For­ças Ar­ma­das bem equi­pa­das

Ge­ne­ral de Exér­ci­to Ge­ral­do Nun­da vi­si­tou a pro­vín­cia e cons­ta­tou a pron­ti­dão das tro­pas

Jornal de Angola - - PARTADA - ADAL­BER­TO CEITA |

Ape­sar de a gu­er­ra ter ter­mi­na­do há mais de 14 anos, os de­sa­fi­os no do­mí­nio da de­fe­sa e se­gu­ran­ça do país con­ti­nu­am ac­tu­ais, ten­do em aten­ção as ame­a­ças do ter­ro­ris­mo, in­ge­rên­cia ex­ter­na, imi­gra­ção ile­gal e o trá­fi­co de se­res hu­ma­nos. O co­man­do da Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da das FAA tem es­ta­do a mo­der­ni­zar as su­as in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra fa­zer fa­ce a es­ses de­sa­fi­os.

Ape­sar de a gu­er­ra em An­go­la ter ter­mi­na­do, há mais de 14 anos, os de­sa­fi­os no do­mí­nio da de­fe­sa e se­gu­ran­ça do país con­ti­nu­am ac­tu­ais, ten­do em aten­ção as ame­a­ças do ter­ro­ris­mo, in­ge­rên­cia ex­ter­na, imi­gra­ção ile­gal e o trá­fi­co de se­res hu­ma­nos. Nes­te con­tex­to, o co­man­do da Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da tem mo­der­ni­za­do as in­fra-es­tru­tu­ras de mo­do a do­tar os efec­ti­vos de me­lho­res con­di­ções pa­ra o cum­pri­men­to das ta­re­fas que lhe es­tão in­cum­bi­das. Em re­cen­te vi­si­ta de tra­ba­lho àque­la re­gião do país, o che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, ge­ne­ral de Exér­ci­to Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da, ma­ni­fes­tou sa­tis­fa­ção com as obras em cur­so e a pron­ti­dão das tro­pas.

“As vi­tó­ri­as que con­tri­buí­ram pa­ra o al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal só fo­ram pos­sí­veis gra­ças ao es­pí­ri­to de ab­ne­ga­ção e sa­cri­fí­cio de­mons­tra­dos ao lon­go dos anos”. A fra­se que per­ma­nen­te­men­te é in­cu­ti­da aos efec­ti­vos das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) é en­ca­ra­da ago­ra na Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da com mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de e mo­ti­va­ção.

A sa­tis­fa­ção é vi­sí­vel no ros­to dos mi­li­ta­res. Si­mão Ca­co­ma e Ma­nu­el Caho­lo, por exem­plo, in­te­gram o efec­ti­vo em mis­são na Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da. Em­bo­ra ad­mi­tam que o mi­li­tar de­ve ser per­se­ve­ran­te na bus­ca de so­lu­ções pa­ra a su­pe­ra­ção das di­fi­cul­da­des que a mis­são im­põe, elo­gi­am o ci­clo de mo­der­ni­za­ção das in­fra-es­tru­tu­ras que tem aju­da­do a gal­va­ni­zar o es­pí­ri­to de dis­ci­pli­na no seio dos efec­ti­vos.

“É en­co­ra­ja­dor quando sen­ti­mos a pre­o­cu­pa­ção do co­man­do su­pe­ri­or em me­lho­rar as con­di­ções nas ca­ser­nas e de­mais es­tru­tu­ras nas uni­da­des mi­li­ta­res. Aju­da no cum­pri­men­to das mis­sões com mai­or efi­ci­ên­cia”, con­si­de­ra Si­mão Ca­co­ma.

Ma­nu­el Caho­lo con­ver­ge na opi­nião. Mi­li­tar há mais de três anos, de­mons­tra or­gu­lho por en­ver­gar a far­da. Ago­ra mais do que nun­ca. Com a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho, acre­di­ta que o es­for­ço pes­so­al e a de­di­ca­ção são fun­da­men­tais pa­ra es­ca­lar ou­tros pa­ta­ma­res.

No âm­bi­to do pla­no de de­sen­vol­vi­men­to da ins­ti­tui­ção, es­tão em cur­so obras de re­a­bi­li­ta­ção e mo­der­ni­za­ção nas dis­tin­tas uni­da­des e su­bu­ni­da­des da re­gião pa­ra me­lho­rar ca­da vez mais a aco­mo­da­ção dos efec­ti­vos. A ini­ci­a­ti­va é do co­man­do su­pe­ri­or das FAA, que tem dado pas­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos no re­for­ço da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al den­tro da or­ga­ni­za­ção. Du­ran­te a re­cen­te vi­si­ta à Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da, o che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das FAA, ge­ne­ral de exér­ci­to Ge­ral­do Nun­da, vi­si­tou as dis­tin­tas uni­da­des e de­mons­trou sa­tis­fa­ção com o an­da­men­to das obras e a pron­ti­dão das tro­pas.

O co­man­dan­te da Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da, te­nen­te-ge­ne­ral Luís Ma­nu­el Do­min­gos, con­si­de­rou mo­ti­va­do­ra a vi­si­ta da al­ta che­fia das For­ças Ar­ma­das, quando se avi­zi­nha o ani­ver­sá­rio da sua fun­da­ção.

Luís Ma­nu­el Do­min­gos re­fe­riu que sem­pre foi apos­ta do co­man­do su­pe­ri­or me­lho­rar as con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de das tro­pas. A título de exem­plo, o pas­sa­do de es­com­bros que de­fi­nia a ima­gem da uni­da­de 3293, no mu­ni­cí­pio do Bu­co-Zau, faz par­te do pas­sa­do. “Es­ta­mos bem, em­bo­ra com al­gu­ma len­ti­dão, ten­do em con­ta a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que se ob­ser­va no país, mas não es­ta­mos pa­ra­dos”, dis­se. O co­man­dan­te da re­gião ga­ran­tiu que o tra­ba­lho tem con­ti­nui­da­de e que, a par­tir de me­a­dos de De­zem­bro, a su­bu­ni­da­de nú­me­ro 3293, no mu­ni­cí­pio de Be­li­ze, en­tra em fun­ci­o­na­men­to e em con­di­ções pa­ra aco­mo­dar os efec­ti­vos com dig­ni­da­de.

Se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma

Em cons­tru­ção des­de 2012, o fu­tu­ro por­to de águas pro­fun­das em Ca­bin­da tam­bém re­ce­beu a vi­si­ta do che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das FAA e sua co­mi­ti­va. Al­gu­mas das in­fra-es­tru­tu­ras do pro­jec­to já es­tão avan­ça­das. Con­ce­bi­do em três fa­ses, e a ri­gor das nor­mas in­ter­na­ci­o­nais, o em­prei­tei­ro apon­ta a con­clu­são da pri­mei­ra fa­se pa­ra Se­tem­bro do pró­xi­mo ano.

Al­tas che­fi­as mi­li­ta­res con­si­de­ram o pro­jec­to eco­nó­mi­co es­tra­té­gi­co pa­ra An­go­la ao ní­vel do po­si­ci­o­na­men­to na re­gião. Com uma es­tra­da de aces­so de 28 qui­ló­me­tros, o por­to tem ca­pa­ci­da­de pa­ra atra­car na­vi­os com 300 me­tros de com­pri­men­to. As pre­vi­sões apon­tam que re­ce­ba até 200 mil con­ten­to­res por ano.

A vas­ta fron­tei­ra ter­res­tre e ma­rí­ti­ma tor­na a pro­vín­cia pro­pen­sa à imi­gra­ção ile­gal e ou­tros ac­tos cri­mi­no­sos, o que im­pli­ca o re­do­brar das me­di­das de con­tro­lo e se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma. Com o fu­tu­ro por­to de águas pro­fun­das, es­te pen­sa­men­to man­tém-se.

“Te­mos um pla­no de pro­tec­ção ge­né­ri­ca pa­ra de­fe­sa das águas ter­ri­to­ri­ais e sal­va­guar­da de even­tu­ais ata­ques ex­ter­nos”, dis­se o co­man­dan­te da Ma­ri­nha de Gu­er­ra An­go­la­na, al­mi­ran­te Fran­cis­co Jo­sé.

Em­bo­ra não es­te­ja no pro­jec­to ini­ci­al, o pro­ces­so de cons­tru­ção do Por­to es­tá re­cep­ti­vo a in­cluir es­tru­tu­ras pa­ra aco­mo­dar os equi­pa­men­tos da Ma­ri­nha de Gu­er­ra An­go­la­na.

Es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­co-mi­li­tar

A pro­vín­cia de Ca­bin­da go­za de es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­co-mi­li­tar em to­da a sua ex­ten­são, ga­ran­tiu o co­man­dan­te da Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da, te­nen­te-ge­ne­ral Luís Ma­nu­el Do­min­gos.

O ofi­ci­al ge­ne­ral das FAA, que re­a­gia às in­for­ma­ções pro­pa­ga­das nos úl­ti­mos tem­pos a par­tir do ex­te­ri­or, des­car­tou qual­quer ata­que mi­li­tar na pro­vín­cia. “Es­ti­ve­mos no mu­ni­cí­pio do Be­li­ze e tam­bém no mu­ni­cí­pio de Bu­co-Zau, cer­ca de 120 qui­ló­me­tros a nor­te de Ca­bin­da e vo­cês, jor­na­lis­tas, são tes­te­mu­nhas. A si­tu­a­ção é cal­ma e con­vi­do os de­mais ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção pa­ra con­vi­ver con­nos­co em Ca­bin­da, so­bre­tu­do, na re­gião do Mai­om­be”, re­al­çou.

Luís Ma­nu­el Do­min­gos dis­se des­co­nhe­cer a ori­gem e re­ais mo­ti­vos das afir­ma­ções vin­das do ex­te­ri­or do país.

A li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens é no­tá­vel, tan­to no pe­río­do noc­tur­no co­mo no diur­no, ao con­trá­rio do que se apre­goa em al­guns cír­cu­los. “A po­pu­la­ção es­tá tran­qui­la por­que, me­lhor do que nin­guém, é ela que vi­ve em paz e es­ta­bi­li­da­de na pro­vín­cia”, con­cluiu Luís Ma­nu­el Do­min­gos.

TAYSON JÚ­NI­OR | CA­BIN­DA

TAYSON JÚ­NI­OR | CA­BIN­DA

O co­man­do da Re­gião Mi­li­tar de Ca­bin­da es­tá apos­ta­do em mo­der­ni­zar as in­fra-es­tru­tu­ras e do­tar os efec­ti­vos de me­lho­res con­di­ções de tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.