Hil­lary Clin­ton es­tá mais pró­xi­mo da Ca­sa Bran­ca

Can­di­da­to Do­nald Trump pro­me­te al­te­rar es­tra­té­gia da po­lí­ti­ca ex­ter­na nor­te-ame­ri­ca­na

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MA­TOS |

O se­gun­do de­ba­te en­tre os can­di­da­tos à Ca­sa Bran­ca, re­a­li­za­do no do­min­go na Uni­ver­si­da­de Washing­ton em Saint Louis, no Mis­sou­ri, con­fir­mou o cli­ma ten­so na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al. Clin­ton e Trump, além de não se te­rem cum­pri­men­ta­do ao início, fo­ram bas­tan­te du­ros na tro­ca de acu­sa­ções, com o re­pu­bli­ca­no a pro­me­ter le­var a de­mo­cra­ta à ca­deia, caso ven­ça as elei­ções de No­vem­bro.

Hil­lary Clin­ton po­de não ter con­fir­ma­do a sua vi­tó­ria, mas pe­lo me­nos es­tá ago­ra mais per­to da Ca­sa Bran­ca, com uma li­gei­ra aju­da de Trump que fa­ci­li­tou mais as coi­sas pa­ra a de­mo­cra­ta, com a in­ten­ção de al­te­rar a po­lí­ti­ca dos Es­ta­dos Unidos.

O can­di­da­to re­pu­bli­ca­no tam­bém se de­fen­deu mal do úl­ti­mo es­cân­da­lo que man­chou a sua já frá­gil re­pu­ta­ção po­lí­ti­ca e, ob­vi­a­men­te, a sua con­di­ção co­mo bom ci­da­dão e che­fe de fa­mí­lia.

Do­nald Trump não te­ve ima­gi­na­ção su­fi­ci­en­te pa­ra à sua ad­ver­sá­ria e li­mi­tou-se a re­co­nhe­cer que ne­nhu­ma mu­lher de­ve ser tra­ta­da da­que­la for­ma. O jor­nal “Washing­ton Post” di­vul­gou, na úl­ti­ma se­ma­na, um ví­deo de 2005, no qual Trump con­ver­sa com Billy Bush, do pro­gra­ma “Ac­cess Hollywo­od”, e uti­li­za ter­mos vul­ga­res pa­ra fa­lar so­bre a ten­ta­ti­va de con­quis­tar uma mu­lher ca­sa­da. A can­di­da­ta de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton afir­mou que o seu ad­ver­sá­rio não tem dis­ci­pli­na pa­ra exer­cer o car­go de Pre­si­den­te dos EUA, e “o ví­deo re­pre­sen­ta exac­ta­men­te quem é Trump: um can­di­da­to que re­bai­xou as mu­lhe­res du­ran­te a sua cam­pa­nha”.

Hil­lary Clin­ton ven­ceu o se­gun­do de­ba­te com 57 por cen­to dos con­sul­ta­dos, con­tra 37 a fa­vor de Do­nald Trump, se­gun­do uma pes­qui­sa da emis­so­ra CNN-ORC. No pri­mei­ro de­ba­te, a de­mo­cra­ta con­se­guiu 62 por cen­to. No pla­no po­lí­ti­co, os can­di­da­tos di­ver­gi­ram so­bre o sis­te­ma de saú­de, cri­se mi­gra­tó­ria e im­pos­tos, além de te­mas mais po­lé­mi­cos co­mo as fra­ses ofen­si­vas de Trump em re­la­ção a mu­lhe­res e o uso de emails de um ser­vi­dor par­ti­cu­lar por Hil­lary en­quan­to s ecre­tá­ria de Es­ta­do. So­bre uso de ma­te­ri­al con­fi­den­ci­al no email pri­va­do de Hil­lary, Trump cri­ti­cou a ad­ver­sá­ria e ame­a­çou “le­vá-la à justiça se for elei­to pre­si­den­te”. “Se ven­cer, vou dar ins­tru­ções ao Pro­cu­ra­dor-Ge­ral de Justiça pa­ra que no­meie um pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al pa­ra in­ves­ti­gar a sua si­tu­a­ção, por­que nun­ca hou­ve tan­ta men­ti­ra e tan­ta coi­sa ocul­ta”, dis­se Trump.

“É mui­to bom que al­guém com o temperamento de Do­nald Trump não es­te­ja a car­go da lei nes­te país”, res­pon­deu Hil­lary Clin­ton. O can­di­da­to de­mo­cra­ta re­tor­quiu: “Por­que vo­cê (Hil­lary) es­ta­ria na pri­são”.

Hil­lary Clin­ton pro­me­teu me­lho­rar o pro­gra­ma de Saú­de “Obamacare”, cri­a­do pe­lo ac­tu­al Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Unidos. Fez sa­ber que, se o pro­gra­ma fos­se des­car­ta­do, co­mo de­fen­de Trump, a po­pu­la­ção vol­ta­ria a fi­car nas mãos das se­gu­ra­do­ras. “Que­ro di­mi­nuir o pre­ço e au­men­tar a qua­li­da­de”, pro­me­teu a can­di­da­ta de­mo­cra­ta.

Do­nald Trump se mos­trou to­tal­men­te con­trá­rio ao pro­gra­ma de saú­de Obamacare, jus­ti­fi­can­do que “nun­ca vai fun­ci­o­nar, por­que é ca­rís­si­mo, in­clu­si­ve pa­ra o país”.

“É um de­sas­tre com­ple­to”, afir­mou o re­pu­bli­ca­no, ten­do su­bli­nha­do ser pre­ci­so subs­ti­tui-lo por al­go que fun­ci­o­ne e que se­ja mais ba­ra­to. Os can­di­da­tos pas­sa­ram ain­da as su­as idei­as so­bre co­mo pen­sam mo­bi­li­zar mais in­ves­ti­men­to pa­ra a eco­no­mia.

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta de­fen­de zonas aé­re­as se­gu­ras na Sí­ria, sem os des­trui­do­res ata­ques aé­re­os, no qua­dro de uma es­tra­té­gia de pro­xi­mi­da­de dos Es­ta­dos Unidos com seus ali­a­dos em ter­ra. Afir­mou que de­ve ha­ver mais in­ves­ti­ga­ções so­bre os cri­mes co­me­ti­dos por rus­sos e pe­la au­to­ri­da­des sí­ri­as.

A mo­de­ra­do­ra Martha Rad­datz, jor­na­lis­ta da ABC News, per­gun­tou a Hil­lary se ela usa­ria for­ças nor­te­a­me­ri­ca­nas em ter­ra na Sí­ria. Hil­lary res­pon­deu que não, por­que se­ria um er­ro, mas de­fen­deu o uso de for­ças es­pe­ci­ais, que trei­nam as for­ças lo­cais, que lu­tam con­tra o Go­ver­no sí­rio.

Hil­lary es­pe­ra que quando se tor­nar Pre­si­den­te dos EUA, o Es­ta­do Is­lâ­mi­co te­nha si­do ex­pul­so do Ira­que e da Sí­ria. Tam­bém é a fa­vor de se ar­mar os cur­dos na Sí­ria, por se­rem a prin­ci­pal for­ça em ter­ra pa­ra com­ba­ter os gru­pos ex­tre­mis­tas. Trump afir­mou que a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção é ata­car o Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Cri­ti­cou aqui­lo que con­si­de­rou es­tu­pi­dez da po­lí­ti­ca ex­ter­na dos EUA, quan­to ao Ira­que, à Lí­bia e à Sí­ria, e de­fen­deu o Pre­si­den­te sí­rio, Bashar al-As­sad, que, a seu ver, lu­ta con­tra EI.

AFP

Hil­lary dei­xou Trump qu­a­se sem ar­gu­men­tos no se­gun­do de­ba­te das pre­si­den­ci­ais dos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.