Mu­lhe­res apoi­an­tes de Trump con­ti­nu­am a ig­no­rar es­cân­da­los

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JENNIE MATTHEW |

Co­men­tá­ri­os las­ci­vos so­bre as mu­lhe­res? É só con­ver­sa de bas­ti­do­res. Acu­sar o ex-pre­si­den­te Bill Clin­ton de abu­so se­xu­al? Ele pre­ci­sou de fa­zer is­so. Que­da nas pes­qui­sas? Os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa men­tem.

As se­gui­do­ras de Do­nald Trump pa­re­cem alhei­as à gra­vi­da­de dos es­cân­da­los que cer­cam o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no à pre­si­dên­cia, as­sim co­mo às de­ser­ções que ocor­rem em cam­pa­nha de fi­gu­ras e le­gis­la­do­res do seu par­ti­do. E mos­tram-se mais apai­xo­na­das do que nun­ca pa­ra vo­tar no mag­na­ta do sec­tor imo­bi­liá­rio.

Os elei­to­res in­de­ci­sos po­dem des­car­tar Trump, o Grand Old Party (GOP, Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no) po­de ter aban­do­na­do to­da a es­pe­ran­ça de ven­cer a elei­ção de 8 de No­vem­bro, mas há pou­cos si­nais de que os se­gui­do­res do ex-as­tro dos re­a­lity shows es­te­jam a fu­gir.

Trump! Trump!, vo­ci­fe­ra uma mul­ti­dão en­quan­to es­pe­ra o can­di­da­to no seu pri­mei­ro co­mí­cio des­de que ex­plo­diu o es­cân­da­lo da di­vul­ga­ção de uma gra­va­ção de 2005 na qual se ga­ba de uti­li­zar a sua con­di­ção de ce­le­bri­da­de pa­ra abu­sar se­xu­al­men­te das mu­lhe­res.

Os seus se­gui­do­res di­ri­gi­ram-se à are­na de Wil­kes-Bar­re, um po­vo­a­do go­ver­na­do por um pre­fei­to de­mo­cra­ta no Es­ta­do cha­ve da Pen­sil­vâ­nia.

Hil­lary Clin­ton acu­mu­la uma van­ta­gem de 9,4 pon­tos per­cen­tu­ais nes­te Es­ta­do, de acor­do com uma mé­dia das pes­qui­sas do Re­alC­le­arPo­li­tics.

“Pos­so es­tar a co­xe­ar na li­nha de che­ga­da, mas va­mos cru­zar a me­ta”, dis­se Trump na se­gun­da-fei­ra de­pois de re­ce­ber bo­as-vin­das dig­nas de um as­tro do rock dos seus de­fen­so­res in­con­di­ci­o­nais, em­bo­ra o re­cin­to, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 10 mil pes­so­as, não es­ti­ves­se lo­ta­do.

Se­gui­do­res que fa­zi­am fi­la - in­clu­si­ve se­te ho­ras an­tes do iní­cio do co­mí­cio - es­ti­ma­ram que a gra­va­ção de 2005 na qual Trump faz as su­as de­cla­ra­ções es­can­da­lo­sas so­bre as mu­lhe­res mos­tra ape­nas que tem a as­pe­re­za ne­ces­sá­ria pa­ra olhar fi­xa­men­te nos olhos de ho­mens co­mo o rus­so Vla­di­mir Pu­tin. “Não sig­ni­fi­ca na­da pa­ra mim”, dis­se Ly­nae Kuntz, que há 30 anos tra­ba­lha no sec­tor de saú­de. Ela con­si­de­rou que o de­mo­cra­ta Bill Clin­ton foi um bom pre­si­den­te e to­le­rou as su­as in­fi­de­li­da­des, as­sim co­mo tam­bém to­le­ra as de Trump.

“Is­so não tem na­da a ver com a pre­si­dên­cia”, afir­mou. “O que quer que te­nha fei­to, não gos­to de jul­gar as pes­so­as, só que­ro al­guém que fa­ça com que as coi­sas me­lho­rem pa­ra nós”, dis­se.

Os de­mo­cra­tas e os in­de­ci­sos não es­tão de acor­do. Uma pes­qui­sa re­cen­te da “NBC-The Wall Stre­et Jour­nal” mos­tra Hil­lary Clin­ton com uma van­ta­gem de dois dí­gi­tos, en­quan­to 41 por cen­to dos elei­to­res con­si­de­ram os co­men­tá­ri­os de Trump “com­ple­ta­men­te ina­cei­tá­veis”.

Uma pes­qui­sa re­cen­te da Uni­ver­si­da­de de Quin­ni­pi­ac re­ve­lou que as mu­lhe­res apoi­am Hil­lary por uma mar­gem de 53 por cen­to contra 33 por cen­to. E, em­bo­ra Trump te­nha um bom de­sem­pe­nho en­tre a po­pu­la­ção ope­rá­ria bran­ca, ha­via en­tre a mul­ti­dão um bom nú­me­ro de mu­lhe­res pro­fis­si­o­nais de clas­se mé­dia.

Mui­to im­pres­si­o­na­do

A sua atrac­ção co­mo out­si­der po­lí­ti­co, as su­as pro­mes­sas de cri­ar pos­tos de tra­ba­lho e co­lo­car fim à imi­gra­ção ile­gal, as­sim co­mo a for­ma co­mo de­sa­fia a cor­rec­ção po­lí­ti­ca, atraí­ram mi­lhões de ame­ri­ca­nos far­tos dos po­lí­ti­cos de car­rei­ra.

Fre­quen­te­men­te ig­no­ram, ou des­cul­pam, os seus in­sul­tos - contra as mu­lhe­res, os me­xi­ca­nos, os mu­çul­ma­nos e os de­fi­ci­en­tes - no âm­bi­to da agres­si­va cam­pa­nha que po­la­ri­zou o país. “Es­ta­mos re­al­men­te ex­ci­ta­dos”, dis­se Kim Her­ron, de 44 anos, de Wyo­ming, Pen­sil­vâ­nia, que tra­ba­lha em mar­ke­ting, en­quan­to es­ta­va na fi­la com o na­mo­ra­do.

Dis­se que ad­mi­rou o de­sem­pe­nho de Trump no de­ba­te, e des­ta­cou co­mo pon­to al­to quan­do afir­mou que en­vi­a­ria Hil­lary pa­ra a pri­são. Mi­ni­mi­zou as su­as de­cla­ra­ções las­ci­vas so­bre as mu­lhe­res co­mo “pro­va­vel­men­te na­da que uma mu­lher ou um ho­mem não te­nha di­to”. De­fen­deu os seus ata­ques contra Bill Clin­ton - a quem Trump acu­sou de ser “abu­si­vo” com as mu­lhe­res - co­mo jus­tos, con­si­de­ran­do que po­de vol­tar a ocu­par a Ca­sa Bran­ca co­mo pri­mei­ro-ca­va­lhei­ro, al­go que “não se­ria bom”.

Bev Ro­se, uma do­na de ca­sa que no ano pas­sa­do se mu­dou pa­ra a Pen­sil­vâ­nia com o seu ma­ri­do de­pois de per­ma­ne­cer 13 anos na Grã-Bre­ta­nha, dis­se que na­da po­de­ria dis­su­a­di­la de vo­tar em Trump. E em­bo­ra te­nha es­ti­ma­do que o mag­na­ta apre­sen­tou bons pon­tos no de­ba­te de do­min­go, pre­o­cu­pa-se com a pos­si­bi­li­da­de de não ven­cer as elei­ções.

“Qual­quer ou­tra pes­soa que ti­ves­se co­me­ti­do ape­nas uma par­te de tu­do o que ela (Hil­lary Clin­ton) fez es­ta­ria pre­sa ago­ra mes­mo, e ela lan­ça-se pa­ra a Ca­sa Bran­ca”, al­go que “nun­ca de­ve­ria ter si­do per­mi­ti­do”, la­men­tou Ro­se.

Neil, seu ma­ri­do bri­tâ­ni­co, um en­ge­nhei­ro apo­sen­ta­do, con­si­de­rou que Trump re­de­fi­niu o re­pu­bli­ca­nis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.