De­sen­vol­vi­men­to che­ga de com­boio

Trans­por­te se­gu­ro de pes­so­as e mer­ca­do­ri­as ga­ran­ti­do pe­lo Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la

Jornal de Angola - - PARTADA - LEONEL KASSANA |

Des­de 2012, que o com­boio do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la api­ta da ci­da­de do Lo­bi­to, no li­to­ral atlân­ti­co, até ao mu­ni­cí­pio do Lu­au, pro­vín­cia do Mo­xi­co, ex­tre­mo leste de An­go­la, na fron­tei­ra com a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, e o ní­vel de vi­da da po­pu­la­ção por aque­las pa­ra­gens re­gis­ta me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas em to­dos os do­mí­ni­os. A co­me­çar pe­la cir­cu­la­ção se­gu­ra e ba­ra­ta das pes­so­as, pas­san­do pe­lo trans­por­te de to­do o ti­po de mer­ca­do­ria e ma­te­ri­al in­dis­pen­sá­vel pa­ra a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das di­fe­ren­tes vi­las e po­vo­a­ções atra­ves­sa­das pe­lo Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la.

O Jor­nal de An­go­la fez-se, por al­guns di­as, ao com­boio, li­gan­do o Lo­bi­to ao Lu­au, de­pois de atra­ves­sar mon­ta­nhas, sa­va­nas e flo­res­tas. Me­diu o im­pac­to di­rec­to e in­di­rec­to do com­boio na po­pu­la­ção que ha­bi­ta pró­xi­mo do tra­ça­do do Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la e na­que­la que, de zo­nas dis­tan­tes, che­ga pa­ra ven­der pro­du­tos agrí­co­las, hor­tí­co­las, ani­mais, car­vão, pei­xe do rio e ou­tros. Con­ver­sá­mos com gen­te do cam­po, que faz ho­je das vá­ri­as es­ta­ções do CFB, com­ple­ta­men­te re­a­bi­li­ta­das, o seu des­ti­no pre­fe­ri­do pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção do re­sul­ta­do das la­vou­ras, fa­zen­do es­que­cer, em de­fi­ni­ti­vo, o es­pec­tro da fo­me e da po­bre­za, mui­to pre­sen­te nes­sas re­giões an­tes da re­to­ma­da dos com­boi­os.

A in­cur­são do Jor­nal de An­go­la, de com­boio, pe­lo Leste de An­go­la co­me­ça às cin­co ho­ras no Lo­bi­to. O com­boio le­va mais de 400 pas­sa­gei­ros pa­ra a ci­da­de do Hu­am­bo, nú­me­ro que vai cres­cen­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te à medida que vai pas­san­do por di­fe­ren­tes lo­ca­li­da­des.

No Lo­bi­to, o Exe­cu­ti­vo, apos­ta­do na pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co de An­go­la, por via do CFB, man­dou er­guer, de raiz, uma mo­der­na es­ta­ção, in­fra-es­tru­tu­ra in­tei­ra­men­te ali­nha­da com um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma de mo­der­ni­za­ção e re­a­bi­li­ta­ção das in­fra-es­tru­tu­ras fer­ro­viá­ri­as. Uma im­po­nen­te obra, ho­je fei­ta um au­tên­ti­co pos­tal da cha­ma­da “sa­la de vi­si­tas de An­go­la”, co­mo tam­bém é cha­ma­da a ci­da­de dos fla­min­gos, e que foi pen­sa­da pa­ra dar o má­xi­mo de co­mo­di­da­de aos pas­sa­gei­ros e pres­tar ser­vi­ços de ele­va­do pa­drão. À es­ta­ção fer­ro­viá­ria do Lo­bi­to so­mam-se ou­tras 37 até à ci­da­de do Hu­am­bo, a tra­du­zir o gi­gan­tes­co es­for­ço de re­cu­pe­ra­ção das in­fra-es­tru­tu­ras ao lon­go do tra­ça­do do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la.

Re­po­si­ção da li­nha fér­rea

Há se­te anos, vi­a­jan­do num ATL (au­to­mó­vel de trans­por­te de li­nha), o Jor­nal de An­go­la to­ma­ra, pe­la pri­mei­ra vez, o pul­so às obras de re­a­bi­li­ta­ção da li­nha do CFB. Ha­via re­cei­os fun­da­dos em al­guns tro­ços por cau­sa de um “com­boio que an­da­va a es­pa­lhar a bri­ta na via”, co­mo ex­pli­ca­va o en­tão ins­pec­tor de trac­ção da li­nha do CFB, Pe­dro Oli­vei­ra.

A bri­ta, com efei­to, é ma­té­ria-pri­ma in­dis­pen­sá­vel pa­ra a co­lo­ca­ção de tra­ves­sas e ou­tros com­po­nen­tes pa­ra a mon­ta­gem de uma li­nha fér­rea. Es­ta­va-se, na al­tu­ra, nu­ma au­tên­ti­ca corrida contra o tem­po pa­ra re­co­lo­car o com­boio so­bre os car­ris no ano de 2012 e ala­van­car o de­sen­vol­vi­men­to das re­giões que for­mam o cha­ma­do “Cor­re­dor do Lo­bi­to”, a pla­ta­for­ma que in­te­gra trans­por­tes fer­ro­viá­ri­os, ma­rí­ti­mos, aé­re­os e ter­res­tres.

Pre­o­cu­pa­ções co­mo es­ta, con­tu­do, já fa­zem par­te do pas­sa­do por­que a li­nha es­tá com­ple­ta­men­te li­ga­da des­de 2012, do Lo­bi­to ao Lu­au, em­bo­ra, por pre­cau­ção, o com­boio não ul­tra­pas­se os se­ten­ta qui­ló­me­tros por ho­ra.

Na li­nha do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la ain­da exis­tem im­por­tan­tes em­prei­ta­das por con­cluir, co­mo a con­so­li­da­ção dos tra­ba­lhos de via, o aca­ba­men­to do sis­te­ma in­te­gra­do de co­mu­ni­ca­ções, co­man­do e con­tro­lo das cir­cu­la­ções, in­cluin­do tes­tes em al­guns tro­ços. Pros­se­gue, igual­men­te, o re­for­ço das áre­as de dre­na­gem ao lon­go da li­nha. Tu­do is­so pa­ra ga­ran­tir uma cir­cu­la­ção mais se­gu­ra do com­boio.

Mal to­má­mos a “nos­sa” car­ru­a­gem, fi­ze­mos uma pa­ra­gem na es­ta­ção da Ca­tum­be­la e ou­tra no Ne­grão, au­tên­ti­ca pla­ca gi­ra­tó­ria dos com­boi­os pa­ra o pla­nal­to cen­tral e a ci­da­de de Ben­gue­la. Do Ne­grão a Caim­bam­bo, pas­sa-se pe­la área do Gu­vi­ri­ri, on­de foi ins­ta­la­do um apa­re­lho res­pon­sá­vel pe­la me­di­ção das águas do rio Cu­bal, cu­jas en­chen­tes pro­vo­ca­ram, no pas­sa­do, enor­mes pre­juí­zos em vi­das hu­ma­nas, co­lhei­tas e ga­do. Mas an­tes, fi­ze­mos tam­bém li­gei­ras pa­ra­gens nas lo­ca­li­da­des de Can­go, Om­be, Câ­bio e Mi­na. Nin­guém fi­ca in­di­fe­ren­te ao api­to do com­boio.

De­ze­nas de po­pu­la­res to­mam o com­boio pa­ra Caim­bam­bo, Cu­bal, Gan­da, Ba­ba­e­ra, Al­to Ca­tum­be­la e ou­tras lo­ca­li­da­des mais pa­ra o in­te­ri­or de An­go­la. Ou­tros apro­vei­tam pa­ra ven­der pro­du­tos agrí­co­las e ani­mais do­més­ti­cos. An­tes da Gan­da, pas­sa-se pe­las lo­ca­li­da­des de Mem­bas­so­so, Chim­boa e Sam­bu. Aqui, há tam­bém cla­ros si­nais de vi­ta­li­da­de com a che­ga­da do com­boio.

Ao che­gar ao Al­to Ca­tum­be­la, vêm-nos à me­mó­ria a an­ti­ga fá­bri­ca de pa­pel e ce­lu­lo­se, ho­je fei­ta um au­tên­ti­co mons­tro ador­me­ci­do por cul­pa dos anos de con­fli­to ar­ma­do. Úni­ca re­fe­rên­cia in­dus­tri­al da re­gião no pas­sa­do, a fá­bri­ca de ce­lu­lo­se es­tá aí à es­pe­ra de in­ves­ti­do­res pa­ra a sua re­cu­pe­ra­ção e pa­ra re­co­lo­car o país na ro­ta da au­to-su­fi­ci­ên­cia e mes­mo pa­ra a ex­por­ta­ção de pa­pel.

Pe­lo me­nos, ma­té­ria-pri­ma não fal­ta­rá. São enor­mes as ex­ten­sões de plan­ta­ção de eu­ca­lip­tos a ju­san­te e a mon­tan­te. Mais ao fun­do da pe­que-

na lo­ca­li­da­de, ain­da é vi­sí­vel aque­la que no pas­sa­do foi uma prós­pe­ra fá­bri­ca de vi­nho: inac­ti­va, aguar­da tam­bém por in­ves­ti­do­res.

Com o com­boio a cir­cu­lar, de­ze­nas de cam­po­ne­ses vi­ram che­gar uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ven­de­rem ana­nás e ou­tras fru­tas que an­tes ali­men­ta­vam a uni­da­de fa­bril do Al­to Ca­tum­be­la.

Com­boio da es­pe­ran­ça

Na ver­da­de, a che­ga­da do com­boio a lo­ca­li­da­des co­mo Caim­bam­bo, Cu­bal, Gan­da,Tchin­jen­je, Uku­ma, Lon­gon­jo, Caá­la e ou­tras é sem­pre mo­ti­vo de ce­le­bra­ção pa­ra os cam­po­ne­ses, de­se­jo­sos de ven­der tu­do o que po­dem.

Des­de ce­re­ais, fei­jão, hor­tí­co­las, ba­ta­ta re­na, ba­ta­ta-do­ce, ana­nás e aba­ca­te e ou­tros bens que ago­ra são pro­du­zi­dos em gran­des quan­ti­da­des e sem o ris­co de se de­te­ri­o­ra­rem no cam­po por fal­ta de mer­ca­do, pas­san­do por ani­mais de pe­que­no por­te, co­mo ca­bri­tos e por­cos, bem co­mo ga­li­nhas, pa­tos e uma va­ri­e­da­de de aves.

O com­boio fun­ci­o­na, tam­bém, co­mo um for­te in­cen­ti­vo à pro­du­ção ru­ral, de­vi­do à sua aces­si­bi­li­da­de e, so­bre­tu­do, à ele­va­da ca­pa­ci­da­de de es­co­a­men­to. “O com­boio trans­por­ta tu­do”, diz-nos um ma­qui­nis­ta, no Cu­bal, sa­tis­fei­to com o em­bar­que e de­sem­bar­que de pas­sa­gei­ros e o fre­ne­sim de ven­de­do­res de oca­sião jun­to à es­ta­ção do CFB. Es­se é o am­bi­en­te que se as­sis­te to­dos os di­as à che­ga­da do com­boio.

Cu­bal é uma im­por­tan­te vi­la que fi­ca a 154 qui­ló­me­tros do li­to­ral e a 32 de Caim­bam­bo, pri­mei­ra das vá­ri­as pa­ra­gens mais ou me­nos pro­lon­ga­das do com­boio pa­ra per­mi­tir o em­bar­que de bens agrí­co­las e pas­sa­gei­ros. Ocu­pa um lu­gar cen­tral na his­tó­ria mais re­cen­te da re­a­bi­li­ta­ção do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la, já que a sua es­ta­ção es­te­ve sem­pre fun­ci­o­nal e as­se­gu­ra­va, três ve­zes por se­ma­na, um ser­vi­ço re­gu­lar de trans­por­te de pas­sa­gei­ros e mer­ca­do­ri­as des­de a ci­da­de do Lo­bi­to. Com com­po­si­ções de 15 car­ru­a­gens, o com­boio as­se­gu­ra­va o trans­por­te de 1.500 pas­sa­gei­ros por vi­a­gem.

Um fer­ro­viá­rio re­co­nhe­ce que a es­ta­ção do Cu­bal as­su­me uma par­ti­cu­lar im­por­tân­cia pa­ra a po­pu­la­ção, pois “o mu­ni­cí­pio do Cu­bal vi­ve es­sen­ci­al­men­te da agri­cul­tu­ra e os cam­po­ne­ses pre­ci­sam de es­co­ar pa­ra ven­der os seus pro­du­tos, so­bre­tu­do nas gran­des ci­da­des do li­to­ral, co­mo Ben­gue­la e Lo­bi­to e é is­so o que ex­pli­ca to­do es­se gran­de mo­vi­men­to”.

Na ver­da­de, che­gar ao Cu­bal em di­as de com­boio é ir ao en­con­tro de uma vi­ra­gem com­ple­ta e de­fi­ni­ti­va da his­tó­ria da re­gião. De car­ro, car­ro­ças, mo­to­ri­za­das ou mes­mo a pé, de to­das as co­mu­nas e al­dei­as che­gam cen­te­nas de pes­so­as à vi­la pa­ra ven­de­rem os seus pro­du­tos.

No re­gres­so, le­vam pa­ra ca­sa o pei­xe (se­co so­bre­tu­do), sal, açú­car, rou­pa usa­da, bem co­mo ins­tru­men­tos de tra­ba­lho, co­mo en­xa­das, ca­ta­nas, ma­cha­dos, char­ru­as e ou­tros mei­os pa­ra uso nas la­vou­ras.

O de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al das di­fe­ren­tes po­vo­a­ções en­cra­va­das nas pro­vín­ci­as de Ben­gue­la, Hu­am­bo, Bié e Mo­xi­co pas­sa ho­je, in­ques­ti­o­na­vel­men­te, pe­lo Ca­mi­nho­de-Fer­ro de Ben­gue­la. Pe­las car­ru­a­gens e va­gões do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la pas­sam des­de be­bi­das, so­bre­tu­do cer­ve­ja, fa­ri­nha de mi­lho, sal, pei­xe se­co, gás bu­ta­no, com­bus­tí­veis (ga­so­li­na e ga­só­leo), di­ver­so ma­te­ri­al de cons­tru­ção, vi­a­tu­ras, su­ca­tas, ci­men­to, equi­pa­men­tos agrí­co­las, rou­pa usa­da, cal­cá­rio, mo­bi­liá­rio, col­chões, ma­te­ri­al de te­le­co­mu­ni­ca­ções, ci­men­to e to­da a pa­ra­fer­ná­lia es­sen­ci­al às pes­so­as e pa­ra a mon­ta­gem e re­cu­pe­ra­ção de in­fra-es­tru­tu­ras nas re­giões atra­ves­sa­das pe­lo com­boio.

Os res­pon­sá­veis do CFB es­me­ram-se em for­ne­cer da­dos à nos­sa re­por­ta­gem. Em 2012, no rei­ní­cio da cir­cu­la­ção do com­boio, 23.968 pes­so­as vi­a­ja­ram pe­lo CFB, do Lo­bi­to ao Hu­am­bo, ci­fra que caiu pa­ra 11.324 no ano a se­guir, re­gis­tan­do uma li­gei­ra su­bi­da em 2014 ao fi­car em 18.775. O ano pas­sa­do hou­ve qua­se o do­bro de pas­sa­gei­ros nes­sa frequên­cia, com um re­gis­to de 35.860 pes­so­as. E quan­do fal­tam ain­da cer­ca de três me­ses pa­ra ter­mi­nar o ano, o nú­me­ro de uten­tes do com­boio já vai em 26.399, o que in­di­cia um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo. Por es­sa li­nha pas­sa­ram, as­sim, mais de 116.326 pes­so­as. Os nú­me­ros so­bre o trans­por­te de mer­ca­do­ri­as são mais sig­ni­fi­ca­ti­vos: 73.521 to­ne­la­das des­de 2012 até ago­ra, se­gun­do da­dos do CFB.

Si­nais de vi­ta­li­da­de

Há si­nais de gran­de vi­ta­li­da­de em to­do o tra­ça­do do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la. O com­boio de­vol­veu a es­pe­ran­ça de uma vi­da me­lhor à po­pu­la­ção, pois ha­via, co­mo se diz nou­tro es­pa­ço des­ta pe­ça, mui­tos pro­du­tos a es­tra­ga­rem-se nos cam­pos agrí­co­las.

Ho­je, mui­ta gen­te ven­de mi­lho, fei­jão, ba­ta­ta-do­ce, le­gu­mes e ou­tros pro­du­tos nos mer­ca­dos de Ben­gue­la, Lo­bi­to e nou­tros cen­tros ur­ba­nos um pou­co por to­do o país.

Uma mu­dan­ça que se re­flec­te na me­lho­ria do ní­vel de vi­da da po­pu­la­ção. Is­so é vi­sí­vel con­ver­san­do com as pes­so­as que acor­rem às es­ta­ções à pas­sa­gem do com­boio. Sem mui­to es­for­ço, per­ce­be-se que, na ge­ne­ra­li­da­de, há uma enor­me sa­tis­fa­ção pe­la che­ga­da do com­boio.

As di­fi­cul­da­des das fa­mí­li­as pa­ra com as des­pe­sas das cri­an­ças nas es­co­las co­me­çam a fa­zer par­te do pas­sa­do. Há al­gu­ma pou­pan­ça pa­ra a aqui­si­ção de bens ma­nu­fac­tu­ra­dos e ali­men­ta­res, co­mo o óleo, açú­car, lei­te, sal, pei­xe, sa­bão e ou­tros. O pa­ga­men­to de pe­que­nos ser­vi­ços nas vá­ri­as re­par­ti­ções já não cons­ti­tui pro­ble­ma. Tu­do is­so é par­te do im­pac­to di­rec­to do com­boio jun­to da po­pu­la­ção.

Já é noi­te quan­do al­can­çá­mos a ci­da­de do Hu­am­bo. An­tes, pas­sá­mos pe­las es­ta­ções dos mu­ni­cí­pi­os de Tchin­jen­je, Uku­ma, Lon­gon­jo, Lé­pi, Ca­len­ga e Caá­la. No Hu­am­bo, es­tá em cons­tru­ção um cen­tro pa­ra a for­ma­ção dos téc­ni­cos do Ca­mi­nho-deFer­ro de Ben­gue­la e uma li­nha pa­ra for­ma­ção prá­ti­ca na con­du­ção de veí­cu­los e ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras da via.

O com­boio se­gue pa­ra a pro­vín­cia do Bié, uma po­tên­cia agrí­co­la no cen­tro de An­go­la. Aqui, a po­pu­la­ção vê re­a­vi­va­das as es­pe­ran­ças pa­ra o es­co­a­men­to da sua pro­du­ção, a par­tir das es­ta­ções do Ku­nhin­ga, Cun­je, Ca­ta­bo­la, Chi­pe­ta, Ca­ma­cu­pa, Cu­em­ba e ou­tras lo­ca­li­da­des do Mo­xi­co, on­de a li­nha fér­rea ter­mi­na na es­ta­ção do Lu­au, jun­to à fron­tei­ra da RDC e da Zâm­bia. Aí o im­pac­to do com­boio é ab­so­lu­ta­men­te no­tá­vel. É a pró­xi­ma eta­pa des­ta in­cur­são pe­lo leste de An­go­la a par­tir do Lo­bi­to.

M. MACHANGONGO

Com­boi­os do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Ben­gue­la ga­ran­tem trans­por­te se­gu­ro de pes­so­as e mer­ca­do­ri­as no Leste de An­go­la

M.MACHANGONGO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.