Mais aten­ção à pri­mei­ra in­fân­cia

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - VICTORINO JO­A­QUIM |

As ins­ti­tui­ções de aten­di­men­to à pri­mei­ra in­fân­cia no país, no­me­a­da­men­te as cre­ches, cen­tros in­fan­tis e de aco­lhi­men­to e ou­tros ain­da não têm a qua­li­da­de de­se­ja­da, ad­mi­tiu on­tem, em Lu­an­da, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra As­sis­tên­cia So­ci­al.

Maria da Luz Ci­ri­lo, que fa­la­va na aber­tu­ra do se­mi­ná­rio so­bre “Di­vul­ga­ção dos ins­tru­men­tos le­gais so­bre a ins­ta­la­ção e fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções de aten­di­men­to à pri­mei­ra in­fân­cia e de ca­das­tra­men­to das mes­mas e dos cen­tros de aco­lhi­men­to”, acres­cen­tou que os pri­mei­ros re­sul­ta­dos da ava­li­a­ção fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al às con­di­ções de fun­ci­o­na­men­to das re­fe­ri­das ins­ti­tui­ções apon­tam pa­ra a ne­ces­si­da­de de melhorias.

“Exis­tem pro­pri­e­tá­ri­os e res­pon­sá­veis dos cen­tros in­fan­tis que têm os equi­pa­men­tos, mas uni­ca­men­te co­mo fon­te de ren­di­men­to fi­nan­cei­ro, em de­tri­men­to da boa qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos”, dis­se.

Maria da Luz Ci­ri­lo acres­cen­tou que os ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais de­vem re­for­çar as ac­ções pa­ra ga­ran­tir a apli­ca­ção efec­ti­va dos de­cre­tos 690/15, de 21 de De­zem­bro, e 244/14, de 9 de Se­tem­bro, que es­ta­be­le­cem as nor­mas de fun­ci­o­na­men­to, li­cen­ci­a­men­to e fis­ca­li­za­ção dos equi­pa­men­tos so­ci­ais de aten­di­men­to à cri­an­ça.

A ins­ta­la­ção e o fun­ci­o­na­men­to de um cen­tro in­fan­til de­vem ser fei­tos com res­pon­sa­bi­li­da­de e no su­pe­ri­or in­te­res­se da cri­an­ça, de­fen­deu a res­pon­sá­vel.

Os pro­pri­e­tá­ri­os de cen­tros in­fan­tis de­vem ade­quar o fun­ci­o­na­men­to dos mes­mos, no pra­zo de um ano, ao de­ter­mi­na­do nos re­fe­ri­dos di­plo­mas le­gais, sob pe­na de fi­ca­rem su­jei­tos à apli­ca­ção de san­ções.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra As­sis­tên­cia So­ci­al ape­lou às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes no sen­ti­do de fa­ze­rem o ca­das­tra­men­to de to­das as ins­ti­tui­ções de aten­di­men­to à pri­mei­ra in­fân­cia.

Re­for­ço da ac­tu­a­ção

A vi­ce-go­ver­na­do­ra de Lu­an­da pa­ra a Área Po­lí­ti­ca e So­ci­al, Ju­ve­li­na Im­pe­ri­al, dis­se que se tor­na im­pe­ri­o­so o re­for­ço da ac­tu­a­ção das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e dos pro­pri­e­tá­ri­os dos equi­pa­men­tos so­ci­ais, vi­san­do a pro­tec­ção, va­lo­ri­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral das cri­an­ças.

De acor­do com Ju­ve­li­na Im­pe­ri­al, de­ve ser da­da mai­or aten­ção às nor­mas téc­ni­cas so­bre as con­di­ções de ins­ta­la­ção e fun­ci­o­na­men­to dos cen­tros in­fan­tis. “As evi­dên­ci­as so­ci­ais de­mons­tram que a cri­an­ça não pre­ci­sa de um am­bi­en­te ex­cep­ci­o­nal pa­ra de­sen­vol­ver o cé­re­bro. Pre­ci­sa sim, de um am­bi­en­te pro­pí­cio, que en­ri­que­ça o seu de­sen­vol­vi­men­to edu­ca­ci­o­nal, pre­pa­ran­do-a pa­ra o fu­tu­ro”, fri­sou.

De­fen­deu que a cri­an­ça de­ve con­vi­ver com adul­tos que lhe as­se­gu­rem o afec­to num am­bi­en­te de se­gu­ran­ça e lhe apre­sen­tem es­tí­mu­los pa­ra in­te­ra­gir com as de­mais pes­so­as. “A pri­mei­ra in­fân­cia é uma fa­se da vi­da mui­to sen­sí­vel, mar­ca­da por rá­pi­das trans­for­ma­ções no de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co, cog­ni­ti­vo, psi­co­ló­gi­co, so­ci­al e emo­ci­o­nal da cri­an­ça”, dis­se.

JOÃO GO­MES

Maria da Luz Ci­ri­lo de­nun­cia a pou­ca pre­o­cu­pa­ção com a boa qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.