Cons­tru­ções ame­a­çam se­gu­ran­ça no Ae­ro­por­to “Albano Ma­cha­do”

Di­rec­tor da ENANA ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção e pro­me­te to­mar me­di­das du­ras

Jornal de Angola - - PARTADA - TATIANA MAR­TA |

O ele­va­do nú­me­ro de edi­fí­ci­os que es­tão a ser er­gui­das pró­xi­mo da pis­ta do ae­ro­por­to Albano Ma­cha­do, no Huambo, e o rou­bo de mais de 800 me­tros de ara­me la­mi­na­do da ve­da­ção por des­co­nhe­ci­dos, co­lo­ca em ris­co a se­gu­ran­ça dos mo­ra­do­res e da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Na­ve­ga­ção Área (ENANA), aler­tou o res­pon­sá­vel da ins­ti­tui­ção na­que­la pro­vín­cia.

Abel Hos­si ma­ni­fes­tou-se pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção e acu­sou al­guns fun­ci­o­ná­ri­os dos ser­vi­ços de fis­ca­li­za­ção da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Huambo de se­rem co­ni­ven­tes, per­mi­tin­do que se­jam cons­truí­das re­si­dên­ci­as pró­xi­mo da pis­ta do ae­ro­por­to. O res­pon­sá­vel de­nun­ci­ou que al­guns mo­ra­do­res, cu­jas re­si­dên­ci­as fo­ram er­gui­das a pou­cos me­tros da pis­ta, além de des­truí­rem a ve­da­ção, co­lo­cam tam­bém re­sí­du­os só­li­dos jun­to dos ara­mes, cri­an­do, des­te mo­do, um im­pac­to ne­ga­ti­vo no meio am­bi­en­te e na avi­a­ção, por atraí­rem aves. Ali­a­do a is­so, cri­an­ças e ani­mais, co­mo ca­ní­de­os e ga­do bo­vi­no e ca­pri­no atra­ves­sam a pis­ta.

Pa­ra com­ba­ter a cons­tru­ção anár­qui­ca, o res­pon­sá­vel pro­me­teu to­mar me­di­das du­ras e pa­ra es­se efei­to foi cri­a­da uma co­mis­são pa­ra iden­ti­fi­car os pro­pri­e­tá­ri­os das ha­bi­ta­ções. En­tre os me­ses de Ju­lho e Agos­to des­te ano, a ENANA de­sen­vol­veu tra­ba­lhos de re­pa­ra­ção dos três qui­ló­me­tros da ve­da­ção, com vis­ta a ga­ran­tir a se­gu­ran­ça ae­ro­náu­ti­ca, além de ter aber­to 13 qui­ló­me­tros de pi­ca­das pa­ra fa­ci­li­tar o pa­tru­lha­men­to da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, ten­do em con­ta os ac­tos de van­da­lis­mo pra­ti­ca­dos pe­los mo­ra­do­res das áre­as vi­zi­nhas.

O res­pon­sá­vel da ENANA ex­pli­cou que fo­ram ve­da­dos 16 qui­ló­me­tros, res­tan­do fe­char par­te do es­pa­ço que des­ti­na­do à ins­ta­la­ção de equi­pa­men­tos di­ver­sos, co­mo de­fi­nem as re­gras in­ter­na­ci­o­nais da avi­a­ção ci­vil.

Ní­veis ope­ra­ci­o­nais

Ape­sar das cons­tan­tes chu­vas que se aba­tem anu­al­men­te so­bre a pro­vín­cia do Huambo, o di­rec­tor da ENANA ga­ran­tiu que o ae­ro­por­to Albano Ma­cha­do man­tém os ha­bi­tu­ais ní­veis de ope­ra­ci­o­na­li­da­de, in­cluin­do a se­gu­ran­ça e o con­for­to dos pas­sa­gei­ros.

Abel Hos­si ga­ran­tiu que a chu­va não cons­ti­tui qual­quer pro­ble­ma pa­ra a ope­ra­ção ae­ro­náu­ti­ca, pois, re­fe­riu que a pis­ta con­ti­nua in­tac­ta e nas me­lho­res con­di­ções de ater­ra­gem de ae­ro­na­ves.

“O ae­ro­por­to Albano Ma­cha­do es­tá cons­truí­do nu­ma zo­na com boa dre­na­gem de água. Fe­liz­men­te, nun­ca ti­ve­mos qual­quer di­fi­cul­da­de re­la­ci­o­na­da com a inun­da­ção da pis­ta ou can­ce­la­men­to das ae­ro­na­ves por ques­tões de se­gu­ran­ça”, dis­se. O di­rec­tor da ENANA no Huambo in­for­mou que os ser­vi­ços de trá­fe­go aé­reo são as­ses­so­ra­dos por téc­ni­cos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Me­te­o­ro­lo­gia e Ge­o­fí­si­ca (INAMET), de mo­do a per­mi­tir que as tri­pu­la­ções se­jam in­for­ma­das so­bre as con­di­ções cli­má­ti­cas da re­gião, pla­ni­fi­can­do as ope­ra­ções de voo.

O ae­ro­por­to Albano Ma­cha­do, rei­nau­gu­ra­do em 2011, pos­sui 10 con­ces­si­o­ná­ri­os com di­ver­sos ser­vi­ços aos pas­sa­gei­ros, de acor­do com o no­vo pa­ra­dig­ma de ges­tão ae­ro­náu­ti­ca.

SAN­TOS PE­DRO

Ara­mes da ve­da­ção do ae­ro­por­to do Huambo es­tão a ser van­da­li­za­dos por des­co­nhe­ci­dos co­lo­can­do em ris­co a se­gu­ran­ça dos mo­ra­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.