Can­di­da­tos la­va­ram rou­pa su­ja

Jornal de Angola - - PARTADA - IVAN COURONNE e RAMÓN SAHMKOW | AFP

Do­nald Trump e Hil­lary Clin­ton tro­ca­ram acu­sa­ções num ten­so de­ba­te pre­si­den­ci­al no do­min­go, ofus­ca­do por um no­vo es­cân­da­lo en­vol­ven­do o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no após a di­vul­ga­ção de de­cla­ra­ções de­gra­dan­tes so­bre mu­lhe­res e acu­sa­ções con­tra Bill Clin­ton.

Nu­ma dis­cus­são trans­mi­ti­da ao vi­vo pe­las gran­des emis­so­ras de te­le­vi­são ame­ri­ca­nas, o mi­li­o­ná­rio e a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do vol­ta­ram a fi­car ca­ra a ca­ra na uni­ver­si­da­de Washing­ton em Saint Louis, Mis­sou­ri. Com a ten­são no ní­vel má­xi­mo, os dois ad­ver­sá­ri­os evi­ta­ram tro­car um aper­to de mãos ao en­trar no re­cin­to do de­ba­te.

Trump re­pe­tiu a afir­ma­ção de que as su­as de­cla­ra­ções - gra­va­das num ví­deo de 2005, di­fun­di­do na sex­ta­fei­ra - so­bre agar­rar as mu­lhe­res pe­los ge­ni­tais e bei­já-las à for­ça fo­ram “con­ver­sa de ves­tiá­rio”.

“Cer­ta­men­te não es­tou or­gu­lho­so dis­to. Mas foi uma con­ver­sa de ves­tiá­rio”, dis­se Trump, en­quan­to Hil­lary afir­mou que o con­teú­do do diá­lo­go mos­tra que “es­te é Do­nald Trump”, re­for­çan­do que o can­di­da­to con­ser­va­dor “não es­tá ca­pa­ci­ta­do” pa­ra ser pre­si­den­te.

Em­bo­ra te­nha pe­di­do des­cul­pas, o mag­na­ta dis­se que aque­las fo­ram ape­nas pa­la­vras, de­nun­ci­an­do que o ex-pre­si­den­te “Bill Clin­ton foi abu­si­vo com as mu­lhe­res”.

A de­mo­cra­ta con­tra-ata­cou: “Es­te é Do­nald Trump”, acres­cen­tan­do que o can­di­da­to con­ser­va­dor “não es­tá ca­pa­ci­ta­do” pa­ra ser pre­si­den­te.

Trump che­gou pa­ra o se­gun­do de­ba­te pre­si­den­ci­al com a sua cam­pa­nha aba­la­da des­de sex­ta-fei­ra por cau­sa do ví­deo gra­va­do em 2005 no qual o ex-as­tro da te­le­vi­são se van­glo­ria, usan­do pa­la­vras e ex­pres­sões de ex­tre­ma vul­ga­ri­da­de, de se apro­vei­tar da sua con­di­ção de ce­le­bri­da­de pa­ra abu­sar fi­si­ca­men­te das mu­lhe­res.

“Quando se é uma es­tre­la, elas dei­xam fa­zer. A gen­te po­de fa­zer o que qui­ser”, diz Trump na con­ver­sa.

Com a cor­da no pes­co­ço, o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no lan­çou um sur­pre­en­den­te con­tra-ata­que mo­men­tos an­tes do de­ba­te, ao con­vo­car uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa com qua­tro mu­lhe­res, três das quais acu­sam o ex-pre­si­den­te Bill Clin­ton, ex-pre­si­den­te e ma­ri­do de Hil­lary en­tre as dé­ca­das de 1970 e 1990, e a can­di­da­ta de­mo­cra­ta de aju­dar o seu ma­ri­do a de­ne­gri-las.

Pa­ra jo­gar mais le­nha na fo­guei­ra, as qua­tro mu­lhe­res e Bill Clin­ton es­ta­vam na pla­teia do de­ba­te.

A ape­nas qua­tro se­ma­nas das elei­ções, os dois can­di­da­tos res­pon­de­ram a per­gun­tas de dois mo­de­ra­do­res e de um pai­nel for­ma­do por elei­to­res in­de­ci­sos.

Hil­lary “pre­sa”

Trump trou­xe de vol­ta a po­lé­mi­ca so­bre o uso que a ad­ver­sá­ria fez de um ser­vi­dor pri­va­do de e-mails quando foi se­cre­tá­ria de Es­ta­do, ame­a­çan­do le­vá-la pe­ran­te a justiça se for elei­to pre­si­den­te.

“Se eu ven­cer, vou ins­truir o pro­cu­ra­dor-ge­ral pa­ra de­sig­nar um pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al pa­ra ana­li­sar a sua si­tu­a­ção por­que hou­ve mui­tas men­ti­ras, mui­ta coi­sa ocul­ta”, dis­se Trump à ad­ver­sá­ria de­mo­cra­ta.

Hil­lary Clin­ton res­pon­deu: “É sim­ples­men­te ma­ra­vi­lho­so que al­guém com o temperamento de Do­nald Trump não se­ja res­pon­sá­vel pe­la lei no nos­so país”, le­van­do Trump a re­tru­car: “por­que vo­cê es­ta­ria na pri­são”.

Rús­sia

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta de­nun­ci­ou que a Rús­sia in­va­diu sis­te­mas ci­ber­né­ti­cos ame­ri­ca­nos pa­ra in­flu­en­ci­ar as elei­ções a fa­vor do seu ad­ver­sá­rio, o mag­na­ta Do­nald Trump.

“Acre­di­tem, eles não es­tão a fa­zer is­to pa­ra que eu se­ja elei­ta. Es­tão a fa­zer is­to pa­ra in­flu­en­ci­ar a elei­ção a fa­vor de Do­nald Trump”, dis­se a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do. Em res­pos­ta, Trump dis­se que es­ta ver­são era “ri­dí­cu­la” e que Hil­lary “nem mes­mo sa­be se foi a Rús­sia quem in­va­diu” os sis­te­mas de informática do par­ti­do De­mo­cra­ta.

“Tal­vez nem mes­mo te­nham exis­ti­do es­sas in­va­sões”, afir­mou Trump, as­se­gu­ran­do que não tem ne­gó­ci­os com a Rús­sia.

Au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas acu­sa­ram for­mal­men­te a Rús­sia por uma sé­rie de in­va­sões dos sis­te­mas in­for­má­ti­cos dos de­mo­cra­tas. O go­ver­no rus­so qua­li­fi­cou es­tas acu­sa­ções co­mo fal­sas.

Num ou­tro mo­men­to do de­ba­te, a de­mo­cra­ta de­fen­deu o es­ta­be­le­ci­men­to de zonas se­gu­ras na Sí­ria, bem co­mo es­for­ços pa­ra in­ves­ti­gar a Rús­sia por cri­mes de gu­er­ra co­me­ti­dos em apoio ao pre­si­den­te sí­rio, Bashar al-As­sad.

Re­pu­bli­ca­nos bus­cam saí­da

O mais re­cen­te es­cân­da­lo en­vol­ven­do Trump, que ini­ci­ou a sua cam­pa­nha cha­man­do de “es­tu­pra­do­res” aos imi­gran­tes ile­gais e pro­vo­cou crí­ti­cas por se ter re­fe­ri­do a uma exMiss Universo venezuelana co­mo “por­qui­nha”, caiu co­mo uma bom­ba pa­ra a cam­pa­nha do mi­li­o­ná­rio.

Nes­te do­min­go, no meio de uma on­da ge­ne­ra­li­za­da de in­dig­na­ção, o pró­prio pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma con­de­nou as de­cla­ra­ções de Trump no ví­deo pu­bli­ca­do na sex­ta-fei­ra, as quais con­si­de­rou “de­gra­dan­tes”.

“Não pre­ci­so de re­pe­tir. Há cri­an­ças na sa­la... De­ne­grir as mu­lhe­res, de­gra­dá-las, mas tam­bém as mi­no­ri­as, os imi­gran­tes, as pes­so­as de ou­tras cren­ças, fa­zer pou­co dos de­fi­ci­en­tes... (Trump) Re­bai­xa os de­mais pa­ra se atri­buir im­por­tân­cia”, dis­se Oba­ma num ac­to pú­bli­co no Es­ta­do de Il­li­nois.

Des­de a di­vul­ga­ção da gra­va­ção, Trump di­fun­diu um ví­deo pe­din­do des­cul­pas, mas o es­tra­go já es­ta­va fei­to. Fi­gu­ras pro­e­mi­nen­tes do par­ti­do Re­pu­bli­ca­no jun­ta­ram-se ao cla­mor ge­ral pa­ra que Trump de­sis­ta da cam­pa­nha em be­ne­fí­cio do seu com­pa­nhei­ro de cam­pa­nha, Mi­ke Pen­ce, can­di­da­to a vi­ce-pre­si­den­te.

Mas o mag­na­ta dis­se que há “ze­ro opor­tu­ni­da­des” de que is­to ocor­ra. “Nun­ca, ja­mais me dou por ven­ci­do”, afir­mou. O pró­prio Pen­ce dis­se sen­tir-se “ofen­di­do” com as pa­la­vras de Trump, e que pa­ra ele era im­pos­sí­vel de­fen­dê-lo, em­bo­ra te­nha sau­da­do o pe­di­do de des­cul­pas fei­to pe­lo co­le­ga.

En­tre os re­pu­bli­ca­nos que re­ti­ra­ram o seu apoio a Trump des­ta­cam­se o se­na­dor John McCain e Mitt Rom­ney, ex-can­di­da­tos pre­si­den­ci­ais em 2008 e 2012, res­pec­ti­va­men­te, a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do Con­do­le­ez­za Ri­ce e o ac­tor e ex-go­ver­na­dor da Ca­li­fór­nia Ar­nold Schwar­ze­neg­ger.

Es­te con­tex­to tor­nou o de­ba­te des­te do­min­go po­ten­ci­al­men­te de­ci­si­vo nu­ma cam­pa­nha que no úl­ti­mo mês mos­trou Hil­lary e Trump pra­ti­ca­men­te em­pa­ta­dos, com uma van­ta­gem ape­nas mar­gi­nal - in­fe­ri­or à mar­gem de er­ro de ca­da pes­qui­sa pa­ra a ex-se­cre­tá­ria de Es­ta­do.

Es­ta van­ta­gem pa­re­ce ter-se con­so­li­da­do e am­pli­a­do após o de­sem­pe­nho me­dío­cre de Trump no pri­mei­ro de­ba­te, re­a­li­za­do há du­as se­ma­nas per­to de No­va York.

REU­TERS

Hil­lary Clin­ton can­di­da­ta de­mo­cra­ta

REU­TERS

Do­nald Trump can­di­da­to con­ser­va­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.