Ven­de­do­res e cli­en­tes com mai­or dig­ni­da­de

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - AU­GUS­TO CUTETA CÉ­SAR ES­TE­VES |

e

O aces­so e as ven­das no mer­ca­do do Qui­ló­me­tro 30, no mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, vão co­nhe­cer melhorias a par­tir do mês de No­vem­bro, com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to de três no­vas na­ves, as­se­gu­rou, on­tem, ao o seu ad­mi­nis­tra­dor. An­tó­nio Do­min­gos ex­pli­cou que as re­fe­ri­das na­ves es­tão em fa­se fi­nal de cons­tru­ção e fa­zem par­te do pro­gra­ma exe­cu­ta­do sob ori­en­ta­ção da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Vi­a­na, que pre­vê a cons­tru­ção de no­ve na­ves pa­ra aco­lher os ven­de­do­res. Is­so, se­gun­do dis­se, “lhes vai ga­ran­tir mai­or con­for­to e se­gu­ran­ça.”

O ges­tor do es­pa­ço co­mer­ci­al avan­çou que o ob­jec­ti­vo é fa­zer com que o mer­ca­do es­te­ja sub­di­vi­do por na­ves com os sec­to­res de ven­da de ca­da ti­po de pro­du­to per­fei­ta­men­te de­fi­ni­dos. Es­ta ac­ção, ex­pli­cou, vai aca­bar com o co­mér­cio de­sor­ga­ni­za­do dos bens.

An­tó­nio Do­min­gos re­ve­lou que es­tá em cur­so um tra­ba­lho de ter­ra­pla­na­gem no in­te­ri­or do mer­ca­do, pa­ra evi­tar que, nes­ta épo­ca chu­vo­sa, as ru­as fi­quem ala­ga­das e la­ma­cen­tas e cri­em em­ba­ra­ços aos ven­de­do­res e com­pra­do­res.

O ad­mi­nis­tra­dor avan­çou que, após as obras de ter­ra­pla­na­gem, os es­for­ços dos ges­to­res do mer­ca­do vão es­tar vi­ra­dos pa­ra a pa­vi­men­ta­ção to­tal do es­pa­ço. Pa­ra tal, as au­to­ri­da­des mu­ni­ci­pais de Vi­a­na já au­to­ri­za­ram uma em­pre­sa a fa­zer o le­van­ta­men­to das ne­ces­si­da­des de­cor­ren­tes do tra­ba­lho. “Es­ta­mos, nes­te mo­men­to, à es­pe­ra do re­sul­ta­do des­se le­van­ta­men­to”, dis­se An­tó­nio Do­min­gos, que anun­ci­ou a exis­tên­cia de um pro­gra­ma de re­mo­de­la­ção das bar­ra­cas de ven­da de co­mi­das e be­bi­das, pa­ra dar mai­or co­mo­di­da­de aos usuá­ri­os.

O ad­mi­nis­tra­dor ga­ran­te que o tra­ba­lho de re­es­tru­tu­ra­ção vai per­mi­tir, igual­men­te, que os vi­si­tan­tes pos­sam cir­cu­lar com vi­a­tu­ras den­tro do mer­ca­do, co­mo nos anos an­te­ri­o­res. Re­co­nhe­ceu que, ac­tu­al­men­te, es­te exer­cí­cio é di­fí­cil, da­da a fal­ta de or­ga­ni­za­ção dos ven­de­do­res, que ocu­pam as ru­as.

Em re­la­ção à re­du­ção do nú­me­ro de ven­de­do­res, que pas­sou de oi­to mil pa­ra 6.448, o ad­mi­nis­tra­dor dis­se que a si­tu­a­ção se de­veu ao fac­to de mui­tos ven­de­do­res pre­fe­ri­rem ou­tros mer­ca­dos, lo­ca­li­za­dos mais pró­xi­mos do cen­tro da ci­da­de de Lu­an­da, e à aber­tu­ra de mui­tos mer­ca­dos por ini­ci­a­ti­va de pri­va­dos. Com dois mil me­tros de com­pri­men­to e 950 de lar­gu­ra, o mer­ca­do do Qui­ló­me­tro 30, fun­da­do em 2006, tem em ex­plo­ra­ção, ape­nas, um pou­co mais da me­ta­de des­te es­pa­ço. So­bre o es­ta­do do aces­so prin­ci­pal, o ad­mi­nis­tra­dor do mai­or mer­ca­do de Lu­an­da es­cla­re­ceu que as in­ter­ven­ções de gran­de vul­to são da res­pon­sa­bi­li­da­de do go­ver­no pro­vin­ci­al, mas, re­cen­te­men­te, a re­fe­ri­da via be­ne­fi­ci­ou de tra­ba­lhos pa­li­a­ti­vos.

“É pre­ci­so es­cla­re­cer que as re­cei­tas pro­du­zi­das pe­lo mer­ca­do, a par­tir das fi­chas que co­bra­mos aos ven­de­do­res, não fi­cam aqui nem na ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal. Cai tu­do na Con­ta Úni­ca do Te­sou­ro”, ex­pli­cou o res­pon­sá­vel.

Ar­ma­zéns aban­do­na­dos

Mais de 500 ar­ma­zéns es­tão aban­do­na­dos há mais de três anos. Os seus ges­to­res, até ago­ra, não de­ram ex­pli­ca­ções à ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do so­bre as ra­zões do en­cer­ra­men­to.

O ad­mi­nis­tra­dor An­tó­nio Do­min­gos in­for­mou ao Jor­nal de An­go­la que os do­nos dos re­fe­ri­dos ar­ma­zéns já fo­ram con­vo­ca­dos vá­ri­as ve­zes, mas nun­ca res­pon­de­ram ao cha­ma­do. Em fa­ce dis­so, a ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do de­ci­diu le­var a ca­bo, em bre­ve, a ce­dên­cia dos ar­ma­zéns a ou­tros ges­to­res.

Do­min­gos An­tó­nio es­cla­re­ceu que os ar­ma­zéns fo­ram cons­truí­dos pe­los pró­pri­os co­mer­ci­an­tes, em ter­re­nos ce­di­dos pe­lo Es­ta­do.

“Lo­go, os mes­mos não po­dem ser aban­do­na­dos sem te­rem cum­pri­do os ob­jec­ti­vos pa­ra os quais fo­ram cri­a­dos”, sa­li­en­tou. O ad­mi­nis­tra­dor re­fe­riu ain­da que exis­te um pro­ble­ma an­ti­go en­tre a ges­tão do mer­ca­do e os pro­pri­e­tá­ri­os dos ar­ma­zéns, que tem a ver com o fac­to de es­tes úl­ti­mos nun­ca te­rem pa­ga­do a ta­xa de ocu­pa­ção do es­pa­ço, sob ale­ga­ção de que já pa­ga­vam im­pos­tos ao Es­ta­do.

Cri­an­ças es­ti­va­do­ras

Não ha­ven­do ain­da um pos­to po­li­ci­al, a se­gu­ran­ça no mer­ca­do, in­for­mou An­tó­nio Do­min­gos, é ga­ran­ti­da pe­los fis­cais, au­xi­li­a­dos por um gru­po de ci­da­dãos vo­lun­tá­ri­os.

Fac­to de re­al­ce, no mer­ca­do do Qui­ló­me­tro 30 não há re­gis­to de rou­bos com re­cur­so a ar­mas de fo­go. “Os úni­cos ca­sos [de rou­bo] ve­ri­fi­ca­dos fo­ram pro­ta­go­ni­za­dos por me­ni­nos ro­bo­tei­ros”, dis­se o ad­mi­nis­tra­dor.

O res­pon­sá­vel deu, igual­men­te, a co­nhe­cer que os es­ti­va­do­res me­no­res de 18 anos de ida­de vão ser im­pe­di­dos de con­ti­nu­ar es­sa ac­ti­vi­da­de. Pa­ra is­so, a ad­mi­nis­tra­ção do mer­ca­do vai con­tar com a aju­da da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. “Va­mos ar­ran­jar car­ros pa­ra eles re­gres­sa­rem” às su­as zonas de ori­gem, ga­ran­tiu An­tó­nio Do­min­gos.

Além de pre­ten­de­rem aca­bar com o fe­nó­me­no das “cri­an­ças tra­ba­lha­do­ras”, as au­to­ri­da­des es­tão pre­o­cu­pa­das com as mor­tes que se re­gis­tam no seio des­se gru­po de cri­an­ças. “Trans­por­tam car­gas pe­sa­das, não co­mem e be­bem mui­to”, la­men­tou o ad­mi­nis­tra­dor do mer­ca­do do Qui­ló­me­tro 30.

CÉ­SAR ES­TE­VES

Ven­de­do­res do mer­ca­do vão po­der aten­der os seus cli­en­tes com acon­che­go e tran­qui­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.