Cli­va­gens ét­ni­cas es­tão na ori­gem da vi­o­lên­cia

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Ao anun­ci­ar a aber­tu­ra de um diá­lo­go po­lí­ti­co com for­ças da opo­si­ção e da so­ci­e­da­de glo­bal etío­pe, o pri­mei­ro-mi­nis­tro etío­pe Hai­le­ma­ri­en De­sa­legn de­mons­tra per­ce­ber que o diá­lo­go, não a re­pres­são, é o caminho pa­ra o país sair da grave cri­se, mo­ti­va­da por cli­va­gens tri­bais.

O Go­ver­no etío­pe tem con­se­gui­do al­tas ta­xas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, mas en­fren­ta crí­ti­cas da opo­si­ção e de ac­ti­vis­tas, que o acu­sam de “res­trin­gir as li­ber­da­des po­lí­ti­cas”.

As au­to­ri­da­des da Etió­pia tam­bém enfrentam pro­tes­tos sem pre­ce­den­tes, por­que os dois mai­o­res gru­pos ét­ni­cos do país, os oro­mos e amha­ras, di­zem ser mar­gi­na­li­za­dos pe­los ti­gray, et­nia mi­no­ri­tá­ria que é a es­pi­nha dor­sal do Go­ver­no da Fren­te Re­vo­lu­ci­o­ná­ria De­mo­crá­ti­ca do Po­vo Etío­pe (EPRDF). Os oro­mo, o mai­or gru­po ét­ni­co do país, pe­dem mais au­to­no­mia, mai­or pre­sen­ça nas ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas do país, me­lhor re­dis­tri­bui­ção da ri­que­za e mais res­pei­to à sua iden­ti­da­de. E afir­mam ser ví­ti­mas de mar­gi­na­li­za­ção e per­se­gui­ção sis­te­má­ti­ca por par­te das for­ças go­ver­na­men­tais, que, ar­gu­men­tam, re­cor­rem à for­ça pa­ra tra­var os seus pro­tes­tos pa­cí­fi­cos. Nos úl­ti­mos dois anos, Oro­miya, ci­da­de na­tal e bas­tião dos oro­mo, foi al­vo de pro­tes­tos es­po­rá­di­cos, pro­vo­ca­dos ini­ci­al­men­te por dis­pu­ta de ter­ras, mas que aca­ba­ram por se tor­nar ma­ni­fes­ta­ções con­tra o Go­ver­no.

o Go­ver­no etío­pe tam­bém en­fren­ta con­tes­ta­ção da et­nia ama­ra, o se­gun­do mai­or gru­po ét­ni­co do país, que tam­bém diz ser mar­gi­na­li­za­do pe­las au­to­ri­da­des etío­pes.

O con­su­la­do dos ama­ra, apoi­a­do pe­lo Go­ver­no mi­li­tar an­te­ri­or, foi subs­ti­tuí­do pe­lo dos ti­gray, et­nia mi­no­ri­tá­ria que sus­ten­ta o ac­tu­al par­ti­do go­ver­nan­te, após a que­da, em 1991, de Men­gis­tu Hai­le Ma­ri­am.

Os dis­túr­bi­os ini­ci­a­dos há um ano agra­va­ram-se no dia 2 des­te mês, quando mais de 50 pes­so­as fo­ram mor­tas du­ran­te um tu­mul­to na re­gião de Oro­miya, Etió­pia, após a po­lí­cia usar gás la­cri­mo­gé­neo e ati­rar pa­ra o al­to pa­ra dis­per­sar um pro­tes­to con­tra o go­ver­no num fes­ti­val re­li­gi­o­so em que par­ti­ci­pa­vam mais de 2 mi­lhões de pes­so­as.

Al­guns dos ma­ni­fes­tan­tes, ten­tan­do fu­gir, caí­ram no fos­so que ro­deia o lo­cal e fo­ram es­ma­ga­das por quem veio de­pois.

O Es­cri­tó­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU pe­de ao Go­ver­no etío­pe au­to­ri­za­ção pa­ra o aces­so de ob­ser­va­do­res in­de­pen­den­tes às re­giões etío­pes de Oro­mia e Amha­ra pa­ra “abor­dar to­dos os la­dos e ava­li­ar os fac­tos”.

Em co­mu­ni­ca­do emi­ti­do em Ge­ne­bra, o Es­cri­tó­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos das Na­ções Uni­das diz se­rem ne­ces­sá­ri­as “me­di­das mais con­cre­tas” do Go­ver­no pa­ra li­dar com os “con­fron­tos cres­cen­tes” na re­gião de Oro­mia.

No do­cu­men­to é re­fe­ri­do que “a fal­ta de con­fi­an­ça” na ver­são das au­to­ri­da­des so­bre os in­ci­den­tes de dois de Ou­tu­bro ali­men­ta­ram as ma­ni­fes­ta­ções, as­sim co­mo “in­for­ma­ções ra­di­cal­men­te di­fe­ren­tes” so­bre o nú­me­ro de mor­tos e so­bre a con­du­ta das for­ças de se­gu­ran­ça.

O co­mu­ni­ca­do pe­de mo­de­ra­ção aos ma­ni­fes­tan­tes e que es­tes “re­nun­ci­em ao uso da vi­o­lên­cia”, às for­ças de se­gu­ran­ça pa­ra obe­de­ce­rem “as leis e nor­mas in­ter­na­ci­o­nais de di­rei­tos hu­ma­nos” e o Go­ver­no etío­pe pa­ra ga­ran­tir “a pres­ta­ção de con­tas” pe­los in­ci­den­tes de dois de Ou­tu­bro e ou­tros ocor­ri­dos des­de No­vem­bro 2015 en­vol­ven­do pro­tes­tos que ter­mi­na­ram vi­o­len­ta­men­te.

Ao de­cre­tar o es­ta­do de emer­gên­cia por um pe­río­do de seis me­ses, o pri­mei­ro-mi­nis­tro Hai­le­ma­ri­en De­sa­legn jus­ti­fi­cou que “a si­tu­a­ção ge­ral, in­cluin­do a des­trui­ção de ins­ti­tui­ções go­ver­na­men­tais e ne­gó­ci­os, in­di­ca que o nos­so país es­tá à bei­ra do ca­os. Is­to ame­a­ça a nos­sa so­be­ra­nia e exis­tên­cia co­mo na­ção”.

AFP

Au­to­ri­da­des etío­pes enfrentam pro­tes­tos sem pre­ce­den­tes des­de No­vem­bro do ano pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.