Si­tu­a­ção na RDC é pre­o­cu­pan­te

Je­an-Clau­de Ga­kos­so con­fir­mou a vi­si­ta do Pre­si­den­te do Con­go Braz­za­vil­le es­te mês a An­go­la

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

De­pois da Áfri­ca do Sul ter ma­ni­fes­ta­do “for­te pre­o­cu­pa­ção” com o ac­tu­al qua­dro po­lí­ti­co da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), on­tem foi a vez do Con­go Braz­za­vil­le jun­tar a sua voz e lan­çar um ape­lo à so­lu­ção pa­cí­fi­ca pa­ra a cri­se no país vi­zi­nho, nu­ma al­tu­ra em que de­cor­rem em Kinsha­sa con­ver­sa­ções com os di­fe­ren­tes ac­to­res po­lí­ti­cos lo­cais, sob a égi­de do Ór­gão de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC). Em de­cla­ra­ções on­tem à im­pren­sa, em Lu­an­da, após ter si­do re­ce­bi­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o mi­nis­tro con­go­lês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Je­an-Clau­de Ga­kos­so, con­si­de­rou “ex­tre­ma­men­te pre­o­cu­pan­te” a si­tu­a­ção na vi­zi­nha RDC. O che­fe da di­plo­ma­cia con­go­le­sa re­fe­riu que os fac­to­res que ho­je di­vi­dem a clas­se po­lí­ti­ca da RDC são as elei­ções que es­ta­vam apon­ta­das pa­ra es­te ano, ti­das co­mo “cru­ci­ais pa­ra a es­ta­bi­li­da­de do país”, e o fim do man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la no pró­xi­mo mês de De­zem­bro. “Mas to­dos nós tam­bém cons­ta­ta­mos que não exis­tem con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção des­sas elei­ções. Por is­so, há que di­a­lo­gar pa­ra se en­con­trar uma so­lu­ção na ba­se do diá­lo­go e da con­cer­ta­ção en­tre os ac­to­res po­lí­ti­cos con­go­le­ses”, de­fen­deu.

De­pois da Áfri­ca do Sul ter ma­ni­fes­ta­do “for­te pre­o­cu­pa­ção” com o ac­tu­al qua­dro po­lí­ti­co da RDC, o Con­go Braz­za­vil­le jun­ta a sua voz num ape­lo à so­lu­ção pa­cí­fi­ca pa­ra a cri­se no país.

Nu­ma al­tu­ra em que de­cor­rem em Kinsha­sa con­ver­sa­ções com os di­fe­ren­tes ac­to­res po­lí­ti­cos lo­cais, sob a égi­de do Ór­gão de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC), ga­nha cor­po o mo­vi­men­to pe­lo diá­lo­go na RDC en­vol­ven­do or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais e países vi­zi­nhos.

Num cur­to bri­e­fing com jor­na­lis­tas, on­tem, em Lu­an­da, após ter si­do re­ce­bi­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o mi­nis­tro con­go­lês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros con­si­de­rou “ex­tre­ma­men­te pre­o­cu­pan­te” a si­tu­a­ção na RDC. Je­an-Clau­de Ga­kos­so dis­se o mes­mo que Mai­te Nko­a­na-Masha­ba­ne, pou­cos di­as atrás.

A mi­nis­tra sul-afri­ca­na das Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e Co­o­pe­ra­ção fa­lou da ne­ces­si­da­de de se pri­o­ri­zar o diá­lo­go na RDC, mas mais do que is­so con­se­guir man­ter a es­ta­bi­li­da­de num país que é “vi­tal pa­ra a re­gião”, e com quem a Áfri­ca do Sul as­si­nou, jun­ta­men­te com An­go­la, um im­por­tan­te acor­do de co­o­pe­ra­ção po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e de se­gu­ran­ça.

Já o che­fe da di­plo­ma­cia con­go­le­sa dis­se que a RDC faz par­te das pri­o­ri­da­des da agenda po­lí­ti­ca da re­gião, mas de um mo­do par­ti­cu­lar pa­ra An­go­la e Con­go Braz­za­vil­le. “É um país vi­zi­nho, um país ir­mão que sem­pre me­re­ceu aten­ção, mas es­ses úl­ti­mos epi­só­di­os tor­nam a si­tu­a­ção mui­to mais especial”, as­si­na­lou.

Je­an-Clau­de Ga­kos­so des­cre­veu o ac­tu­al qua­dro na RDC co­mo “mui­to pre­o­cu­pan­te”, mas “ab­so­lu­ta­men­te ao al­can­ce da boa von­ta­de e da ca­pa­ci­da­de de diá­lo­go dos pró­pri­os ac­to­res po­lí­ti­cos do país”. Con­si­de­rou as di­ver­gên­ci­as en­tre os con­go­le­ses “com­pre­en­sí­veis de to­do”, mas con­de­nou o re­cur­so à vi­o­lên­cia. “É pre­ci­so pro­cu­rar mei­os pa­ra a re­so­lu­ção pa­cí­fi­ca des­sa si­tu­a­ção, pois já hou­ve mui­to san­gue der­ra­ma­do e a co­mu­ni­da­de não apre­goa es­sas prá­ti­cas. A co­mu­ni­da­de quer uma so­lu­ção pa­cí­fi­ca, que dê pri­ma­zia ao diá­lo­go e te­nha em con­ta a vi­da hu­ma­na.”

O che­fe da di­plo­ma­cia con­go­le­sa re­fe­riu-se aos fac­to­res que ho­je di­vi­dem a clas­se po­lí­ti­ca da RDC, re­al­çan­do as elei­ções que es­ta­vam apon­ta­das pa­ra es­te ano, ti­das co­mo “cru­ci­ais pa­ra a es­ta­bi­li­da­de do país” e o fim do man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la no pró­xi­mo mês de De­zem­bro. “Mas to­dos nós tam­bém cons­ta­ta­mos que não exis­tem con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção des­sas elei­ções. Por is­so, há que di­a­lo­gar pa­ra se en­con­trar uma so­lu­ção na ba­se do diá­lo­go e da con­cer­ta­ção en­tre os pró­pri­os ac­to­res po­lí­ti­cos con­go­le­ses”, de­fen­deu.

For­te li­ga­ção

So­bre a men­sa­gem do Pre­si­den­te De­nis Sassou Nguesso pa­ra o seu ho­mó­lo­go an­go­la­no, Je­an-Clau­de Ga­kos­so evo­cou a “for­te li­ga­ção” que exis­te en­tre os dois Che­fes de Es­ta­do, além da “pre­o­cu­pa­ção par­ti­lha­da” em re­la­ção à Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. “De fac­to, en­tre An­go­la e a Re­pú­bli­ca do Con­go exis­te uma for­te li­ga­ção, ra­zão pe­la qual os dois Pre­si­den­tes man­têm con­tac­tos re­gu­la­res. Des­co­nhe­ço o te­or da men­sa­gem, mas cer­ta­men­te tem a ver com ques­tões li­ga­das à es­ta­bi­li­da­de da re­gião, que aos dois in­te­res­sa con­cer­tar en­tre si”.

Ci­mei­ra de Lu­an­da

Se­gun­do Ga­kos­so, a ne­ces­si­da­de de con­cer­ta­ção en­tre os Pre­si­den­tes de An­go­la e do Con­go re­sul­ta tam­bém do apro­xi­mar da da­ta de re­a­li­za­ção de uma ci­mei­ra da re­gião dos Gran­des La­gos, no âm­bi­to do Acor­do-Qua­dro pa­ra a paz, es­ta­bi­li­da­de e co­o­pe­ra­ção na RDC, as­si­na­do no pas­sa­do dia 24 de Fe­ve­rei­ro de 2013, em Ad­dis Abe­ba, nu­ma ini­ci­a­ti­va da ONU.

O mi­nis­tro con­go­lês, que en­tre­tan­to con­fir­mou a pre­sen­ça de Sassou Nguesso em Lu­an­da no pró­xi­mo dia 27, não tem dú­vi­da de que ape­sar de es­ta­rem pre­vis­tos ou­tros as­sun­tos pa­ra abor­dar, no âm­bi­to da CIRGL, co­mo a RCA e Su­dão do Sul, a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca na RDC se­rá o pra­to prin­ci­pal do me­nu.

“Não te­nho a me­nor dú­vi­da dis­so, por­que en­quan­to vi­zi­nhos da RDC, te­mos ple­na cons­ci­ên­cia de que uma even­tu­al de­fla­gra­ção da si­tu­a­ção nes­te país po­de le­var a si­tu­a­ções mui­to mais di­fí­ceis nos dois países”, de­cla­rou Ga­kos­so.

Nguesso em­pe­nha­do

O Pre­si­den­te Sassou Nguesso tam­bém tem es­ta­do for­te­men­te em­pe­nha­do na so­lu­ção do pro­ble­ma da RDC. E é nes­te âm­bi­to que con­ver­sou com to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos da opo­si­ção da RDC em Braz­za­vil­le, ex­cep­to Eti­en­ne Tshis­se­ke­di e Moi­se Ka­tum­bi. Com Tshis­se­ke­di, que é a prin­ci­pal fi­gu­ra da opo­si­ção, o Pre­si­den­te Nguesso con­ver­sou du­ran­te uma des­lo­ca­ção que efec­tu­ou a Kinsha­sa. “A sua mis­são foi ou­vir as pre­ten­sões des­ses po­lí­ti­cos e te­mos ple­na cer­te­za de que o Pre­si­den­te Sassou Nguesso quer par­ti­lhar o que ou­viu dos ac­to­res po­lí­ti­cos da RDC com o seu ho­mó­lo­go an­go­la­no”.

Se­gun­do o che­fe da di­plo­ma­cia con­go­le­sa, a sua vi­si­ta a An­go­la foi tam­bém mo­ti­va­da pe­lo de­se­jo de fa­zer um ape­lo à in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te an­go­la­no, ten­do em con­ta o seu pres­tí­gio e in­fluên­cia, quer co­mo Che­fe de Es­ta­do, quer co­mo lí­der da re­gião, no sen­ti­do de se re­for­çar a cor­ren­te pa­ra uma so­lu­ção viá­vel no seio dos ac­to­res po­lí­ti­cos da RDC.

Só a es­ta­bi­li­da­de in­te­res­sa

Pa­ra Je­an-Clau­de Ga­kos­so, os re­cen­tes epi­só­di­os de vi­o­lên­cia na ca­pi­tal da RDC pre­ju­di­cam a ima­gem do país, mas tam­bém da re­gião que pre­ci­sa de es­ta­bi­li­da­de pa­ra po­der cres­cer e pros­pe­rar. “Tu­do is­so pre­ju­di­ca a eco­no­mia tan­to do país co­mo da re­gião, pois ne­nhum in­ves­ti­dor quer es­tar num lu­gar on­de im­pe­ra a ins­ta­bi­li­da­de. Que­rem in­ves­tir num lu­gar se­gu­ro on­de o seu ne­gó­cio pos­sa mul­ti­pli­car-se”.

O mi­nis­tro fez en­tão um ape­lo ao bom-sen­so dos po­lí­ti­cos e ci­da­dãos da RDC, pa­ra que “olhem pa­ra is­so com bas­tan­te aten­ção”, pois, re­fe­riu, “é is­so que mo­ve a co­mu­ni­da­de a tra­ba­lhar no sen­ti­do de es­ta­bi­li­zar es­te imen­so país que tem um pa­pel fun­da­men­tal na re­gião”.

Ga­kos­so sa­li­en­tou que nu­ma al­tu­ra em que bai­xou o pre­ço do pe­tró­leo bru­to, que foi sem­pre o mai­or su­por­te do cres­ci­men­to das eco­no­mi­as da re­gião, a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e a se­gu­ran­ça as­su­mem con­tor­nos de pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta, ten­do em con­ta a ne­ces­si­da­de de se en­con­trar ou­tras vi­as de mo­bi­li­zar in­ves­ti­men­tos e cap­tar re­cur­sos pa­ra con­ti­nu­ar a de­sen­vol­ver os países e a co­mu­ni­da­de.

ROGÉRIO TUTI

Mi­nis­tro con­go­lês con­si­de­ra de ex­tre­ma pre­o­cu­pa­ção a ac­tu­al si­tu­a­ção na RDC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.