Fu­te­bo­lis­tas bri­lham na ado­les­cên­cia

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Os 16 anos mar­cam a fron­tei­ra em que um ado­les­cen­te po­de en­trar no mer­ca­do de tra­ba­lho e dei­xar a es­co­la­ri­da­de obri­ga­tó­ria. Nos EUA, por exem­plo, já se po­de con­du­zir com es­sa ida­de. E é nes­sa ida­de que al­guns jo­ga­do­res pro­di­gi­o­sos co­me­ça­ram a ser lan­ça­dos nas equi­pas se­ni­o­res.

Mas há quem te­nha co­me­ça­do mais ce­do, co­mo é o caso de Ka­ra­mo­ko Dem­be­le, que es­te­ve nas “bo­cas do mun­do” há uma se­ma­na: o jo­vem es­tre­ou-se nos Sub-20 do Cel­tic de Gasl­gow com ape­nas 13 anos.

Em Por­tu­gal, Rú­ben Ne­ves es­tre­ou-se no FC Por­to com 16 anos e é o mais no­vo de sem­pre do clu­be a mar­car na Li­ga, a jo­gar na Cham­pi­ons e mais jo­vem a ca­pi­ta­ne­ar uma equi­pa na Li­ga dos Cam­peões. Hu­go Leal tam­bém fez a sua es­treia pe­lo Ben­fi­ca com 16 anos. Ora, pe­gan­do no te­ma da ida­de, o jor­nal es­pa­nhol “Mar­ca” fez o le­van­ta­men­to de oi­to ca­sos de ado­les­cen­tes que co­me­ça­ram a jo­gar com os adul­tos com ten­ra ida­de. Mau­rí­cio Bal­di­vi­e­so, 12 anos, é o jo­ga­dor mais jo­vem de sem­pre a fa­zer a sua es­treia no fu­te­bol sé­ni­or. O fi­lho do bo­li­vi­a­no Ju­lio Cé­sar Bal­di­vi­e­so foi bap­ti­za­do na pri­mei­ra divisão da Bo­lí­via quando fal­ta­vam três di­as pa­ra com­ple­tar 13 anos. Mau­rí­cio jo­ga­va no Au­ro­ra.

Ra­da­mel Fal­cao, cra­que do Mó­na­co que deu nas vis­tas na Eu­ro­pa no FC Por­to e no Atlé­ti­co Ma­drid, fez o seu pri­mei­ro jo­go com ape­nas 13 anos. El Ti­gre es­tre­ou-se no Lan­ce­ros Boya­cá, equi­pa da Se­gun­da Divisão da Colôm­bia, an­tes de se mu­dar pa­ra o Mil­li­o­na­ri­os. De lá mu­dou-se pa­ra a Aca­de­mia do Ri­ver Pla­te.

Freddy Adu, 14 anos, é o caso mais co­nhe­ci­do do fu­te­bol mun­di­al. Co­me­çou a dar nas vis­tas nos Es­ta­dos Unidos da Amé­ri­ca e atraiu a aten­ção de mui­tos clu­bes. Fez o seu pri­mei­ro jo­go en­tre os “gran­des” da Mayor Le­a­gue Soc­cer com ape­nas 14 anos. E com es­sa ida­de mar­cou pre­sen­ça no Mun­di­al de Sub-17. Com 18 anos foi con­tra­ta­do pe­lo Ben­fi­ca, mas nun­ca con­se­guiu a tal evo­lu­ção que se es­pe­ra­va.

O “Rei” Pe­lé fez a sua es­treia no seu ama­do San­tos com ape­nas 15 anos. O seu ta­len­to era tan­to que ven­ceu o seu pri­mei­ro Mun­di­al de Fu­te­bol pe­lo Brasil com ape­nas 17 anos, em 1958 (Sué­cia). Con­si­de­ra­do co­mo o me­lhor de sem­pre do Brasil e um dos me­lho­res de sem­pre do fu­te­bol mun­di­al, Pe­lé é tam­bém o mais jo­vem de sem­pre a mar­car um go­lo nu­ma fa­se fi­nal de um Mun­di­al.

A car­rei­ra de Ma­ra­do­na es­te­ve sem­pre li­ga­da a de Pe­lé. Du­ran­te mui­tos anos dis­cu­tiu-se quem te­ria si­do o me­lhor: se o bra­si­lei­ro, se o Ar­gen­ti­no. Tal co­mo Pe­lé, El Pi­be tam­bém co­me­çou ce­do a dar nas vis­tas e fez o seu pri­mei­ro jo­go com os “gran­des” com ape­nas 15 anos, no Ar­gen­ti­no Ju­ni­o­res. Tam­bém se es­tre­ou na se­lec­ção ar­gen­ti­na com 17 anos.

Tal co­mo o so­gro Ma­ra­do­na, Kun Ague­ro tam­bém se es­tre­ou no es­ca­lão sé­ni­or com 15 anos, na equi­pa do In­de­pen­di­en­te, ba­ten­do até o re­gis­to de Ma­ra­do­na que era, há 30 anos, o mais jo­vem de sem­pre a jo­gar na Pri­mei­ra divisão da Ar­gen­ti­na. O ta­len­to era tan­to que o Atlé­ti­co Ma­drid não per­deu tem­po em con­tra­tá-lo em 2006, com 17 anos, pa­gan­do 20 mi­lhões de eu­ros pe­lo seu pas­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.