o­nal sir­vam tam­bém pa­ra dar ga­ran­ti­as de su­ces­so à Ci­mei­ra Ex­tra­or­di­ná­ria da Re­gião dos Gran­des Lagos, mar­ca­da pa­ra o dia 27, em Lu­an­da. En­quan­to pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal So­bre a Re­gião dos Gran­des Lagos (CIRGL), Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dis­se sem­pre que as cir­cuns­tân­ci­as de diá­lo­go pa­ra de­fi­ni­ção do qua­dro po­lí­ti­co e ins­ti­tu­ci­o­nal pós-cri­se de­vem en­vol­ver to­das as sen­si­bi­li­da­des pa­ra que se­jam mi­ni­mi­za­dos os ní­veis de der­ra­pa­gem.

A RDC vi­ve pro­ble­mas in­ter­nos que pre­ci­sam de ser de­vi­da­men­te ana­li­sa­dos pe­los ac­to­res po­lí­ti­cos lo­cais, nu­ma al­tu­ra em que as ins­ti­tui­ções afri­ca­nas, re­gi­o­nais e paí­ses vi­zi­nhos pre­ten­dem igual­men­te dar o seu con­tri­bu­to.

Os ido­sos

Nas es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as de­vem-se trans­mi­tir va­lo­res de res­pei­to e so­li­da­ri­e­da­de com as pes­so­as ido­sas. As nos­sas cri­an­ças e jo­vens de­vem cres­cer com va­lo­res que se tra­du­zam no res­pei­to pe­la pes­soa hu­ma­na.

Mui­tos ido­sos são mal­tra­ta­dos no nos­so país por fa­mi­li­a­res. Mui­tos des­tes ido­sos são até ex­pul­sos das su­as pró­pri­as ca­sas pe­los fi­lhos ou por ou­tros pa­ren­tes.

Gos­ta­va que os pro­fes­so­res nas es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as fa­las­sem nas au­las, na dis­ci­pli­na de edu­ca­ção cí­vi­ca, da im­por­tân­cia dos ido­sos na nos­sa so­ci­e­da­de. As pes­so­as ido­sas de­vem me­re­cer to­do o nos­so ca­ri­nho.

Elas tra­ba­lha­ram du­ran­te mui­tos anos pa­ra edu­car e sus­ten­tar os seus fi­lhos e ou­tros fa­mi­li­a­res, não sen­do jus­to que, quando os ido­sos pre­ci­sam dos mais no­vos, se­jam mal­tra­ta­dos e até pri­va­dos dos bens que lhes per­ten­cem.

Ro­tu­ra em tu­bo de água

No meu bair­ro, o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, há mui­ta água a cor­rer nu­ma das vi­as, em vir­tu­de da des­trui­ção de um tu­bo por par­te de uma em­pre­sa que es­tá aqui a re­a­li­zar obras.

O tu­bo, cu­ja ro­tu­ra se ve­ri­fi­cou no fi­nal da se­ma­na pas­sa­da, es­tá si­tu­a­do na rua da Igre­ja do “Bom Deus”. Era bom que uma equi­pa téc­ni­ca da EPAL fos­se com urgência ao lo­cal, pa­ra que a água que cor­re não cau­se ou­tros pro­ble­mas.

Pen­so que os pro­ble­mas de­vem ser re­sol­vi­dos com ce­le­ri­da­de, pa­ra que não se agra­vem. Quis com es­ta car­ta dar a mi­nha mo­des­ta con­tri­bui­ção pa­ra que a EPAL to­mas­se co­nhe­ci­men­to da si­tu­a­ção na re­fe­ri­da via.

Sou ha­bi­tan­te de Lu­an­da e sen­ti­me na obri­ga­ção de aju­dar, por via da in­for­ma­ção, as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes a re­sol­ver um pro­ble­ma que po­de afec­tar ne­ga­ti­va­men­te mui­tos dos ci­da­dãos. Lu­an­da é, afi­nal, a nos­sa ca­sa co­mum.

Po­lui­ção so­no­ra

Es­tou sa­tis­fei­to com o fac­to de se pas­sar a fa­zer um com­ba­te mais ri­go­ro­so à po­lui­ção so­no­ra em Lu­an­da. Ain­da bem que o Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da vai to­mar me­di­das pa­ra que os ci­da­dãos não se­jam per­tur­ba­dos com o ba­ru­lho de fes­tas em ho­ras e lo­cais ina­pro­pri­a­dos.

A po­lui­ção so­no­ra faz mal à saú­de e não se de­ve per­mi­tir que ha­ja in­di­ví­du­os a co­lo­car, por exem­plo, apa­re­lha­gens so­no­ras em pas­sei­os , cau­san­do mal es­tar aos ci­da­dãos e di­fi­cul­tan­do a cir­cu­la­ção de pes­so­as. Quem qui­ser dar con­cer­tos que o fa­ça em gran­des es­tá­di­os, co­mo o 11de No­vem­bro ou a Ci­da­de­la Des­por­ti­va. Que dei­xem os ci­da­dãos em paz.

Gos­ta­va ain­da de apro­vei­tar es­te es­pa­ço pa­ra su­ge­rir às au­to­ri­da­des que to­mem tam­bém me­di­das pa­ra se aca­bar com as ven­das de cer­tos pro­du­tos ali­men­ta­res em pas­sei­os. Há pro­du­tos ali­men­ta­res que são co­mer­ci­a­li­za­dos em lo­cais sem con­di­ções hi­gié­ni­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.