Pa­ra on­de sair?

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI |

Não é o po­vo que in­ten­ta in­va­sões ou gran­des con­fli­tos ge­o­es­tra­té­gi­cos, tão pou­co a “ci­ên­cia po­lí­ti­ca” de de­ses­ta­bi­li­zar o “ou­tro.”

Ho­je, pa­re­ce que quem tem bom­bas qua­se fo­ra de pra­zo, acor­da de manhã e in­ter­ro­ga-se: on­de é que eu vou des­pe­jar umas ho­je?

E as pes­so­as, o po­vo, já os ri­cos fu­gi­ram de avião no ca­mi­nho das con­tas ban­cá­ri­as e pa­lá­cio lá fo­ra, fo­gem a pé, em­bam­bas nas cos­tas, cri­an­ças no co­lo e pe­la mão, em bus­ca de um lu­gar de si­lên­cio e sem chei­rar a pól­vo­ra e a mor­te. De­pois da guer­ra da Sí­ria tu­do se agra­vou. Por vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, vi­o­lên­cia, per­se­gui­ções e si­mi­la­res, 60 mi­lhões de pes­so­as (nú­me­ros de 2014) fu­gi­ram de su­as ca­sas. É im­por­tan­te di­zer is­to por­que vem no re­la­tó­rio MUN­DO EM GUER­RA, do Al­to Co­mis­sa­ri­a­do das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (AC­NUR) que An­tó­nio Gu­ter­res li­de­rou e, ao que pa­re­ce com mé­ri­to.

O re­la­tó­rio re­fe­re ain­da que me­ta­de dos re­fu­gi­a­dos do mun­do são cri­an­ças.

É o mai­or nú­me­ro de re­fu­gi­a­dos que se re­gis­ta de­pois da se­gun­da guer­ra mun­di­al de que a ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das) é uma de­cor­rên­cia em subs­ti­tui­ção da So­ci­e­da­de das Na­ções. A de­ses­ta­bi­li­za­ção do nor­te de Áfri­ca com de­do oci­den­tal e a que iro­ni­ca­men­te cha­ma­ram de pri­ma­ve­ra ára­be, cri­a­ram a ca­ri­ca­tu­ra da Eu­ro­pa de­ci­dir por re­ce­ber os “náu­fra­gos” pa­ra de­pois en­trar em xe­no­fo­bia, er­guer mu­ros e bar­rei­ras de ara­me far­pa­do, tu­do contra os prin­cí­pi­os da mo­ral cris­tã e dos prin­cí­pi­os e tex­tos do di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal. Só que ago­ra os re­fu­gi­a­dos, pe­la glo­ba­li­za­ção, não se res­trin­gem à Eu­ro­pa. Com os con­fli­tos na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Su­dão do Sul, So­má­lia, Ni­gé­ria, Bu­run­di, Ma­li e Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e a si­tu­a­ção pi­o­ra por­que as pes­so­as já não vol­tam a ca­sa co­mo acon­te­cia nos anos an­te­ri­o­res.

Fa­ço vo­tos que Gu­ter­res con­si­ga, pe­lo me­nos, des­pi­o­rar o mun­do pois a res­pon­sa­bi­li­da­de é dos países mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, os ven­ce­do­res da se­gun­da guer­ra mun­di­al. São eles que ins­ti­gam, in­ter­fe­rem ou exe­cu­tam ac­ções de guer­ra e des­trui­ção, ora exer­cen­do o di­rei­to de ve­to ora de­so­be­de­cen­do à Car­ta da ONU e às su­as re­so­lu­ções co­mo acon­te­ceu na in­va­são ao Ira­que.

Na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na con­tam-se 3,7 mi­lhões de re­fu­gi­a­dos e11,4 mi­lhões de re­fu­gi­a­dos in­ter­nos. O nos­so país aco­lhe 15.474 re­fu­gi­a­dos.

Tam­bém, países que não fa­bri­cam ar­mas qua­se que são obri­ga­dos a com­prá-las. O oci­den­te ven­de mi­nas e no fim das guer­ras co­bra a des­mi­na­gem.

Es­tá-se mui­to pi­or do que na cha­ma­da “guer­ra fria” de que An­go­la foi ví­ti­ma e lu­gar de en­saio de ar­mas do oci­den­te e ar­mas de leste. A Rús­sia con­ti­nua a bom­bar­de­ar Ale­po, ci­da­de fo­ra do seu cír­cu­lo de leste eu­ro­peu e pen­sa em ins­ta­lar ba­ses mi­li­ta­res em Cu­ba e Vi­et­nam en­quan­to na Amé­ri­ca, um pa­ra­noi­co por mu­ros, guer­ras e ener­gia nu­cle­ar es­tá na corrida pa­ra a pre­si­dên­cia.

Quan­do a es­tra­da ti­nha si­do “lam­bi­da” com as­fal­to, vi­a­jan­do à noi­te pa­ra o Wa­ku, sem­pre com a so­bri­e­da­de e edu­ca­ção da po­lí­cia a ob­ser­var os meus do­cu­men­tos, lem­bra­va­me de países aqui per­to on­de não se po­de vi­a­jar à noi­te e me­di­ta­va nes­se va­lor mai­or que é a paz. Quem co­mo nós vi­ve em paz tem a obri­ga­ção de a pro­te­ger. E a paz não se ga­ran­te nem com ar­mas nem com pa­la­vras. Mas com ac­tos. Di­mi­nuir a dis­tân­cia en­tre os po­bres e os ri­cos, sem ser com im­pos­tos ou me­ca­nis­mos do gé­ne­ro mas com o au­men­to da pro­du­ção agro­pe­cuá­ria fa­mi­li­ar me­di­an­te in­cen­ti­vos, cré­di­to e al­fai­as agrí­co­las pa­ra co­o­pe­ra­ti­vas e tam­bém as gran­des fa­zen­das que em­pre­gam gen­te das al­dei­as cir­cun­dan­tes. E, aci­ma de tu­do, res­pei­tar e fa­zer cum­prir a cons­ti­tui­ção. O po­vo não quer per­der a paz. Mas quer a cal­ma, a cer­te­za do res­pei­to dos seus di­rei­tos e vi­ver sem qual­quer ti­po de cons­tran­gi­men­tos.

Di­zem os en­ten­di­dos que aqui na nos­sa Áfri­ca, os países que pri­mei­ro vão sair da cri­se são a Ni­gé­ria, An­go­la e a Áfri­ca do Sul. Pa­re­ce que An­go­la é que es­tá me­lhor. Não tem os pro­ble­mas da Ni­gé­ria, re­li­gi­o­sos e tri­bais, nun­ca aqui os ca­tó­li­cos ma­ta­ram mu­çul­ma­nos nem es­tes ca­tó­li­cos. Nem os con­fli­tos so­ci­ais da Áfri­ca do Sul, co­mo as re­cen­tes ma­ni­fes­ta­ções dos es­tu­dan­tes ne­gros, si­tu­a­ção da au­to­ria dos que vi­ra­ram de re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os pa­ra do­nos de ca­si­nos, os que traí­ram Man­de­la pe­la am­bi­ção, sen­do cer­to que ma­ni­fes­ta­ções sem­pre re­ve­lam um ín­di­ce de de­mo­cra­cia des­de que não atin­jam graus de vi­o­lên­cia e con­fron­tos ac­ti­vos com as au­to­ri­da­des.

Es­ta­mos em paz e quan­tos ou­tros países a de­se­ja­ri­am. Mas a paz não po­de ser en­ten­di­da co­mo uma la­goa de águas pa­ra­das mas co­mo um pro­ces­so em cons­tan­te aper­fei­ço­a­men­to, in­cluin­do a dos po­lí­ti­cos que di­ri­gem a coi­sa pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.