Tran­sac­ções flui­das aju­dam pe­tro­lí­fe­ras

Pe­dro Go­di­nho pe­de aber­tu­ra nos vis­tos e fa­ci­li­da­de na en­tra­da de in­ves­ti­do­res

Jornal de Angola - - PARTADA - MADALENA JO­SÉ |

As com­pa­nhi­as pe­tro­lí­fe­ras que ope­ram em An­go­la re­gis­tam melhorias e flui­dez nas tran­sac­ções in­ter­na­ci­o­nais em re­la­ção a al­guns mo­men­tos me­nos bons ve­ri­fi­ca­dos em me­ses an­te­ri­o­res, quando a cri­se cam­bi­al no país se mos­trou bas­tan­te acen­tu­a­da.

As em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras que ope­ram em An­go­la re­gis­tam melhorias e flui­dez nas tran­sac­ções in­ter­na­ci­o­nais em re­la­ção a al­guns mo­men­tos me­nos bons ve­ri­fi­ca­dos em me­ses an­te­ri­o­res, quando a cri­se cam­bi­al an­go­la­na se mos­trou bas­tan­te acen­tu­a­da, afir­mou on­tem o di­rec­tor exe­cu­ti­vo da Câ­ma­ra de Co­mér­cio Es­ta­dos Unidos-An­go­la (USACC).

Pe­dro Go­di­nho re­co­nhe­ceu que já hou­ve pe­río­dos em que a cri­se ti­nha cri­a­do pro­ble­mas nas tran­sac­ções in­ter­na­ci­o­nais de di­fí­cil ges­tão e, su­bli­nhou, “foi um pro­ble­ma que es­ta­va a le­var mui­tas em­pre­sas à ban­ca ro­ta, com a des­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da, as­so­ci­a­da ao blo­queio que as em­pre­sas ti­nham nos ban­cos co­mer­ci­ais pa­ra con­se­guir di­vi­sas, mas ho­je sen­te-se um alí­vio, tu­do es­tá a ser ul­tra­pas­sa­do e é no­tá­vel que há uma en­tre­ga fir­me da li­de­ran­ça an­go­la­na em con­tor­nar a si­tu­a­ção”.

Re­la­ti­va­men­te à Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, Pe­dro Go­di­nho dis­se que ela ape­nas in­cen­ti­va os in­ves­ti­do­res a en­con­trar ca­mi­nhos de fa­ci­li­ta­ção pa­ra aces­so aos ne­gó­ci­os. “A lei dá o acon­se­lha­men­to pa­ra fa­ci­li­tar a re­a­li­za­ção de ne­gó­ci­os en­tre o in­ves­ti­dor es­tran­gei­ro e o in­ves­ti­dor na­ci­o­nal, de for­ma a que o in­ves­ti­dor na­ci­o­nal ab­sor­va o co­nhe­ci­men­to do es­tran­gei­ro e os pa­drões in­ter­na­ci­o­nais de ne­gó­ci­os exi­gi­dos, tais co­mo con­tas au­di­ta­das, pro­jec­tos bem es­tru­tu­ra­dos e em­pre­sas or­ga­ni­za­das mas is­to só re­flec­te a ne­ces­si­da­de de o em­pre­sá­rio na­ci­o­nal ob­ter a ex­pe­ri­ên­cia do par­cei­ro es­tran­gei­ro”.

Ao fa­lar num de­ba­te or­ga­ni­za­do pe­la Câ­ma­ra de Co­mér­cio Es­ta­dos Unidos-An­go­la so­bre o te­ma “O Am­bi­en­te de Ne­gó­ci­os em An­go­la”, o di­rec­tor exe­cu­ti­vo da USACC con­si­de­rou a no­va lei de in­ves­ti­men­to im­por­tan­te e acon­se­lhou mais aber­tu­ra e fa­ci­li­da­de nos vis­tos, pa­ra que os ho­mens de ne­gó­ci­os e tu­ris­tas en­trem no país e pos­sam, des­te mo­do, ex­plo­rar me­lhor o mer­ca­do.

A título de exem­plo, Pe­dro Go­di­nho ci­tou paí­ses co­mo o Du­bai, Botswa­na e Tan­zâ­nia, on­de o vis­to é ob­ti­do no ae­ro­por­to.

“An­go­la de­ve pen­sar bem na ques­tão de aces­so ao vis­to, já que as em­pre­sas se quei­xam mui­to da bu­ro­cra­cia”, ape­lou Pe­dro Go­di­nho, pa­ra acres­cen­tar que es­ta era uma so­lu­ção pa­ra as em­pre­sas de ne­gó­ci­os, de pro­mo­ção de tu­ris­mo e de cap­ta­ção de di­vi­sas.

“Ho­je, o tu­ris­mo vem a se­guir ao pe­tró­leo e aos di­a­man­tes e, se o país en­trar na ro­ta da pre­fe­rên­cia dos es­tran­gei­ros, is­to vai per­mi­tir a en­tra­da de di­vi­sas e a cir­cu­la­ção de di­nhei­ro in­ter­na­ci­o­nal”, su­bli­nhou. Con­for­me as­se­gu­rou, par­te das re­cla­ma­ções da fal­ta de di­vi­sas faz pen­sar que o país não vi­ve sem pe­tró­leo. “Is­so não é ver­da­de, pois, An­go­la vi­veu, nos anos an­te­ri­o­res, de re­cur­sos vin­dos do ca­fé, quando o pe­tró­leo só re­pre­sen­ta­va dez por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB).”

A em­bai­xa­do­ra dos Es­ta­dos Unidos em An­go­la, He­len La Li­me, ad­mi­tiu que o di­fí­cil aces­so dos in­ves­ti­do­res a An­go­la, de­vi­do aos pro­ble­mas de vis­to, faz com que al­guns em­pre­sá­ri­os pro­cu­rem paí­ses com fa­ci­li­da­de de en­tra­da.

“A for­ma de con­ce­der vis­tos pa­ra o em­pre­sá­rio es­tran­gei­ro em An­go­la tem si­do um dos en­tra­ves aos in­ves­ti­do­res, que aca­bam por pre­fe­rir ou­tros paí­ses afri­ca­nos, on­de in­ves­tem o seu di­nhei­ro”, con­cluiu a em­bai­xa­do­ra.

PAU­LO MULAZA

Em­pre­sá­rio diz quer hou­ve pe­río­dos em que a cri­se cam­bi­al cri­ou pro­ble­mas de di­fí­cil ges­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.